Federação Renovação do Douro “confiante” nas medidas aplicadas à região

Federação Renovação do Douro “confiante” nas medidas aplicadas à região

A Federação Renovação do Douro (FRD) afirmou hoje estar “confiante” nas medidas aplicadas à região demarcada em período de crise provocada pela covid-19, incluindo o benefício de 102.000 pipas de vinho do Porto.

Nesta vindima, a Região Demarcada do Douro vai transformar 102.000 pipas (550 litros cada) de mosto em vinho do Porto, conforme o estipulado no comunicado de vindima do conselho interprofissional do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP).

O quantitativo representa uma diminuição de 6.000 pipas face a 2019 e reflete as quebras de vendas ocorridas no mercado nacional e internacional devido à pandemia de covid-19.

O interprofissional destinou 92.000 pipas de mosto para beneficiar no âmbito da programação normal de vindima e 10.000 pipas para a reserva qualitativa, ou seja, vinho que vai ficar armazenado, bloqueado durante os primeiros três anos, e será depois introduzido no mercado, de forma faseada, ao longo dos próximos 10 anos.

Um acordo negociado com a ministra da Agricultura permitiu desbloquear cinco milhões para financiar a reserva qualitativa

Para a FRD, o valor total do benefício “supera as expectativas e é extremamente importante para este tempo de crise”.

O benefício é a quantidade de mosto que cada viticultor pode destinar à produção de vinho do Porto e é uma importante fonte de receita dos produtores do Douro.

“Foi um processo difícil, mas em que tivemos a capacidade de unir a produção e o comércio e alcançar o sucesso”, salientou, em comunicado, a organização que representa a produção no seio do conselho interprofissional.

A FDR referiu que, no início deste período, “teve à prova a sua capacidade de antecipação, iniciando um grande combate no alerta e persuasão de todos os responsáveis políticos e da própria região de que estes eram tempos de forte crise”.

“Ao longo de um processo duro, cheio de entraves, muitos foram os que, na sua cacofonia, primeiro negaram e minimizaram a crise, depois calaram-se com medo de afrontar o Governo, e, por fim, quiseram apropriar-se das propostas que nunca antes tiveram sabedoria e coragem de defender”, salientou.

Para a Federação, “foi uma oposição agreste, diminuidora dos interesses da Região e que só introduziu confusão nos decisores políticos, ao qual não é alheio o processo eleitoral (para a Casa do Douro) agora suspenso e em que a ânsia de protagonismo ultrapassou a decência”.

“Só idealmente e sem as normais regras de mercado se conseguiriam minimizar as quebras provenientes da pandemia, assim como as estruturais do setor, estabilizando o quantitativo de benefício de 2020 em linha com o de 2019, sem que o preço pago por pipa estivesse pressionado em baixa”, sublinhou.

A FDR lembrou que as “propostas aprovadas e em implementação não se restringiram ao benefício”.

“A destilação de crise a valores compatíveis com os custos de produção da região, o apoio ao armazenamento e a aposta forte e direcionada à promoção dos nossos vinhos serão componentes dinamizadores da procura por uvas DOC, contribuindo positivamente para o rendimento global dos viticultores durienses”, sustentou.

A Federação considera “que esta crise não se vai circunscrever a 2020” e que “o próximo ano será tão ou mais desafiante”, pelo que defende que “urge a implementação das medidas já aprovadas e a prontidão necessária para a idealização de outras que permitam ultrapassar a crise com confiança e longe dos números catastróficos de outros setores de atividade”.

Comente este artigo
Anterior Centro para dinamizar Património Agrícola Mundial em Montalegre vai custar 900 mil euros
Próximo Cadeia Agroalimentar repudia possibilidade de desmembramento da DGAV

Artigos relacionados

Nacional

Macfrut Digital disponibiliza antevisão online

Já está online uma antevisão da Macfrut Digital, a feira em formato virtual que este ano vai substituir, devido às condicionantes da […]

Últimas

Madeira paga 35 mil euros de indemnizações a agricultores afetados por temporais

O Conselho do Governo Regional da Madeira decidiu hoje atribuir 35.710 euros de indemnizações aos agricultores afetados pelos temporais de fevereiro e março de 2018, […]

Nacional

CAP: “É realista apontarmos para atingir o salário mínimo de 700 euros” em 2023

Na véspera da tomada de posse do Governo, o presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal fala ao PÚBLICO sobre a importância de estabelecer um valor para o salário mínimo no final da legislatura. […]