Fogo na Sertã está a ceder lentamente aos meios de combate

Fogo na Sertã está a ceder lentamente aos meios de combate

O incêndio de grandes dimensões que lavra esta sexta-feira no concelho da Sertã está a ceder ao combate “com lentidão”, disse à agência Lusa fonte da Proteção Civil.

“O incêndio está a ceder aos meios de combate, com lentidão, devido à orografia do terreno. Estão [os meios] a conseguir dominar as áreas ativas, sendo que ardem com mais intensidade dois dos seis setores do incêndio”, explicou à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações e Socorro (CDOS) de Castelo Branco.

Na localidade de Cumeada, as pilhas de madeira armazenadas no exterior de uma fábrica foram atingidas pelas chamas, sem que as instalações estejam em perigo: “A fábrica está protegida”, adiantou.

A mesma fonte disse ainda que aguardam pela chegada ao teatro de operações de mais meios que, posteriormente, irão ser posicionados no terreno. As chamas lavram em zona florestal “com intensidade” e têm-se aproximado das localidades de Cardiga Cimeira, Albergaria e Bernardia.

O incêndio deflagrou pelas 14h50, na localidade de Marmeleiro, concelho da Sertã. Segundo a página na Internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, às 22h10 estavam no terreno a combater as chamas 548 operacionais, apoiados por 166 viaturas.

Cinco feridos ligeiros e três pessoas retiradas da Cumeada

Cinco pessoas sofreram ferimentos ligeiros no incêndio e outras duas estão a ser reavaliadas pela equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), disse fonte da Proteção Civil.

Inicialmente as autoridades desconheciam a gravidade das vítimas, seis bombeiros e um civil.

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco, neste incêndio ardeu uma casa devoluta e três pessoas com mobilidade reduzida foram retiradas da localidade de Cumeada, “por precaução”.

“Para já não está prevista a evacuação de localidades, sendo que os bombeiros têm feito um esforço adicional para proteger as habitações, as pessoas e bens”, afirmou.

A fonte adiantou que a Estrada Nacional (EN) 2 continua cortada “por precaução” e para permitir o trabalho dos bombeiros no terreno.

[Notícia atualizada às 22h10]

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Legislativas. Jerónimo de Sousa defende "viragem na política ambiental"
Próximo ​Incêndio em Valpaços leva a evacuação de aldeia. Proteção Civil aguarda reforços

Artigos relacionados

Nacional

Incêndios. Situação estabilizada em Vila de Rei e Mação mas Proteção Civil coloca “reservas” para esta tarde

Dois dias após o início dos incêndios em Vila de Rei e Mação, 90% das frentes dos fogos estão dominadas, segundo anunciou o comandante de operações de socorro da Autoridade da Proteção Civil (ANPC), […]

Dossiers

OE2020: PEV propõe mais técnicos no ICNF e avaliação ambiental para aeroporto de Lisboa

Ecologistas começam já esta segunda-feira a apresentar propostas de alteração ao Orçamento nas áreas ambiental e social. […]

Sugeridas

Syngenta cresce acima do mercado português nos fitofármacos

O mercado nacional de produtos fitofarmacêuticos cresceu 2,6% em 2017, mas a Syngenta superou este resultado, com um crescimento de 10,2%, […]