Estudo sugere aumento de preços para combater o desperdício

Estudo sugere aumento de preços para combater o desperdício

Para ser possível alcançar a sustentabilidade agrícola e climática, os preços dos produtos agrícolas devem aumentar, refletindo o custo ambiental. A medida é uma das sugestões do estudo “Megatendências no setor agroalimentar: visão global e possível resposta política da perspectiva da UE”, disponibilizado na plataforma Think Tank, do Parlamento Europeu.

Segundo o estudo, as decisões políticas e económicas podem ter um impacto negativo sobre o desperdício de alimentos, por exemplo, quando alguns subsídios causam excesso de produção para baixar os preços. As políticas terão de aumentar a sensibilização para a necessidade de os preços dos alimentos cobrirem os custos ambientais e sociais da produção e do desperdício de alimentos.

O estudo em questão apresenta uma análise das megatendências que influenciam a maneira como o mundo produz, distribui e consome alimentos, bem como uma visão da produção global necessária para suportar as populações humanas até 2050.

A agricultura cooperativa está em ascensão para pequenos agricultores que não têm condições de comprar equipamentos e que se estabelecem em terras consolidadas e partilham os benefícios e custos relacionados com a compra de novas tecnologias. A agricultura de precisão está a revolucionar o setor agrícola com precisão centenária nos campos e a capacidade de gerir sementes, fertilizantes, água, culturas e reduzir e direcionar a pulverização de plantas doentes, proporcionando controlo contínuo e apoiando a tomada de decisões. O futuro da agricultura também deverá ser afetado pela biotecnologia. As plantas resistentes a doenças deverão reduzir a volatilidade do rendimento, aumentar a produção e reduzir o uso de pesticidas químicos.

Os investigadores questionam se a produção agrícola pode ser aumentada dentro dos limites dos recursos naturais disponíveis (água e terra) sem causar danos irreversíveis ao planeta.

A expansão excessiva de terras agrícolas pode gerar a problemas ambientais, como perda de biodiversidade. O uso de terras adicionais, inadequadas para a agricultura, pode, também, proporcionar menor rendimento.

O relatório refere que o uso sustentável e eficiente terra e água, via suporte tecnológico, pode aumentar o rendimento das culturas, sem a necessidade de expandir terras agrícolas.

As mudanças climáticas são outro desafio que afeta o rendimento, a qualidade do solo e os animais, e a resiliência das plantas a doenças, entre outros efeitos. O relatório faz, ainda referência, à necessidade investimentos substanciais para reduzir as emissões de GEE e minimizar o impacto dos sistemas agroalimentares no meio ambiente.

São necessárias ações públicas firmes e inovação dos setores público e privado para aumentar a produtividade agrícola sem expandir as terras agrícolas e causar degradação do solo.

Segundo a FAO, não será necessário aumentar a produção agrícola até 50% (de 2012 a 2050), a fim de cumprir as metas dos ODS para acabar com a fome e alcançar a segurança alimentar, desde que os sistemas agroalimentares se tornem mais sustentáveis.

Para garantir a segurança e disponibilidade de alimentos, os formuladores de políticas devem concentrar-se na produtividade agrícola e prever incentivos sob a proposta da PAC para aumentar e/ou maximizar a produção agrícola na UE, bem como promover a aceitação e a partilha de conhecimentos de tecnologia e digitalização na produção agrícola como motor da segurança alimentar.

Pode aceder ao estudo completo através do site do Parlamento Europeu.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Festival C’Azedu – Portuguese Sour & Grape Beer redescobre estilos de cerveja milenares à moda portuguesa
Próximo Europa planea facilitar la edición genética de cultivos tras la sentencia que los equiparó con los transgénicos

Artigos relacionados

Nacional

216 militares empenhados em ações preventivas de incêndios florestais até domingo

Seis patrulhas da Marinha e 18 do Exército vão exercer ações de patrulhamento dissuasor para minimizar o risco de incêndios florestais, ao […]

Nacional

Investigadores da UTAD criam projeto de prevenção e combate aos fogos florestais

Graças a um grupo de trabalho desenvolvido pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, já é possível tirar partido da colheita de água da chuva para fins agroflorestais e para a criação de reservas de água no combate aos fogos florestais. […]

Sugeridas

Frutalmente triplica produção de romãs

Organização de produtores do Ribatejo aposta na cultura da Romã com a marca Adoora […]