COVID-19: Fenapecuária defende suspensão das regras do greening

COVID-19: Fenapecuária defende suspensão das regras do greening

Tendo em conta o atual contexto de crise que  vivemos, um momento verdadeiramente excecional na nossa historia, a FENAPECUÁRIA defende ser urgente que se adotem medidas politicas, também elas, de exceção.

Assim, e tendo em conta o défice da balança agroalimentar portuguesa face ao exterior, no que diz respeito aos cereais e estando os agricultores em vésperas de mais uma campanha de sementeiras de Primavera / Verão, é absolutamente prioritário garantir as próximas colheitas, pelo que as obrigações do greening devem ser, neste ano excecional, suspensas, não colocando em causa o seu pagamento.

Sendo o greening uma medida da Política Agrícola Comum (PAC) e, por essa razão tal alteração ter de ser decidida em Bruxelas, apelamos à Senhora Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, que use de todos os argumentos políticos ao seu dispor, para assumir o sector agropecuário nacional como sendo vital e prioritário para Portugal.

O presidente da FENAPECUÁRIA, Idalino Leão, refere, nesse contexto, que “Este é também o momento de afirmação do sector agrícola, das cooperativas e dos seus agricultores, na sociedade portuguesa, afinal estamos a falar da nossa soberania alimentar”.

Uma outra questão com que a FENAPECUÁRIA se debate é a relativa às regras de reconhecimento das Organizações de Produtores (OP), defendendo que neste contexto têm de ser obrigatoriamente revistas, sobe pena de agravar ainda mais a situação do tecido agrícola e social em muitos dos nossos territórios. 

Dirigindo-se aos portugueses, Idalino Leão refere ainda “ Reflitam sobre esta crise, alterem os seus comportamentos nas compras de supermercado e sejam solidários com os agricultores portugueses, comprando produtos de origem nacional. Nós,  agricultores, iremos continuar firmes a trabalhar  para podermos  colocar alimentos em todas as casas dos portugueses. “

Comente este artigo
Anterior ​“Hora dramática” na agricultura. Ajuda de 60 milhões "é um paliativo"
Próximo Las lluvias paralizan la recolección de cítricos

Artigos relacionados

Comunicados

Queijo Saloio volta a destacar-se no concurso ‘Queijos de Portugal 2017’ com o maior número de prémios

A Queijo Saloio, produtora de queijos a nível nacional com mais de quatro décadas de existência, foi pelo 9º ano consecutivo a empresa mais premiada no concurso “Queijos de Portugal” promovido pela Associação Nacional dos Industriais de Lacticínios (ANIL), […]

Ofertas

Oferta de Emprego – Agrónomo – Évora / Estremoz

Na Herdade das Atafonas estão em fase de implantação, 414 hectares de nogueiras.
Função:
No âmbito do nosso projeto de desenvolvimento e expansão, […]

Dossiers

Bajadas importantes en las cotizaciones del pollo


Las ventas en el mercado del pollo no terminan de arrancar y el sector se muestra pesado. Hay un desequilibrio en el mercado, […]