Governo dos Açores admite que questão das taxas aduaneiras americanas é “delicada”

Governo dos Açores admite que questão das taxas aduaneiras americanas é “delicada”

O Governo dos Açores reconheceu hoje que a aplicação de taxas e tarifas aduaneiras adicionais pelos EUA é uma “matéria delicada”, mas sublinhou estar a trabalhar sobre o tema desde maio com o Governo da República.

“Face à decisão da administração norte-americana de aplicar aumentos nas taxas e tarifas aduaneiras a vários produtos europeus, importa, no quadro bilateral e da União Europeia, que sejam empreendidas medidas que permitam negociar isenções para os produtos açorianos, dado o pouco impacto que têm no mercado dos EUA”, frisou o governante com a tutela da Agricultura do executivo açoriano, João Ponte.

Citado em nota de imprensa, o secretário regional admite que “esta é uma matéria delicada, que carece do envolvimento de várias entidades e de um trabalho que está a ser feito, mas que, muitas vezes, não é do domínio público”.

O Governo Regional dos Açores diz estar, desde maio, a desenvolver diligências junto do Governo da República para que sejam empreendidas medidas que permitam a negociação de isenções para os queijos e produtos lácteos exportados para os EUA.

Os parlamentares do PSD/Açores questionarem hoje o Governo Regional sobre se avaliou o impacto no queijo de São Jorge das novas taxas aduaneiras criadas nos Estados Unidos e que medidas vai adotar para as minimizar.

Em requerimento enviado à mesa do parlamento dos Açores, os deputados António Almeida e António Pedroso consideram, citados em nota de imprensa, que as novas taxas aduaneiras norte-americanas sobre produtos da Europa fazem com que os laticínios dos Açores “possam ser um dos setores mais afetados com as medidas impostas, perturbando o processo de internacionalização”.

A Organização Mundial do Comércio (OMC) autorizou os Estados Unidos a aplicar tarifas adicionais de 7,5 mil milhões de dólares (quase sete mil milhões de euros) a produtos europeus, em retaliação pelas ajudas da União Europeia à fabricante francesa de aeronaves, a Airbus.

Logo após a divulgação da decisão da OMC, os Estados Unidos fizeram saber que vão impor tarifas punitivas a produtos da UE a partir de 18 de outubro.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Ministros da Agricultura da UE reuniram-se em Helsínquia: “A agricultura pode contribuir para o sequestro de carbono no solo”.
Próximo Vento e risco de Incêndio.

Artigos relacionados

Notícias PAC pós 2020

La Comagri quiere endurecer las sanciones por incumplimiento de la condicionalidad

Resultado de la votación del texto en la sesión de la Comagri
La Comisión de Agricultura del Parlamento Europeo (Comagri) considera que, […]

Dossiers

CANCELADO – Ações de formação “Plano de ação para a vigilância e controlo da vespa velutina em Portugal” – nível básico

A DGAV, em colaboração com ICNF, INIAV, FNAP e a Comunidade Intermunicipal do Algarve, vai realizar um conjunto de ações de formação […]

Últimas

NEGOTIATIONS FOR THE EU BUDGET: STILL VERY DIVERGENT POSITIONS

Last weeks were notably marked by:

In the Member States, a coalition was formed to secure the current levels of the Cohesion Fund in the next MFF. […]