Das Arribas do Rio Douro – Manuel Cardoso

Das Arribas do Rio Douro – Manuel Cardoso

Há muitos muitos anos íamos pescar para Miranda, Picote e a jusante de Bemposta, onde com sorte se enchia à linha com anzol um bom cesto de barbos, bogas e escalos. Desses passeios fazia parte, à ida ou à vinda, comprar a lavradores de Bemposta um ou dois garrafões dum vinho palhete, forte e rescendente. Ficou-me de então o contacto com a margem direita do Douro Internacional e gravei na memória o vale espantoso que é esse troço do rio, com as suas fragas abruptas, abrigos precários para aprestos, animais e contrabando, campos cultivados em nesgas, oliveiras e amendoeiras como meros apontamentos de sobrevivência, trilhos que têm de se adivinhar, aves de rapina vigiando oportunidades – e vinhas heróicas a produzir o tal vinho!

Do lado de Espanha há hoje o “vino de la Tierra Arribes del Duero”, um VQPRD reconhecido como DO ARRIBES, de vinhas do noroeste de Salamanca e do sudoeste de Zamora, geograficamente unidas pelos vales encaixados do Douro e afluentes principais Águeda e Tormes e pela ecologia: do solo, do clima mediterrânico menos seco que o do nosso Douro Superior e diferente dos outros segmentos deste rio, também eles viníferos com carácter. Do mapa varietal das castas destas Arribes, há uma, comum a quase toda a bacia hidrográfica do Douro, a Tempranillo (Tinta Roriz), mas as outras predominantes são a Juan Garcia, o Rufete, a Garnacha, a Mencía, a Dona Branca (Malvasia Castelhana), quase todas vicejando em pé baixo (cabeça de salgueiro, dir-se-á em Portugal), poucas em espaldar, vinhas antigas, anteriores a 1956. Há adegas de vitivinivultores, de empresas e cooperativas a produzir sob a marca-chapéu ARRIBES e o Conselho Regulador trabalha na certificação do selo de garantia e na promoção das características distintivas.

Há umas semanas foi-me oferecida uma garrafa, ainda sem rótulo, dum field blend feito de Verdelho Branco, Donzelinha, Malvasia, Posto Branco, Bastardo Branco, Dedos de Dama e outras uvas com menor expressão, sãs, pisadas sem desengaçar e imediatamente prensadas, sem adição de leveduras alóctones pelo que fermentaram “de forma selvagem” apenas com as indígenas e sem controlo de temperatura. As fermentações alcoólica e maloláctica ocorreram completamente. 13%. Os experientes enólogos praticam uma filosofia de intervenção mínima em toda a vinificação pelo que o mosto foi apenas trasfegado para barricas de carvalho francês em que estagiaram dez meses em borra fina e sem batonnage. Essa garrafa foi experimentada cá em casa pela Mariana, por um amigo meu, lavrador aqui da aldeia de Latães, o António, e por mim. Não lhe poupámos elogios à surpresa e originalidade. Chamar-se-á Belfo 2020, no mercado. A vinha donde provém fica em Bemposta, nas arribas do Rio Douro.

O Visconde de Villa Maior escrevia já em 1865: “No concelho de Mogadouro estão as vinhas da Bemposta situadas sobre as vertentes para o Douro, em frente da margem hespanhola d’este rio, e em condições análogas às dos vinhedos de Fermoselhe, no reino vizinho, cujas práticas de cultura e fabrico de vinho os da Bemposta copiam quasi textualmente; assim os vinhos produzidos na Bemposta apresentam os mesmos caracteres e são inteiramente comparáveis aos vinhos da província de Zamora, ou pelo menos aos de Fermoselhe. Na Bemposta conserva-se a vinha baixa e rasteira, sendo podada em galheiros e formando cabeça próximo da terra.”[1]

Tem havido mais estudos vitícolas do lado português das Arribas quanto às características do clima e solo, as práticas culturais associadas aos sistemas de condução, o reconhecimento duma intervenção fitossanitária mínima porque as uvas são naturalmente sãs, a rega desnecessária pela forma baixa das videiras podadas em cabeça de salgueiro, a grande variedade de castas autóctones, algumas exclusivas desta região vitícola… e daí vinhos muito específicos, de grande concentração pela velhice dos vinhedos, propensos a  uma grande identidade e qualidade.[2]

Uma DO ARRIBAS integrada na CVR de Trás-os-Montes faria sentido com as suas características próprias. Geograficamente aderida à raia do Douro Internacional desde Paradela até Lagoaça, incluindo estas e os campos das povoações ribeirinhas de Bruçó, Vilarinho dos Galegos, Bemposta, Urrós, Sendim, Picote, Vila Chã de Braciosa, Cércio, Miranda do Douro, Vale de Águia e Aldeia Nova. Num segundo passo, faria sentido que, como transfronteiriça, viesse a beneficiar desta sinergia para o desenvolvimento regional e aumentar o valor a remunerar pelas uvas e vinhos aqui produzidos. Competirá à CVRTM concertá-lo com as demais instituições. Toda a DO Trás-os-Montes e IG Transmontano beneficiariam com mais esta diferenciação entre o Planalto Mirandês e as Arribas, ganhando-se motivos para maior notoriedade e atractividade turística desta região tão do interior mas tão internacional![3]

Manuel Cardoso

Consultor e escritor, ex Director Regional de Agricultura e Pescas do Norte, 2011-2018; ex Vice-Presidente do IVV, 2019-2021.


[1] In Memoria Sobre os Processos de Vinificação Empregados nos Principais Centros Vinhateiros do Continente do Reino, pela Comissão Nomeada em Portaria de 10 de agosto de 1866, Lisboa, Imprensa Nacional, 1867, pag. 16.

[2] Vide Nuno Magalhães, João Verdial Andrade, António Castro Ribeiro e Afonso Martins, “A viticultura das Arribas do Douro Internacional – uma história para contar, um futuro a reflectir”, publicado no âmbito do Congresso das Arribas do Douro Internacional Norte, 2012. Disponível on-line em pdf.

[3] A Comissão Europeia reconheceu uma DOP transfronteiriça de vinho no vale do Maas, entre a Holanda e a Bélgica, a Maasvallei Limburg, em 2017.

Comente este artigo
Anterior Los precios del porcino se desploman por la corta demanda
Próximo Faça Chuva Faça Sol - T.5 Ep.20

Artigos relacionados

Últimas

Economia da Caça: anualmente, o setor gera 320 Milhões de Euros. Valor Potencial ascende a 1,14 mil Milhões de Euros

ANPC apela ao governo para desenvolver uma estratégia de aproveitamento do potencial do setor na criação de emprego, geração de valor económico para o país e promoção da coesão territorial […]

Últimas

Pagamentos ao setor Agroflorestal em abril somam mais de 28 milhões de euros

Durante o mês de abril de 2021, o Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas, I.P. (IFAP) procedeu a pagamentos ao setor agroflorestal no montante total de cerca […]

Nacional

Assembleia Municipal de Odemira repudia atuação da gestora da água de Santa Clara

A Assembleia Municipal de Odemira (Beja) repudiou a atuação da Associação de Beneficiários do Mira (ABM) na gestão da água da albufeira de Santa Clara e exigiu a imediata reposição […]