Empresa de aquicultura de Mira prevê faturar 113 ME em exportações em 2030

Empresa de aquicultura de Mira prevê faturar 113 ME em exportações em 2030

A empresa de aquicultura Acuinova, sediada em Mira, no distrito de Coimbra, estima faturar 113 milhões de euros em exportações em 2030, um valor seis vezes superior ao projetado para este ano, foi hoje anunciado.

A empresa dedicada à produção de linguado e pregado prevê no seu plano de expansão triplicar o número de trabalhadores dos 149 atuais para 450 em 2030, de acordo com a apresentação feita pela firma, durante a cerimónia de inauguração de uma maternidade de peixes planos, que decorreu hoje.

A administradora executiva da Acuinova, Renata Serradeiro, explicou que a grande expansão da empresa deve-se à produção de linguado, havendo também uma aposta no aumento da capacidade de produção de pregado.

A responsável da empresa salientou que espera ter linguado no mercado no final de 2022, “o mais tardar no início de 2023”.

“O nosso projeto de expansão do linguado é modular. A pouco e pouco, vamos aumentando a capacidade produtiva. O primeiro passo são 175 toneladas. Não são muitas, mas vão servir para validarmos uma série de situações e, a partir daí, começarmos a crescer”, afirmou.

A administradora executiva disse ainda que a empresa conta com investimentos recentes de 15 milhões de euros, uns por executar outros já executados, tendo recebido oito milhões de euros de apoio público.

“Quando entrámos em 2017, apanhámos uma empresa falida, com graves problemas de crescimento, sem maternidade, e apenas com uma equipa de engorda [de peixes planos]. Todas as cabeças pensantes estavam fora daqui”, frisou o administrador da Acuinova Miguel Lucas, salientando que a empresa tem apostado na contratação de mão-de-obra qualificada e especializada.

Miguel Lucas referiu que neste momento a Acuinova é o segundo maior produtor de pregado em aquacultura na Europa e estima que a empresa atinja “6.000 toneladas de pregado e 10.000 toneladas de linguado por ano” em 2030.

Também presente no evento, a secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho, sublinhou que no âmbito do programa operacional Mar2020 foram aprovados 132 projetos com um apoio público de 74 milhões de euros.

“Se em 2015 a produção aquícola foi de 10 mil toneladas, em 2019, já produzimos 14 mil. É um aumento significativo, mas queremos mais e temos bons indicadores”, concluiu.

Comente este artigo
Anterior Demagogia e mentira são cada vez mais a imagem de marca do PAN
Próximo PDR2020: Instalação de Redes Anti Granizo em Pomares - Investimento na Exploração Agrícola

Artigos relacionados

Últimas

Agência Europeia do Medicamento publica parecer científico sobre categorização de antibióticos utilizados em animais

A DGAV – Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária informa que a Agência Europeia do Medicamento (EMA) publicou o parecer científico relativo à […]

Blogs

OGM | EFSA reafirma segurança alimentar da soja geneticamente modificada

A Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar rejeitou o pedido da Testbiotech para rever as decisões da Comissão Europeia que autorizam a colocação no mercado da soja geneticamente modificada MON 89788 e A2704-12. […]

Nacional

Quatro barragens do Alentejo atualmente com menos 20% da sua capacidade

Os dados registados pelo Serviços Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH), em relação aos valores do volume armazenado em todas as bacias hidrográficas monitorizadas, revelam uma subida em relação ao último dia de […]