Costa quer Portugal com “nova visão” a disputar fundos comunitários

Costa quer Portugal com “nova visão” a disputar fundos comunitários

O primeiro-ministro considerou esta sexta-feira essencial que Portugal tenha uma “visão inovadora” no acesso aos fundos comunitários, disputando cada vez mais as verbas da ciência e investigação de gestão centralizada e concorrencial, para além dos montantes da coesão.

Esta posição foi assumida por António Costa na sessão de abertura de uma conferência sobre ciência, inovação e Ensino Superior, no Teatro Thalia, em Lisboa, num discurso em que elogiou a ação do comissário europeu Carlos Moedas.

Após a intervenção de abertura proferida pelo ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, em que citou uma série de indicadores para procurar provar a tese de que Portugal está a aproximar-se dos melhores níveis europeus na ciência e nas instituições universitárias, o líder do executivo falou depois, sobretudo, para salientar a importância no que se refere à existência de melhores condições para o investimento empresarial, designadamente através de mecanismos fiscais e do acesso a fundos comunitários.

António Costa invocou a União Europeia para sustentar a ideia de que “Portugal já tem o segundo melhor regime fiscal de apoio ao investimento das empresas”, relativizando assim o peso do IRC em termos de fator de competitividade, mas, em paralelo, classificou como “decisiva a existência de uma visão inovadora no acesso aos fundos comunitários”.

“É essencial que Portugal continue a beneficiar dos fundos de coesão, mas também temos de reconhecer que, para darmos o salto em frente, tendo em vista que os próximos anos sejam de continuidade em termos de convergência com a União Europeia, temos de reforçar a nossa competitividade – e só a reforçaremos com mais investimento em ciência e em conhecimento e na sua transferência para o tecido empresarial“, advertiu.

Ou seja, para o primeiro-ministro, “é tão importante para Portugal a política de coesão, como são importantes para o país os mecanismos dos fundos comunitários destinados à investigação e à ciência”. “Temos de ser capazes de cada vez mais nos capacitarmos para podermos disputar o acesso a esses fundos de gestão centralizada e de gestão concorrencial“, frisou.

Neste capítulo, o líder executivo defendeu ainda como estratégia nas negociações dos fundos comunitários a exigência que “também nesses programas de gestão centralizada e concorrenciais, como são os programas de ciência, têm de estar presentes os objetivos da convergência”.

“Têm de existir mecanismos para que as instituições universitárias de países como Portugal, ou empresas com o perfil da maioria das nacionais, possam igualmente ter acesso a esses fundos em condições de igualdade com aquelas que já fizeram o percurso que se está a fazer agora no país. Se não formos capazes de convergir e recuperar o tempo perdido, isso será muito negativo para nós, mas, também, um enorme problema para a Europa”, advogou.

No seu discurso, com cerca de 25 minutos, António Costa identificou três fatores decisivos para uma mudança estrutural da sociedade e da economia portuguesa: o acesso universal ao pré-escolar, a redução do abandono escolar precoce no ensino secundário e o aumento do número de alunos no ensino superior.

Em relação à meta governamental de ter crianças até aos três anos em estabelecimentos do pré-escolar, disse que “já está alcançada em 90% em território continental” e “julga-se realista a ideia de assumir que no início do próximo ano letivo será de 100%”.

No que respeita ao abandono escolar precoce no ensino secundário, António Costa apontou que a meta é atingir os 10% em 2020. “Em 2017, foi possível reduzir para 11,7%. Com aquilo que aconteceu em 2018 e que tem de acontecer este ano, muito previsivelmente vamos conseguir cumprir a meta de 2020”, referiu

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Governo diz que acesso a fundos estruturais deve ser uma batalha no próximo quadro comunitário
Próximo Sessão sobre “conduzir e operar tratores em segurança”

Artigos relacionados

Dossiers

Cuts to rural development budget unacceptable

The Rural Coalition and Coalition of European Agriregions deem the recently proposed cut to rural development funding to be unacceptable and […]

Dossiers

OE2021: VAB do complexo agroflorestal deverá crescer 0,9% ano

O valor acrescentado bruto (VAB) do complexo agroflorestal deverá crescer 0,9% ao ano, segundo a estimativa do Governo apresentada no relatório que acompanha a proposta de lei do Orçamento do Estado para 2021. […]

Nacional

Crédito Agrícola apoia exportação com presença no SISAB

O Crédito Agrícola marca presença no SISAB – Salão Internacional do Sector Alimentar e Bebidas, que decorre entre 25 e 27 de Fevereiro, […]