Governo aprova regime especial e transitório no Aproveitamento Hidroagrícola do Mira

O Conselho de Ministros Extraordinário aprovou hoje, 18 de Outubro, por via electrónica, uma resolução que estabelece um regime especial e transitório aplicável ao Aproveitamento Hidroagrícola do Mira (AHM), permitindo a instalação de alojamentos que garantem melhores condições de vida e habitabilidade aos trabalhadores e promovendo, no médio-prazo, o planeamento de soluções mais estruturadas de alojamento.

Segundo o comunicado do Conselho de Ministros, a presente resolução concilia ainda o exercício da agricultura com a preservação e a defesa de valores ambientais abrangidos no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV), limitando a área total de agricultura coberta, e protege as áreas com valor de conservação da natureza particularmente sensíveis.

Aproveitamento Hidroagrícola do Mira

A construção do Aproveitamento Hidroagrícola do Mira teve lugar entre os anos de 1963 a 1973 abrangendo uma de área de 10.670 ha na chamada Charneca de Odemira e uma área de 1.330 ha para sul da Ribeira de Seixe.

Este Aproveitamento localiza-se na extremidade Sudoeste do Distrito de Beja, sendo limitado a Norte pelo Rio Mira, a Este e Sudoeste pela E.N. 120, a Oeste pelo Oceano Atlântico, estendendo-se a Sul até ao Barranco de Falcate, Freguesia e Concelho de Aljezur.

A área beneficiada desenvolve-se maioritariamente na faixa costeira, entre Vila Nova Milfontes e a povoação do Rogil numa extensão total da ordem de 41 km, com uma largura variável entre 2 a 6 km. Inclui ainda, algumas zonas aluvionares situadas nas margens do Rio Mira.

Área equipada de 15.200 ha

O Perímetro de Rega do Mira possui uma área equipada de 15.200 ha, com uma área beneficiada de 12.000 ha. A origem da água para rega, abastecimento urbano, industrial e piscicultura, é proveniente da albufeira criada criada pela Barragem de Sta. Clara, localizada no Rio Mira a Este do Perímetro de Rega.

O desenvolvimento total da rede de adução é de cerca de 598 km, dos quais cerca de 178 km constituem a rede primária integrando os restantes na rede secundária. A rede terciária inicia-se nos canais e distribuidores assegurando a condução de água até à parcela.

Saiba tudo sobre o Aproveitamento Hidroagrícola do Mira aqui.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Vinhos da Quinta da Boeira lança Porto em frasco de perfume
Próximo João Paulo Catarino vai ser secretário de Estado das Florestas

Artigos relacionados

Notícias inovação

Produtores de milho elaboram Agenda de Inovação

A inovação constitui, sem dúvida alguma, um factor essencial de competitividade da fileira nacional do milho e do sorgo. […]

Últimas

Curso de iniciação ao QGIS – 3 vagas – Palhais

A APAS Florestas em parceria com a empresa ECN Consulting vai promover um curso de iniciação ao QGIS.
O curso terá a duração de 25h e decorrerá nos dias 29, […]

Últimas

SIMA volta em 2020 com novo posicionamento – 8 a 12 de novembro – Paris

O SIMA está de volta entre os dias 8 e 12 de novembro de 2020 ao centro de exposições de Villepinte, […]