O condão de mandar chover – Editorial de Teresa Silveira + Suplemento Agrovida

O condão de mandar chover – Editorial de Teresa Silveira + Suplemento Agrovida

Chove a cântaros em Portugal por estes dias e neva com intensidade em algumas zonas do país, mas Janeiro de 2018 foi o décimo mês consecutivo com precipitação inferior à normalidade climatológica (média 1971- 2000) e 56% do território continental estava em seca severa, em especial a sul do Tejo e no interior Norte e Centro.

À margem de uma visita a Berlim, em Fevereiro, à feira Fruit Logistica, para se inteirar da dinâmica exportadora das empresas de frutas e legumes, o secretário de Estado da Agricultura disse o óbvio: “o Governo ainda não tem o condão de mandar chover”. Tem razão Luís Vieira. A chuva é um fenómeno meteorológico sem aparente intervenção humana e sobre o qual a ação governativa nada pode.

Mas já não é tanto assim quanto à prevenção e mitigação das alterações climáticas e da escassez de pluviosidade e quanto às consequentes dificuldades de acesso à água para a agricultura.

A UE começou a discutir esta semana o quadro financeiro plurianual pós-‘Brexit’ (2021-2027) e, em cima da mesa, há-de estar o futuro orçamento da PAC para o mesmo período. É, pois, dever de Portugal intervir ativamente na discussão deste dossier, mas, sobretudo, zelar pelos seus interesses, em articulação com os países do Sul, tão ou mais atingidos pelas mudanças climáticas que estão à vista.

Itália enfrenta uma das piores secas das últimas décadas e, há escassas semanas, vimos gôndolas encalhadas em Veneza e alguns canais sem água. Em Espanha, há 22 anos que os reservatórios de água não eram tão baixos. A escassez atípica de chuva levou a Confederação Hidrográfica do Tejo a afirmar que o volume de água armazenado na bacia do Tejo em Espanha é “notavelmente inferior” à média dos últimos 5/10 anos.

Haja, pois, firmeza política e visão de longo prazo para, cá dentro e na UE, acautelar o futuro da agricultura e da economia do país.

 

→Descarregue aqui o suplemento AGROVIDA – Março 2018←

 

Comente este artigo
Anterior Pagamentos de Fevereiro 2018
Próximo Resíduos de pesticidas em produtos de origem vegetal: relatório de 2016

Artigos relacionados

Nacional

Inquérito. Anpromis quer quantificar prejuízos causados por javalis no milho

A Anpromis — Associação dos Produtores de Milho e Sorgo de Portugal quer contabilizar os prejuízos causados pelos javalis, nas searas de milho instaladas durante a presente campanha agrícola. […]

Dossiers

Webinar: “O reflexo da COVID-19 no sistema de defesa da floresta contra incêndios em 2020” – 12 de maio

Perceber quais os principais desafios suscitados pela pandemia COVID-19 e quais as estratégias definidas por cada um dos três pilares do Sistema […]

Últimas

Navigator ensina crianças em Setúbal a preservar o uso racional da água

A The Navigator Company, no âmbito do projecto “Dá a Mão à Floresta”, levará a cabo nos dias 31 de Outubro, […]