Emigrante português dá a conhecer vinho do Porto aos suíços

Emigrante português dá a conhecer vinho do Porto aos suíços

O emigrante português Jorge Correia é conhecido no cantão suíço do Valais por Torga’s, nome da loja que abriu há 18 anos, para dar a conhecer a bebida portuguesa mais célebre em todo o mundo, o vinho do Porto.

Natural de Sernancelhe, uma pequena vila do distrito de Viseu, Jorge Correia vive na Suíça há 40 anos. Numa conversa de caráter pessoal, o emigrante confessou à agência Lusa que, quando chegou, a intenção não era ficar por terras helvéticas mas o destino pregou-lhe uma partida.

“Quando cheguei à Suíça, vinha de Marrocos. A ideia era visitar um amigo que tinha aqui no Valais, mas acabei por ver neste país uma oportunidade para construir uma vida. Entretanto, conheci a minha mulher, casei e tive três filhos”, disse o emigrante à agência Lusa.

Foi no cantão que o acolheu, o Valais, conhecido pela sua região vinhateira, que o emigrante abriu a sua primeira loja, nos anos de 1990, dedicada à sua paixão pelos vinhos do Porto.

“Após me ter integrado e ter construído uma vida social, cheguei à conclusão que as pessoas aqui no Valais conheciam muito mal o vinho do Porto, sobretudo o vinho do Porto de qualidade”, disse o emigrante, salientando que foi esse motivo que o levou a abrir a sua primeira loja em Martigny – um espaço dedicado à descoberta e degustação deste vinho originário da região vinícola do Douro.

Quando questionado sobre a opinião que os suíços têm relativamente ao prestigiado vinho português, originário da região do Douro, o emigrante disse que “a maioria conhece os vinhos mais correntes, vendidos nos supermercados, que os colaboradores e amigos portugueses na Suíça lhes foram” mostrando.

“Esses vinhos não são propriamente o melhor exemplo de qualidade”, afirmou o emigrante, salientando o facto de ter contribuído ao longo dos anos, sobretudo no seu círculo mais próximo, para desmistificar a ideia que os suíços tinham de que o vinho do Porto é um vinho extremamente doce e licoroso.

“Acredito que o vinho do Porto lhes era mal servido”, justificou o emigrante, explicando que a bebida tem de ser servida à temperatura certa, para que se possa exprimir corretamente na boca, caso contrário, segundo o entendido, “não poderá ser apreciado corretamente”.

Jorge é considerado por muitos, no cantão do Valais, o embaixador do vinho do Porto na Suíça, título que, segundo o emigrante, levou tempo a ser conquistado.

“Foi na Feira do Valais, uma das maiores e mais reputadas feiras da Suíça, que me dei a conhecer aos suíços”, disse o emigrante, deixando transparecer uma grande satisfação.

“Participei pela primeira vez nesta feira em 2003. O primeiro ano foi um pouco complicado. As pessoas não se aproximavam do meu ‘stand’”, relembrou. “Quando provavam os vinhos de 20 e 30 anos de idade, ficavam agradavelmente surpresos e acabaram por se render”.

Desde então, Jorge Correia tem marcado presença na Feira do Valais, todos os anos, à exceção deste, pois a iniciativa foi cancelada, por causa da pandemia do coronavírus.

“A cada ano que participo ganho mais adeptos. Os suíços, já apreciadores do vinho do Porto, vão trazendo amigos, e o grupo de simpatizantes vai aumentado”, disse o empresário, sorrindo, destacando que o seu ‘stand’ é atualmente um dos espaços mais frequentados da Feira do Valais.

Durante o ano, é na loja Torga’s que os apreciadores desta bebida portuguesa marcam encontro, uma loja situada em pleno coração da vila de Charrat, no Valais, a segunda loja que o emigrante abriu, após ter encerrado a primeira em Martigny.

Em plena crise da covid-19, alguns dias antes de os restaurantes e bares terem encerrado na Suíça, Jorge organizou uma prova com um grupo de cinco amigos.

