Governo estima haver entre 200 e 300 agricultores afectados pelos fogos em Mação e Vila de Rei

Governo estima haver entre 200 e 300 agricultores afectados pelos fogos em Mação e Vila de Rei

 O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, estimou nesta terça-feira que entre 200 e 300 agricultores possam candidatar-se aos apoios para as explorações afectadas pelos incêndios de Mação e Vila de Rei, cujas candidaturas decorrem até 15 de Setembro.

“Felizmente, não creio que haja prejuízos desta dimensão, por exploração, porque temos estimados 200 a 300 agricultores que possa ter sido afectados, mas com montantes médios que serão substancialmente menores”, afirmou Capoulas Santos, referindo-se à verba de 600 mil euros disponibilizada pelo Governo.

No Bombarral, distrito de Leiria, onde inaugurou o Festival Nacional do Vinho Português e a Feira Nacional da Pêra Rocha, Capoulas Santos incentivou os agricultores a “apresentarem as candidaturas quanto antes” e apontou o prazo de “um mês a um mês e meio para que o processo fique fechado” e o financiamento aprovado.

O Governo disponibilizou nesta terça-feira uma verba de 600 mil euros, que poderá ser reforçada, de apoios para os agricultores de Mação, Vila de Rei e Sertã afectados pelo incêndio que assolou os territórios entre 20 e 23 de Julho.

O Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural avançou que, depois de ter sido publicado nesta terça-feira em Diário da República o despacho que reconhece como catástrofe natural o incêndio que atingiu diversas freguesias dos municípios de Vila de Rei e de Mação, foram disponibilizados os apoios para os afectados.

No despacho publicado em Diário da República, o Governo refere que os incêndios florestais que deflagraram entre 20 e 23 de Julho, “de enormes e devastadoras proporções, provocaram vastos danos e prejuízos, com particular incidência em determinadas freguesias dos municípios de Vila de Rei e Mação”, nos distritos de Castelo Branco e Santarém, respectivamente. O despacho estabelece um auxílio, através do Programa de Desenvolvimento Rural do Continente (PDR 2020), à reconstituição ou reposição do potencial produtivo das explorações agrícolas danificadas.

Capoulas Santos especificou que, neste âmbito, estão contemplados “os animais, as máquinas, as alfaias, as culturas permanentes, os estábulos e outras instalações” que tenham sido mortos ou destruídos.

Os agricultores podem candidatar-se a compensações financeiras a fundo perdido na ordem dos “100% [para prejuízos] até aos cinco mil euros, a 85% até aos 50 mil euros e a 50% entre os 50 mil euros e os 800 mil euros”, embora, um levantamento prévio aponte para que “não existam prejuízos desta dimensão por exploração”, declarou o governante.

Segundo o ministro, adicionalmente, o Governo instalou, com o apoio do município de Vila de Rei, uma base logística para fornecimento de alimentação animal, estando disponíveis feno e açúcar (para alimentar abelhas), fornecidos pelo Ministério da Agricultura, além de diversos tipos de rações, solidariamente fornecidos por várias empresas.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Presidente da República promulgou diploma sobre cogestão de áreas protegidas
Próximo Número de espécies de aves perdidas da Nova Zelândia levaria 50 milhões de anos a recuperar

Artigos relacionados

Últimas

Câmara de Sintra vai recolher e substituir kit da Proteção Civil que tem material inflamável

A Câmara Municipal de Sintra, que tem 12 aldeias nos programas “Aldeias Seguras” e “Pessoas Seguras”, anunciou esta sexta-feira que vai “recolher de imediato todos os componentes inflamáveis” […]

Nacional

Governo apoia resineiros na vigilância da floresta

O Governo reforçou as medidas de vigilância da floresta
através de um protocolo com resineiros e empresas de extração de resina, […]