Empresas de vinho do Porto estimam quebra de 25% nas vendas em 2020

Empresas de vinho do Porto estimam quebra de 25% nas vendas em 2020

A Associação das Empresas de Vinho do Porto (AEVP) prevê uma quebra a rondar os 25% nas vendas de vinho em 2020 e equaciona medidas, como a destilação de crise, para minorar o impacto da pandemia no Douro.

Estamos muito preocupados e estamos a tentar fazer tudo para apontar algumas soluções”, afirmou hoje António Saraiva à agência Lusa.

As vendas de vinho estão em queda por causa da pandemia e arrastadas pela paragem do turismo, da restauração e hotelaria e pelo fecho dos mercados internacionais.

O Douro é responsável por 46% das exportações de vinho português. Em 2019, a região vendeu cerca de oito milhões de caixas de nove litros de vinho de Porto, mais 1,7% do que em 2018, registando um aumento do volume de negócios na ordem dos 2,9%.

“Não temos a mínima experiência anterior de algo deste género. Já tivemos crises mas eram localizadas, em Portugal ou na Europa, mas não pelo mundo inteiro ao mesmo tempo e, infelizmente, o vinho não é um produto de primeira necessidade. Ainda há alguns mercados que estão a responder, mas muito pouco”, salientou.

António Saraiva referiu que se perspetiva uma quebra de vendas a rondar os 25% em 2020 para o vinho do Porto, estimando um pouco mais, entre os 25 e 30%, para os DOC (Denominação de Origem Controlada) Douro.

O responsável ressalvou que se tratam de previsões e que tudo vai depender do evoluir da pandemia, referindo que se prevê também “alguma retoma lá para julho ou agosto“, o que poderá acontecer de “forma frágil e reduzida”.

“Estamos a tentar prever os cenários para minorar”, frisou.

A redução nas vendas de vinho do Porto pode levar também a uma redução acentuada do quantitativo de benefício a fixar em 2020. O benefício é a quantidade de mosto que cada produtor pode transformar em vinho do Porto e é uma importante fonte de receita para os viticultores, pelo que a previsível redução está a causar grandes preocupações na região.

“Não queremos que o benefício caia de forma abrupta, para a região era um descalabro total”, referiu.

O responsável disse que os representantes do comércio e da produção estão a trabalhar em conjunto para tentar “minorar os prejuízos latentes”, e considerou que serão precisos “apoios públicos”.

Uma das medidas que a AEVP está a equacionar é a “destilação de crise”, que ajudaria a resolver o problema “sanitário” e o “excedente de vinho na região”.

A vindima de 2019 “foi generosa em quantidade”, há ‘stocks’ elevados de vinhos, nomeadamente de DOC, que não se estão a vender e há também, segundo António Saraiva, falta de álcool desinfetante.

“A destilação de crise resolveria, por um lado, os excedentes potenciais que existam e, por outro lado, ia-nos ajudar a resolver o problema sanitário”, explicou.

Trata-se de uma medida que está a ser pensada em conjunto com a produção, o Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP) e o Ministério da Agricultura, e que, segundo António Saraiva, já está a avançar em países como a França, Espanha e Itália.

O responsável lembrou que as empresas de vinho do Porto já doaram cerca de 60 mil litros de gel desinfetante a várias unidades hospitalares do Norte de Portugal envolvidas no combate à covid-19.

Para o efeito, cederam a aguardente vínica que tinham em ‘stock’ e foi então possível criar uma loção desinfetante que o Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde e a Direção-Geral da Saúde “aprovaram” e que já começou a ser distribuída.

“Não podemos fazer mais porque também vamos precisar dessa aguardente para a vindima”, apontou António Saraiva.

Uma outra medida defendida pela AEVP é a utilização do saldo de gestão do IVDP, superior a nove milhões de euros, para minimizar os previsíveis impactos da pandemia na Região Demarcada do Douro.

As receitas do instituto público resultam das taxas que os produtores de vinho e os comerciantes do Douro pagam durante o ano e, por isso, António Saraiva defende que essa verba deveria ser aplicada na região.

Portugal, que prolongou o estado de emergência até 02 de maio, registava na segunda-feira 735 mortos associados à covid-19 em 20.863 casos confirmados de infeção, de acordo com os dados divulgados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

O artigo foi publicado originalmente em Notícias ao Minuto.

Comente este artigo
Anterior Plataforma apoia produção portuguesa
Próximo Governo da Madeira adianta apoios Proderam 2020 no valor de 3,3 milhões de euros

Artigos relacionados

Últimas

Criadores de novas variedades de uva formam aliança contra culturas ilegais

As principais empresas mundiais de desenvolvimento de novas variedades de uvas de mesa formaram uma parceria única para fortalecer os controlos contra plantações ilegais de variedades licenciadas. […]

Nacional

Curso online: Comunicar agricultura e florestal – 4ª edição

A 4.ª edição do curso “Comunicar agricultura e floresta” realiza-se online, dos dias 29 de junho a 1 de julho, com uma duração de 5 horas. […]

Dossiers

Cooperativas agrícolas aderem em força ao Código das Boas Práticas na Cadeia Agroalimentar

18 Cooperativas agrícolas, a que se juntam a LACTOGAL e a PECNORDESTE, entre outros agentes do setor, subscrevem, o Código das Boas Práticas na Cadeia Agroalimentar […]