Debate sobre o Ensino Agrícola

Debate sobre o Ensino Agrícola

O Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral em conjunto com o Instituto Superior de Agronomia, realizou a 6 de dezembro no Salão Nobre desta Universidade, uma sessão de debate dedicada à temática do Ensino Agrícola – Programa 

A abertura da sessão foi efetuada pelo Presidente do ISA, António Guerreiro de Brito e pelo Diretor-geral do GPP, Eduardo Diniz. O primeiro salientou a alteração profunda que o ensino agrícola tem vindo a ser alvo e da coexistência com outras formas de ensino que competem com o ensino Agrícola tradicional e com a forma como os professores lecionam as matérias. Neste âmbito, chamou a atenção de que e a mudança não pode ser apenas realizada pelos professores, tendo os alunos de ter também um papel ativo; devem ser cada vez mais proativos, inovadores e serem capazes de criarem as suas próprias empresas. O Diretor-geral do GPP efetuou um enquadramento sobre a escolha do tema nesta linha editorial da publicação CULTIVAR, assim como dos objetivos previstos para a respetiva reflexão.   

Seguiu-se um primeiro painel, que contou com a intervenção de três alunos em representação dos diferentes graus de ensino agrícola: escolas profissionais agrícolas, escolas superiores agrárias (politécnicos) e o ensino superior. Globalmente, todos eles referiram que as unidades curriculares de cada curso devem ser alvo de uma revisão profunda e que a ligação entre a escola e o mundo empresarial deve ser fomentada.

Posteriormente deu-se início a uma mesa redonda, moderada pelo Fernando Gomes da Silva, para troca de impressões e experiências com convidados ligados a esta temática: Reitora da Universidade de Évora, Ana Costa Freire, Francisco Gomes da Silva, professor do ISA, Manuel Campilho, empresário agrícola e Tiago Bacalhau, professor do ensino Secundário. O público presente participou na fase de debate, ao colocar questões através da aplicação Sli.do.

Os principais aspetos abordados prenderam-se sobretudo com a desadequação das matérias curriculares ao mercado de trabalho, falta de ligação ao mundo empresarial, a resistência à mudança, a importância de uma formação de base sólida, a má adequação/adaptação dos cursos agrícolas ao processo de Bolonha, nomeadamente o vazio criado no ensino mais profissionalizante e a desvalorização do desempenho pedagógico em detrimento da produção científica.

Para visualização da sessão de debate aceda aqui ao respetivo vídeo e à infografia sobre o ensino agrícola em Portugal.

A Edição n.º 17 da CULTIVAR encontra-se publicada em formato digital (pdf | ebook) e no website do GPP – Publicações CULTIVAR

composicao2

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em GPP.

Anterior Núcleo Motard do Crédito Agrícola participa em acção de reflorestação
Próximo Promoção de vinho em mercados de países terceiros - Aviso de abertura Concurso

Artigos relacionados

Últimas

Ministérios do Ambiente e Agricultura criam plano de avaliação das bacias hídricas do Alentejo

A elaboração das bases do Plano Regional de Eficiência Hídrica do Alentejo já foram publicadas em Diário da República. […]

Nacional

Estas foram as notícias mais lidas em 2018

Tratar um sobreiro como uma oliveira? Sim, Francisco Almeida Garrett rega sobreiros há 15 anos e já tem uma experiência consolidada para partilhar. […]

Últimas

A Drósofila em Portugal

Drosophila suzukii (Matsumura, 1931) é uma mosca de pequenas dimensões, oriunda do continente asiático, pertencente à família Drosophilidae. O seu aspeto é […]