Criadores consideram taxas sobre a carne “um efetivo ataque ao mundo rural”

Criadores consideram taxas sobre a carne “um efetivo ataque ao mundo rural”

Os criadores de bovinos estão preocupados com o futuro do setor em Portugal, acusando a existência de uma campanha política que visa acabar com o consumo de carne, através de “propostas demagógicas e populistas” que “constituem um efetivo ataque ao ‘mundo rural’”.

Na sequência de uma proposta do PAN, que não foi aprovada no âmbito do Orçamento de Estado para 2020 mas que visava a criação de uma taxa sobre o preço da carne, a Associação Nacional dos Engordadores de Bovinos (ANEB) anunciou a sua preocupação, considerando estas iniciativas “insensatas”. A proposta do PAN sugeria a criação de uma “taxa de carbono” de 0,81 € por quilo de carne de vaca, 1,18 € por quilo de carne de borrego e cabrito, de 0,33 € para a de peru, de 0,36 € para o porco e de 0,21 € para o frango.

Os criadores contestam os argumentos ambientais de justificação da proposta e a pegada ecológica proveniente da criação de gado.

“As pastagens são os maiores retentores de carbono”, disse Nuno Lagoa Ramalho, presidente da ANEB, citado pelo jornal Público. O presidente da ANEB considera que não estão a ser tidos em conta também “os impactos ambientais positivos do setor agropecuário na fixação de populações nas zonas rurais e do interior e a sua relevância no ordenamento do território, na sustentabilidade das terras e no contributo decisivo que dão para assegurar a biodiversidade”.

“Nós respeitamos os hábitos alimentares de toda a gente, mas também tem de ser respeitada a tradição alimentar dos povos, que tem milhares de anos”, refere Nuno Ramalho.

De acordo com a associação, metade da produção de bovinos em Portugal é feita em extensivo e não em produção intensiva em cativeiro, acrescentando que “há até evidências científicas que sustentam um reduzido impacto ambiental, uma vez que as pastagens e a floresta têm um papel determinante na fixação de carbono”. Para a associação, a aplicação de taxas sobre a carne seria “um perigo para o mundo rural”, porque a diminuição do consumo “resultaria, de imediato, numa quebra da produção nacional”.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Partidos da oposição criticam Plano de Gestão Integrada e falam em “propaganda"
Próximo “É bué estranho, esta cena do vírus da China”

Artigos relacionados

Sugeridas

Limpar as florestas nacionais vai dar benefícios fiscais

As despesas com operações de limpeza, reflorestação ou gestão das florestas vão ser majoradas em 40% para efeitos de Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC) e de Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) com contabilidade organizada. […]

Últimas

Comissário Europeu da Agricultura considera que “profissionalismo” e “competitividade” são fundamentais para a suinicultura

Phil Hogan, Comissário Europeu da Agricultura e Desenvolvimento Rural, defendeu recentemente que “o profissionalismo, a competitividade e a integração são fundamentais” para que o setor da suinicultura “continue a ter sucesso”. […]

Nacional

Incêndios. Mais de três centenas de militares envolvidos em ações de patrulhamento

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, afirmou este sábado que os três ramos das Forças Armadas têm cerca de 330 militares envolvidos nas ações de patrulhamento no âmbito da prevenção de fogos florestais. […]