De sorrisos cobertos pelas máscaras, devidamente distanciados uns dos outros, era notória a satisfação dos presentes.

De copo na mão, em frente a uma mesa coberta de petiscos com assinatura portuguesa, os participantes assistiram atentamente à apresentação feita pelo empresário.

“Nas minhas provas, começamos, na maioria das vezes, pelos branco e depois vamos subindo na gama com os ‘LVB’ [Late Bottled Vintage]. Há sempre um LVB relativamente jovem e outro com mais idade, o mesmo acontece com os Vintage, para sentirmos a evolução na garrafa. Para terminar, acabamos sempre com um Tawny de 20, 30 ou 40 anos”, explica o empresário aos presentes.

“Já conheço o Jorge há 20 anos”, disse à Lusa Nicolas Reuse, um cliente regular da casa Torga’s. “Cada vez que venho a este espaço de provas, vivo um momento muito agradável de partilha, descoberta e convívio. O Jorge consegue sempre trazer até Charrat um pequeno pedaço de Portugal”.

Além de uma sala de provas, onde o empresário recebe os seus clientes, e de uma pequena loja onde se encontram alguns dos vinhos apresentados nas provas, o espaço Torga’s esconde uma cave com 2500 garrafas e uma mão cheia de paixão pela transmissão de sabores do Douro.

“Invisto sobretudo em vinhos com idades de 10, 20, 30 e 40 anos que envelhecem em garrafa. São esses que os suíços mais apreciam”, confessou o empresário.

A loja Torga’s, nome escolhido pelo empresário para homenagear o escritor português Miguel Torga – pseudónimo do médico Adolfo Rocha, natural de Trás-os Montes, nas arribas do Douro – é um negócio ao qual o ‘sernancelhence’ se dedica somente a tempo parcial.

O verdadeiro sustento de Jorge Correia vem da agricultura, uma atividade que exerce desde que chegou à Suíça, nos anos de 1980, estimulado pela família da mulher com quem se casou, todos eles agricultores de profissão.

“Quando o meu sogro se reformou, fui eu e o meu cunhado que ficámos com a empresa. Desde então, conseguimos duplicar o número de terrenos de que dispúnhamos no início”, disse Jorge Correia, deixando transparecer o seu orgulho.

Atualmente, os cunhados cultivam cerca de 20 hectares de terras, onde plantam pera rocha, alperce e maçã.

Na hora da despedida, Jorge Correia confessou à agência Lusa que o seu maior sonho seria passar o seu negócio principal, o da agricultura, para os filhos e investir mais tempo e energia no seu negócio de provas de vinho do Porto.

“O meu sonho é dar a conhecer ao máximo de pessoas a região do Douro, organizando pequenas viagens de descoberta à região vinhateira portuguesa mais conhecida a nível mundial”, concluiu o emigrante.

Comente este artigo
Anterior Las almendras ganan estabilidad anotando repeticiones en los precios
Próximo CONFAGRI apresenta propostas de alteração para as Medidas Agroambientais no período de transição

Artigos relacionados

Nacional

Governo reforça apoio a sapadores florestais com 3,5 milhões de euros

“O Fundo Florestal Permanente vai passar a pagar às organizações de produtores florestais e aos municípios que têm brigadas de sapadores florestais” […]

Últimas

Oferta de emprego – Engenheiro Florestal ou Agrónomo – Centro ou Norte – Expirada

Estamos à procura de Engenheiro Florestal ou Agrónomo para reforçar a nossa equipa de compra de matéria-prima para as nossas fábricas de Oliveira de Frades, Pegões e Almeirim. […]

Dossiers

Carta Aberta à Assembleia da República e ao Governo sobre Política Agrícola

Esta carta aberta incide sobre as decisões tomadas em relação à transição em 2021-2022 para o novo modelo da política agrícola que vigorará em pleno a partir de 2023 e a preparação […]