Glifosato: anipla apela à confiança da união europeia na ciência.

Glifosato: anipla apela à confiança da união europeia na ciência.

A renovação da licença para a utilização do glifosato na agricultura da União Europeia, por um período de 15 anos, é votada pelos Estados-membros na próxima quinta-feira, dia 9 de Novembro. A votação tem lugar no âmbito de reunião do Comité Permanente dos Vegetais, Animais e Alimentos para Consumo Humano e Animal, composto por representantes de todos os Estados. Esta renovação tem em vista a permissão da utilização do glifosato no espaço comunitário.

Recorde-se que a licença em vigor termina já no final deste ano e que a votação esteve agendada para o encontro deste mesmo comité do passado dia 25 de Outubro, tendo sido adiada. Na altura do adiamento da decisão, reunidos no Parlamente Europeu, os Estados membros expuseram a suas posições, tendo alguns países incentivando a uma renovação por um período de 5,7 ou 10 anos, ainda que nenhuma das propostas tenha reunido unanimidade.

Para o Director-Executivo da Anipla, António Lopes Dias,

Os agricultores portugueses não podem permitir que interesses meramente políticos se sobreponham aos relatórios oficiais das agências científicas europeias, como a EFSA e a ECHA. É neste sentido que estamos empenhados na garantia de que as decisões sejam racionais e baseadas na ciência, e menos políticas e emocionais.”

Quanto à possibilidade da licença ser reduzida para um período de 5 anos, o responsável mostrou preocupação com a inconsistência de uma decisão sem ter por base motivos que justifiquem a alteração do período previsto.

“Tratar-se-ia mesmo de um precedente grave que colocaria em causa toda a credibilidade do sistema de avaliação europeu e das autoridades que o dirigem. No entanto, ainda assim, estamos confiantes de que 5 anos são melhores do que a revogação. A nossa preocupação e intenção está na garantia de que os produtores agrícolas portugueses mantêm o acesso a esta substância presente em muitos herbicidas, e que é essencial à qualidade e eficiência das suas explorações agrícolas”, reforça António Lopes Dias.

A Anipla e as congéneres europeias, em coordenação com a Associação Europeia para a Protecção das Plantas (ECPA), têm proactivamente contactado as entidades e agentes políticos com responsabilidade nos temas agrícolas, para que intercedam favoravelmente para a renovação da licença da substância, recordando a evidência científica favorável e apresentando posições favoráveis de governos de países como o Canadá, o Japão e a Austrália. Em Portugal, a Anipla apelou por carta ao Ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, para que centrem a sua decisão na ciência, por forma a permitir que os agricultores continuem a poder produzir em segurança e protegendo as suas culturas das pragas, doenças e infestantes, cada vez mais intensas devido às alterações climáticas. A indústria agroquímica está empenhada em travar a propagação de mitos e notícias infundadas que geram medo e insegurança nos consumidores europeus.

 

Comente este artigo
Anterior Seguros de Incêndio Agrícola
Próximo Bruxelas adianta 1,5 milhões de euros para apoiar reconstrução depois dos incêndios

Artigos relacionados

Candidaturas e pagamentos

PDR2020: Cooperação interterritorial e transnacional dos GAL

Aberto de 21 de Outubro de 2019 às 10:00 a 31 de Janeiro de 2020 às 16:59 […]

Nacional

Fogo na Sertã está a ceder lentamente aos meios de combate

O incêndio de grandes dimensões que lavra esta sexta-feira no concelho da Sertã está a ceder ao combate “com lentidão”, disse à […]

Nacional

Siza Vieira: “nos bens alimentares há flutuações de preços que não são preocupantes”

Pedro Siza Vieira, ministro da Economia, garantiu, na conferência de imprensa que decorreu ontem após a reunião de concertação social, que o abastecimento de bens alimentar está […]