Exército de patos chineses combate praga de gafanhotos

Exército de patos chineses combate praga de gafanhotos

A China vai enviar um exército de 100 mil patos para ajudar no combate à praga de milhões de gafanhotos que está destruir plantações no Paquistão.

Segundo os especialistas, que tentam travar o avanço destes insetos do tamanho de dedos, os patos são mais eficazes que os pesticidas e há até quem lhes atribua as capacidades de armas biológicas.

“Um pato consegue comer mais de 200 gafanhotos por dia”, afirmou Lu Lizhi, investigadora no “Zhejiang Academy of Agricultural Sciences”, e responsável pelo projeto em conjunto com a Universidade do Paquistão.

Uma fase de teste vai decorrer na China, na região de Xinjiang, antes de estes patos serem enviados para o Paquistão. Até lá, o governo local aconselha os habitantes a comerem gafanhotos em churrasco ou com caril.

Em África, o custo de combate a esta praga já ronda os 116 milhões de euros, sendo que no Corno de África a situação é considerada muito grave. A praga está a alastrar para a Península Arábica e para o Golfo Pérsico.

O artigo foi publicado originalmente em Jornal de Notícias.

Comente este artigo
Anterior Protesto de agricultores corta trânsito em troço da autoestrada espanhola com ligação ao Algarve
Próximo A política pública de prevenção e combate a incêndios só terá sucesso suportada pela ciência - Ricardo Vicente

Artigos relacionados

Nacional

Mais de 9.500 hectares arderam em Vila de Rei e Mação. É aproximadamente a área de Lisboa

O EFFIS, do Centro de Investigação Comum da Comissão Europeia, que apresenta as áreas ardidas cartografadas em imagens de satélite, indica que o incêndio que deflagrou no sábado em Vila de Rei, […]

Nacional

Mais de 100 expositores na Feira da Luz/Expomor em Montemor-o-Novo

Mais de 100 expositores marcam presença na edição deste ano da Feira da Luz/Expomor, em Montemor-o-Novo (Évora), que arranca na quarta-feira, […]

Nacional

Governo acolhe proposta do CDS sobre financiamento de projetos do PDR2020 na área da viticultura

A lei do OE2017 (Orçamento do Estado) previa a transferência de receitas próprias do IVV, até ao limite de €2.000.000, para aplicação no PDR 2020 em projetos de investimento ligados ao setor vitivinícola.