Federação Agrícola dos Açores manifesta o seu desacordo com a proposta da Comissão Europeia para a nova Política Agrícola Comum

Federação Agrícola dos Açores manifesta o seu desacordo com a proposta da Comissão Europeia para a nova Política Agrícola Comum

A Comissão Europeia apresentou ontem em Bruxelas, uma proposta de orçamento para o novo Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027, que engloba o corte de 5% nas ajudas da nova Política Agrícola Comum (PAC), tendo, no entanto, o comissário europeu para a agricultura, assegurado que Portugal não será penalizado por cortes nos pagamentos diretos aos agricultores.

Esta proposta é para a Federação Agrícola dos Açores um rude golpe na Agricultura Açoriana, atendendo a que as expectativas eram e continuam a ser, que se registem aumentos dos apoios ao setor, nomeadamente, do Posei, já que as verbas afetas a este programa comunitário, têm sido manifestamente insuficientes para fazer face às necessidades.

No âmbito do desenvolvimento rural, e embora a informação seja escassa, o possível corte de 5% no próximo quadro comunitário de apoio, irá se refletir drasticamente na diminuição do investimento no setor, o que será profundamente negativo para a coesão económica e social da região.

A competitividade da agricultura regional está em causa, pois os fundos comunitários ao dispor dos Agricultores Açorianos são indispensáveis para a competitividade agrícola regional porque, embora as condições globais na agricultura tenham melhorado, ainda existem problemas estruturais que necessitam de ser debelados.

A Federação Agrícola dos Açores sempre entendeu que deve existir um reforço das medidas da nova PAC para combater a desertificação das zonas rurais, e em particular das regiões Ultraperiféricas que necessitam de discriminações positivas, para que as suas especificidades sejam devidamente preservadas, designadamente, na entrada de novos jovens agricultores.

Perante a proposta apresentada, o futuro da agricultura regional pode estar em causa, por isso, apelamos à união de todos, desde a produção, ao Governo Regional, aos partidos regionais, eurodeputados e ao Governo da República, na defesa dos interesses dos agricultores açorianos, uma vez que, as propostas até agora conhecidas da nova PAC, são desequilibradas e desajustadas da realidade regional.

Santana, 3 de maio de 2018

A Direção

 

Comente este artigo
Anterior STET e AdviceAgriBusiness organizam em 16 de Maio, dia da batata em Alcochete
Próximo Produção de Energia Solar Dependente de Regulação

Artigos relacionados

Comunicados

Abastecimento de água preocupa Lavoura Micaelense

Comente este artigo
#wpdevar_comment_2 span,#wpdevar_comment_2 iframe{width:100% !important;} […]

Candidaturas e pagamentos

PDR2020: Observações da agricultura e dos territórios rurais

Aberto de 12 de Julho de 2019 às 11:00 a 14 de Agosto de 2019 às 16:59 […]

Últimas

Syngenta reforça portfólio de soluções Pós-Colheita

A Syngenta está a realizar um investimento importante no reforço do seu portfólio com novas soluções fungicidas para controlo das doenças de conservação em fruta e legumes. […]