Governo diz que “tudo mudou” desde Pedrógão, PSD faz “crónica do que não foi feito”

Governo diz que “tudo mudou” desde Pedrógão, PSD faz “crónica do que não foi feito”

O ministro do Ambiente defendeu, esta quinta-feira, que “tudo mudou” desde os incêndios de Pedrógão Grande em 2017, depois de o PSD enumerar as “faltas” do Executivo, numa “crónica do que não foi feito”.

No arranque do debate parlamentar de atualidade, requerido pelo PSD, sobre o tema “Pedrógão Grande, três anos depois”, a deputada do PSD Emília Cerqueira admitiu que o Governo produziu “variadíssima legislação” e que “muito foi feito” na reconstrução de património. “Mas a realidade supera qualquer cenário de ficção que o Governo queira embandeirar e, hoje, o que aqui tem de ser contado é a crónica do que não foi feito”, disse.

Para a bancada social-democrata, “falta pôr em curso uma mudança estrutural da floresta”, “falta a interoperabilidade entre entidades”, “falta o prometido cadastro florestal” e a “garantia de transparência na aplicação dos donativos da sociedade civil” nesta região.

“Falta honrar a memória das vítimas com a garantia de que não voltará a acontecer uma tragédia como a de Pedrógão Grande”, defendeu.

Na resposta, o ministro do Ambiente e da Transição Energética defendeu que desde 2017 “muito foi feito” no âmbito da reorganização da floresta e da proteção das infraestruturas, lamentando que não seja possível devolver a vida a quem a perdeu nesse grande incêndio.

“Tudo mudou na proteção às infraestruturas e na redução de risco de incêndio”, contrapôs o ministro, acrescentando que já foram instaladas 50% da Faixas de Interrupção de Combustível previstas para este ano e reabilitados mil quilómetros de ribeiras.

João Matos Fernandes apontou ainda a aquisição de 12 drones “para cobrir todo o território nacional” ou a coordenação pela GNR dos cerca de “sete mil homens das diversas forças” no terreno.

O ministro do Ambiente apontou como essencial a aprovação do Programa de Transformação da Paisagem e reiterou o objetivo traçado pelo executivo.

“A nossa intenção é reduzir para metade a área ardida do país, intervindo – e transformando – um quinto do nosso território. É isso que queremos fazer com os 20 planos de paisagem cuja elaboração já começou. O de Monchique e Silves está concluído. Os da Sertã, Mação, Vila Rei, Proença e Oleiros encontram-se em concurso, valendo a pena salientar aqui a grande adesão das autarquias aos projetos”, apontou.

O artigo foi publicado originalmente em Jornal de Notícias.

Comente este artigo
Anterior Documentário | ”La Senda del Azar”, história do olival intensivo
Próximo Webinar “The European Green Deal” - 24 de junho

Artigos relacionados

Nacional

Opinião – Novo sistema da UE ajudará a tornar as nossas crianças mais saudáveis


Phil Hogan, Member of the EC in charge of Agriculture and Rural Development poses for an official portrait.

Tal como muitos países europeus, […]

Últimas

6º relatório provisório de incêndios rurais: 1 de janeiro a 15 de setembro

A base de dados nacional de incêndios rurais regista, no período compreendido entre 1 de janeiro e 15 de setembro de 2020, um total de 8 807 incêndios rurais que resultaram em 66 116 hectares de […]

Nacional

Declaração de colheita e produção vinícola tem de ser entregue até 15 de Novembro

O IVV — Instituto da Vinha e do Vinho informa que as Declarações de Colheita e Produção são entregues por submissão electrónica no SIvv, […]