Empresas e Associações locais unem-se para potenciar o investimento no interior

Empresas e Associações locais unem-se para potenciar o investimento no interior

Um investimento, superior a meio milhão de euros, que tem como objetivo apoiar a reestruturação e reconversão de mais de 40ha de vinha na sub-região de Monção e Melgaço – a Origem Alvarinho.

Com o objetivo de continuar a potenciar o investimento no interior, criando condições económicas e laborais na vinha para a fixação da população, nomeadamente, na região de Monção e Melgaço – a Origem Alvarinho, o Soalheiro e a Avitiminho-Associação dos Viticultores do Vale do Minho criaram uma agrupada de 88 produtores, com uma área superior a 40ha de vinha, que se candidatou ao projeto VITIS. Trata-se de um financiamento, para a promoção do território e valorização da vinha, através do apoio à sua reestruturação e reconversão, superior a meio milhar de euros.

Coordenada pela Avitiminho, os elementos do Clube de Produtores de Monovarietais do Vinho Verde, fundado pelo Soalheiro, e outros viticultores da região integraram uma agrupada onde os viticultores de minifúndio têm ajuda para tornar as suas parcelas de pequena dimensão rentáveis. “A parceria do Soalheiro, através do Clube de Produtores de Monovarietais do Vinho Verde, com a Avitiminho, surgiu em 2018 para a formação dos produtores da região, nomeadamente na formação obrigatória em COTS (Conduzir e Operar o Trator em Segurança). O Clube de Produtores integra atualmente mais de 150 viticultores cujo foco na qualidade, no enoturismo e na inovação são prioridades!” afirmam os produtores do Soalheiro.

Esta candidatura representa mais uma aposta no território do vinho, neste caso da sub-região de Monção e Melgaço: a Origem do Alvarinho, que mostra que a união dos concelhos de Monção e de Melgaço, das entidades locais, do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV), da ViniPortugal e dos Vinhos Verdes fará toda a diferença na sua sustentabilidade social, económica e ambiental deste território.

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior Dar valor à produção local
Próximo Projeto ibérico quer pôr biomassa da poda a aquecer casas

Artigos relacionados

Últimas

Incêndios: ‘Drones’ da Força Aérea operam a partir da Lousã, Beja e Mirandela

Os ‘drones’ para vigilância aérea e deteção de incêndios florestais estão a operar a partir da Lousã, Beja e Mirandela, tendo realizado até ao final de agosto cerca de 100 horas de voos, indicou hoje a […]

Dossiers

Exportação de arroz para o Paraguai

Estão estabelecidos os requisitos fitossanitários para exportação de arroz em casca, produzido em Portugal, para o Paraguai. […]

Nacional

Feira Nacional de Agricultura terá formato misto e plataforma eFNA disponível 365/24

Subordinada ao tema “A água na agricultura”, a edição de 2021 da Feira Nacional de Agricultura vai decorrer em formato presencial, de 9 a 13 de Junho, no CNEMA, em Santarém, e vai […]