Covid-19: Produtores de gado de Bragança antecipam mais uma Páscoa “difícil”

Covid-19: Produtores de gado de Bragança antecipam mais uma Páscoa “difícil”

A Associação de Criadores de Gado de Bragança antecipa mais uma Páscoa “difícil” devido às restrições da pandemia de covid-19, com dois anos consecutivos de quebras nas vendas naquela que seria a melhor época de negócio para o setor.

O cabrito e o cordeiro, associados ao folar de carnes, são os pratos típicos da gastronomia transmontana na Páscoa, que, pelo segundo ano consecutivo, se avizinha em confinamento, e com os principais consumidores, que são os restaurantes fechados.

O presidente da associação, Amadeu Fernandes, disse hoje à Lusa que os produtores estão a ver se há alguma saída na Páscoa, mas temem que esta “ainda vai ser difícil”, como foi a Páscoa de 2020.

Desde o início da pandemia, os prejuízos são mais visíveis nos ovinos e caprinos. A quantificação em euros também é difícil de fazer, como observou o dirigente, que apontou as evidências nas medidas que os produtores têm de tomar.

“Os produtores estão a procurar outros canais de venda e as fêmeas estão a deixá-las para reprodutoras”, afirmou.

A pandemia de covid-19 que se prolonga há quase um ano está, segundo Amadeu Fernandes, “a afetar muito porque [esta atividade] é importante para a economia e para o pequeno produtor”.

“Os restaurantes fecharam, o maior consumo que faziam eram os restaurantes, portanto estamos com o mesmo problema [da Páscoa anterior]”, indicou.

O dirigente vincou que a pecuária “não é como uma fábrica de parafusos, pode parar e volta a produzir quando é preciso”.

“Nós não. Os animais têm de ser tratados todos os dias e não há escoamento”, sustentou.

O presidente da Associação de Criadores de Gado de Bragança falava à margem da assinatura do protocolo com a Câmara Municipal que, há três anos, custeia as despesas com a vacinação obrigatória de 2.100 bovinos e cerca de 23 mil pequenos ruminantes.

A ajuda é “ainda mais significativa” para o presidente da Câmara, Hernâni Dias, “este ano, devido aos problemas da pandemia, que reduziu substancialmente a colocação da carne no mercado”.

“Sabemos que as coisas não estão bem, que os produtores têm de facto dificuldade de conseguir colocar os produtos no mercado e, fruto de serem pequenas explorações, é mais difícil conseguir-se os apoios que têm outros grandes produtores”, constatou.

Apesar de tudo, segundo o autarca, estes pequenos produtores transmontanos acabam por ter a garantia de uma componente de rendimento nas atividades completares agrícolas, nomeadamente a castanha.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, antecipou que a Páscoa deste ano “não será seguramente” como aquela que os portugueses conhecem, avisando que o “desconfinamento não está no horizonte”.

Na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros para decidir as medidas para a renovação do estado de emergência, António Costa insistiu na ideia de que durante o mês de março será preciso manter um nível de confinamento muito semelhante ao atual, após questionado pelos jornalistas sobre a Páscoa.

“Quanto à Páscoa já está fora deste período. Teremos tempo para ver. Agora uma coisa é certa, não haverá seguramente festejos de Carnaval e seguramente a Páscoa não será a Páscoa que nós conhecemos”, avisou.

O Presidente da República defendeu na quinta-feira que o estado de emergência e o atual confinamento geral devem manter-se “março fora”, sem “sinais errados para a Páscoa”, para evitar um retrocesso na contenção da covid-19 em Portugal.

“Temos de sair da primavera sem mais um verão e um outono ameaçados. Em vida, saúde, economia, sociedade. Temos de assegurar que a Páscoa, no início de abril, não será causa de mais uns meses de regresso ao que vivemos nestas semanas”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, numa comunicação ao país, após decretar a renovação do estado de emergência até 01 de março.

O chefe de Estado apontou como metas até à Páscoa reduzir o número de novos casos diários de infeção “para menos de dois mil”, de modo a que “os internamentos e os cuidados intensivos desçam dos mais de cinco mil e mais de oitocentos agora para perto de um quarto desses valores”.

A Páscoa, feriado móvel, é este ano no dia 04 de abril.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.400.543 mortos no mundo, resultantes de mais de 108,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 15.321 pessoas dos 785.756 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Comente este artigo
Anterior CEBAL quer valorizar efluentes do setor dos lacticínios
Próximo Precipitação semanal e acumulada no ano hidrológico 2020/2021 - 15 de fevereiro de 2021

Artigos relacionados

Sugeridas

Mercadona é a empresa mais responsável do setor e segunda a nível geral em espanha, segundo o monitor empresarial merco

A avaliação dos cidadãos, especialistas e gestores colocou a empresa no pódio do Ranking Geral de Empresas Responsáveis e com Governança […]

Últimas

Candidaturas ao Prémio Newbie prolongadas até 31 de Janeiro

Foi prolongado até 31 de Janeiro de 2020 o período de candidaturas à edição de 2019 do Prémio Newbie. Este galardão europeu visa «premiar novos modelos de negócio agrícolas que resultam de formas inovadoras de ultrapassar as barreiras com que os novos empresários agrícolas se deparam quando se tentam estabelecer». […]

Nacional

É possível comer carne sem ter um impacto negativo no Ambiente?

Numa exploração da lezíria ribatejana, as vacas alimentam-se exclusivamente da pastagem, que armazena mais metano e dióxido de carbono do que o que é emitido pelos animais. […]