Covid-19: Cabo Verde fixa preços de farinha de trigo e do milho para travar subidas

Covid-19: Cabo Verde fixa preços de farinha de trigo e do milho para travar subidas

O Governo cabo-verdiano fixou preços para a venda de farinha de trigo e milho, evitando “sobrecarga das famílias” para compra de “alimentos de primeira necessidade”, devido a aumentos provocados pela pandemia de covid-19, prevendo compensar as importadoras.

A medida consta de uma resolução do Conselho de Ministros, de 19 de março e que já entrou em vigor, aprovando “medidas adicionais” de compensação financeira pelo Estado às empresas importadoras de Produtor Alimentares de Primeira Necessidade (PAPN).

Em causa está a necessidade de “manutenção dos preços” de alguns produtos, que têm registado “alterações no mercado internacional durante o período da pandemia de covid-19”, justifica o Governo no mesmo documento, a que a Lusa teve hoje acesso.

Assim, tendo como base os preços no mês de dezembro, o saco de 50 quilos de farinha de trigo de produção nacional é fixado em 2.380 escudos (21,40 euros) e o importado em 2.000 escudos (18 euros). O saco de 50 quilos de milho de segunda Argentina em 1.567 escudos (14,10 euros) e o de milho de segunda amarelo em 1.500 escudos (14,50 euros).

Caberá ao Secretariado Nacional para a Segurança Alimentar e Nutricional negociar o processo de fixação de preços com as empresas importadoras, com base no acompanhamento dos preços a nível nacional e internacional, e ao Ministério da Finanças definir os moldes de compensação.

Na resolução, o Governo recorda ainda que o reforço da fiscalização, o acompanhamento “apertado dos preços” dos PAPN, para “evitar o açambarcamento e rutura de abastecimento”, bem como “a manutenção e estabilidade dos preços”, foram medidas prioritárias desde o início da pandemia, para mitigar as consequências económicas e sociais.

“Os preços dos produtos alimentares têm tido aumentos graduais no mercado internacionais, provocados pelas incertezas inerentes à pandemia, pela retenção da oferta nos principais países exportadores, pelo aumento dos preços dos transportes mercantis, mas também na redução da oferta de cereais devido à elevada procura e diminuição da produção mundial devido aos maus anos agrícolas”, lê-se na mesma resolução.

Esta intervenção na formação de preços é ainda justificada pelo Governo cabo-verdiano para “atenuar e evitar a sobrecarga das famílias no acesso financeiro aos alimentos de primeira necessidade, o que afetaria negativamente a sua situação da segurança alimentar e nutricional, em especial aquelas mais vulneráveis, neste período de pandemia da covid-19”, pelo que aprova “um conjunto de medidas compensatórias que visam contribuir para a estabilidade de preços dos produtos alimentares de primeira necessidade no país”.

Comente este artigo
Anterior Valorfito aumenta para 44% a taxa de retoma e recolhe perto de 500 toneladas de embalagens
Próximo Investigadores do Porto vão desenvolver robôs para pulverizar vinhas de montanha

Artigos relacionados

Últimas

Lisboa, Alentejo e Algarve. Portugal 2020 tem candidaturas abertas para apoio à inovação

A entidade gestora do Portugal 2020 informa que está aberto o Aviso para os Programas Operacionais Regionais de Lisboa, Alentejo e Algarve, […]

Internacional

Mais de 1.900 toros de madeira ilegal apreendidos no centro de Moçambique em 2020

As autoridades moçambicanas apreenderam um total de 1.933 toros de madeira em 2020 só na província de Tete, no centro do país, devido à exploração ilegal, anunciou hoje fonte oficial. […]

Nacional

Multinacionais comprometem-se a agir para proteger a biodiversidade

Chama-se ‘One Planet Business for Biodiversity’ (OP2B) e foi apresentada esta segunda-feira (23 de setembro) pelo CEO da Danone, Emmanuel Faber, […]