Costa diz serão retiradas as “devidas consequências políticas” se vir trabalho feito em Odemira

Costa diz serão retiradas as “devidas consequências políticas” se vir trabalho feito em Odemira

O primeiro-ministro considerou hoje que se, no início do próximo ano, regressar a Odemira e já observar trabalho feito para “habitação condigna” de trabalhadores agrícolas, isso significará que o Governo retirou “as devidas consequências políticas” da atual situação.

António Costa afirmou que o Governo terá “bons motivos” para poder dizer “com orgulho” que tirou “as devidas consequências políticas” da situação de Odemira, se, no início de 2022, voltar à vila para “ver já concluído este trabalho da habitação para trabalhadores sazonais” e a “avançar a execução dos trabalhos necessários para habitação condigna para todos os residentes”.

“Tirar as devidas consequências políticas de um problema é simplesmente uma coisa: é resolver o problema. Essas são as consequências políticas de quando há um problema”, sublinhou o chefe do Governo.

O primeiro-ministro discursava no Cineteatro Camacho Costa, em Odemira, distrito de Beja, depois de terem sido assinados acordos entre associações representativas de empresas agrícolas, câmara e Governo para a criação de condições habitacionais para trabalhadores agrícolas.

Esta manhã, em Caminha, no distrito de Viana do Alentejo, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que é preciso retirar “muitas consequências políticas” do caso dos imigrantes de Odemira.

“Em relação a Odemira, acho que tem de retirar muitas consequências políticas. Tem de se fiscalizar para saber como é por respeito à legalidade, tem de se apurar se há ou não uma situação que convida àquilo que são atuações criminais, tem de se pensar a sério no problema dos imigrantes que estão cá dentro, que trabalham”, referiu.

Na sua intervenção em Odemira, o primeiro-ministro considerou que os acordos assinados são “muito importantes” e distinguem “duas situações” relacionadas com a habitação de trabalhadores agrícolas que “são distintas”.

Um dos acordos foi assinado entre o Ministério da Agricultura e a Associação Horticultores, Fruticultores e Floricultores (AHSA), Lusomorango (organização de produtores) e PORTUGALFRESH – Associação para a Promoção das Frutas, Legumes e Flores de Portugal.

Segundo António Costa, este acordo visa que “os proprietários promovam a existência de condições de habitação condigna” para os trabalhadores sazonais, com apoio de verbas do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

“É já amanhã? Provavelmente não. O prazo que temos é até ao final do primeiro trimestre de 2022 para termos esta operação concluída. Se puderem começar amanhã, melhor. Se puder acabar daqui a três meses, ótimo”, assinalou.

Costa disse que “não se trata só de responder à covid-19”, mas sim de “garantir a quem trabalha condições condignas de vida para respeitar um valor que é fundamental em qualquer tipo de atividade, que tem a ver com a dignidade da pessoa humana e que tem que ser salvaguardada em qualquer circunstância”.

O outro acordo foi assinado entre a câmara e o Governo em que foi estabelecido o compromisso para a apresentação por parte do a autarquia da Estratégia Local de Habitação (ELH), no âmbito do Programa 1.º Direito.

Com este instrumento, frisou, vai ser possível “saber onde é que deve ser construída, como é que deve ser construída, para quem deve ser construída essa habitação” e “tem que ser para aqueles que residem” em Odemira “sem qualquer tipo de discriminação quanto à sua origem ou atividade”.

“O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) assegura o financiamento a 100%, sem necessidade de contrapartida nacional, seja do Estado, seja do município, para a execução deste programa no âmbito do acesso ao 1.º Direito”, adiantou o primeiro-ministro.

Para o chefe do Governo, apesar de se ter dado “muita atenção a Odemira” aos casos de sobrelotação e insalubridade de habitações, este problema “existe em outras regiões do país”.

“É nesta pluralidade de respostas que temos que ter para responder adequadamente a cada uma das necessidades efetivas, com um ponto em comum, que é seja temporário ou definitivo, seja sazonal ou com contrato permanente, seja residente ou esteja de passagem, todos têm que ter uma habitação que respeite a dignidade da pessoa humana”, sublinhou.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou hoje o levantamento da cerca sanitária, a partir das 00:00 de quarta-feira, em São Teotónio e Longueira-Almograve, em vigor desde dia 30 de abril nestas duas freguesias do concelho de Odemira.

Comente este artigo
Anterior Produtores de Odemira congratulam-se com levantamento da cerca sanitária
Próximo Exportações de café brasileiro caíram 8,5% em abril

Artigos relacionados

Nacional

Estudo: Resíduos agrícolas que se decompõem no solo ajudam a sequestrar carbono

Um novo estudo realizado por investigadores da Universidade de Copenhaga e da Universidade Técnica de Munique revelou que os resíduos das colheitas agrícolas que são deixados a […]

Últimas

Terrenos cadastrados podem ser regularizados sem multa

Os proprietários de terrenos situados em concelhos onde já há cadastro geométrico poderão fazer registo ao abrigo da nova lei sem terem de pagar multas. […]

Últimas

Inicio Expansão do regadio de Alqueva

Inicio Expansão do regadio de Alqueva, Bloco de Rega de Évora e Bloco de Rega de Cuba-Odivelas. […]