Eric Gaillard - Reuters Consequência do Brexit. Poderão ser queimados 15 milhões de abelhas

Consequência do Brexit. Poderão ser queimados 15 milhões de abelhas

Patrick Murfet, um apicultor do Reino Unido, que tem tentado importar de Itália 15 milhões de abelhas bebés para o seu negócio em Kent, foi informado de que elas poderiam ser apreendidas ou queimadas devido às leis pós-Brexit.

Depois de o Brexit ter entrado em vigor, apenas abelhas rainhas podem ser importadas para a Grã-Bretanha, em vez de colónias.

No entanto, a dúvida sobre se as abelhas podem chegar a partir da Irlanda do Norte está a provocar grandes confusões legais.

O Departamento de Meio Ambiente, Clima e Assuntos Rurais afirma que está ciente do problema e está a tentar, junto das várias instituições, encontrar uma solução.

Patrick Murfet queria importar as abelhas italianas para o seu negócio em Kent e para ajudar os agricultores a polinizarem as colheitas.

“Sou um apicultor apaixonado, faço isto há quase 20 anos”, afirmou ao The Guardian o diretor administrativo da Bee Equipment, com sede perto de Canterbury, que todos os anos importa um grande número de abelhas de criadores italianos, que beneficiam de um clima mais quente.

Durante décadas, as abelhas eram importadas para repor stocks, fortalecer linhagens de reprodução e como polinizadoras para quintas de frutas e mel no Reino Unido.

“É uma situação absurda para um país que supostamente se mantém por conta própria e exporta para todo o mundo”, considera o apicultor de Kent.

Num esforço para evitar a proibição de importação e para cumprir as novas leis, Murfet providenciou para que a sua importação habitual de 15 milhões de abelhas chegue via Irlanda do Norte. No entanto, foi informado de que elas seriam destruídas se tentasse.

Eu não me importo com o que eles acham. No momento, as regras são claras para que as abelhas da Irlanda do Norte possam entrar legalmente no Reino Unido. Se a lei pretendia outra coisa, não foi incluída na legislação”, acrescenta.

Segundo Murfet as investigações sobre as razões da proibição foram recebidas com um muro de silêncio pelas autoridades competentes, apenas um e-mail onde se lia: “As importações ilegais serão devolvidas ou destruídas, e uma ação de execução (acusações criminais) será movida contra o importador”.

O apicultor frisa que já pagou um depósito no valor de 20 mil libras (cerca de 22.654 euros) pelas abelhas e perderia quase 100 mil (cerca de 113.271 euros) apenas em custos se não puder fazê-las entrar no país.

O artigo foi publicado originalmente em RTP.

Comente este artigo
Anterior “Diversificação agroprodutiva nos Açores assume um papel importante para conhecer e elaborar estratégias de ação”, defende António Ventura
Próximo Rede Nacional de Ensaios - Milho e Girassol

Artigos relacionados

Últimas

Peste Suína Africana – Medidas de prevenção

Atendendo ao agravamento da situação epidemiológica da Peste Suína Africana na Europa pelo aparecimento de dois focos em suínos domésticos […]

Nacional

Dia Aberto “Leguminosas forrageiras em rotações culturais para o Baixo Mondego” na Unidade Experimental do Baixo Mondego – Loreto


A demonstração em agricultura e a difusão de informação técnico-científica contribui para a satisfação das necessidades sentidas pelos agricultores e outros agentes económicos que operam no setor da produção agropecuária. […]

Comunicados

CiB promove ação de formação sobre edição do genoma – 18 de novembro – Oeiras

Tal como em anos anteriores, o CiB-Centro de Informação de Biotecnologia vai realizar mais um workshop de formação para jornalistas e comunicadores de ciência […]