Como será o PDR-2127? – António Pinto de Albuquerque

Como será o PDR-2127? – António Pinto de Albuquerque

Está prestes a arrancar o novo QCA (quadro comunitário de apoio), com programação de 2021 a 2027. No seguimento será designado, por analogia com o PDR2020, PDR-2127.

Este é um artigo de opinião sobre o que, na nossa opinião, seria o sistema ideal de ajudas ao investimento no setor agrícola, com especial incidência nas explorações agrícolas e pecuárias.

A – Simplificação das candidaturas e eficiência de procedimentos

O PDR2020 é, na nossa opinião, o sistema mais burocratizado de todos os que já existiram em Portugal, desde o ainda célebre 797. É urgente aplicar no PDR-2127 um processo de simplificação específico para resolver a teia de complicações tecida desde 2014 até agora. Eis alguns exemplos:

– Os 3 orçamentos para investimentos superiores a 5.000€

Esta foi uma medida que, na prática, nada teve a ver com a concorrência leal entre fornecedores. Os empresários agrícolas são suficientemente experientes e autónomos para decidirem que fornecedores querem escolher. O que aconteceu em muitos casos foi a criação de firmas artificiais pelos fornecedores, apenas para obter o segundo e terceiro orçamentos necessários. Outras soluções criativas foram, por exemplo, “acordos de cavalheiros” entre firmas para elaborarem o segundo e terceiro orçamentos (hoje peço-te eu, amanhã pedes-me tu).

Mas o mais irracional é que a grande maioria dos investimentos já está tabelada com valores máximos em OTE (orientação técnica específica).

Solução: Volta a ser necessário apenas 1 orçamento. Se o técnico analista entender que são necessários mais tem sempre a prerrogativa de solicitar os elementos que entender.

– Prazo entre a submissão e a decisão dos projetos

No PDR2020 está estabelecido na legislação que “As candidaturas são objeto de decisão pelo gestor no prazo de sessenta dias úteis contados a partir da data limite para a respetiva apresentação”. Isto é, o prazo máximo entre a data de fim de anúncio/ aviso/ concurso e a decisão do projeto deveria ser, grosso modo, de 3 meses. Contudo não está na legislação a consequência de o prazo não ser respeitado. Ao contrário, para os proponentes que não respeitam os prazos definidos está estabelecido o indeferimento da candidatura.

Para quem conheça o que foi (e ainda é) a realidade, com prazos dois anos ou mais, aquele prazo de 3 meses é incompreensível. No entanto, com as plataformas e instrumentos informáticos disponíveis, poderia ser facilmente alcançável, melhorando a eficiência da gestão do sistema de ajudas.

Solução: Manter o prazo de 60 dias úteis na legislação, mas acrescentar que, se a candidatura não for decidida neste período, considera-se aprovada. Isto seria um significativo incentivo para a eficiência dos serviços públicos.

– Investimentos implementados antes da submissão da candidatura

O princípio geral sobre esta questão tem sido que os investimentos só são elegíveis quando implementados após a data de submissão da candidatura. Na nossa opinião, seria conveniente considerar também elegíveis os investimentos ocorridos desde a data de encerramento do anúncio anterior e a data da submissão. Assim, não seriam penalizados financeiramente os empresários mais dinâmicos e com maior apetência para o investimento.

– As áreas das parcelas da exploração agrícola

A utilização do sistema de informação geográfico do “Parcelário” para a determinação das áreas das parcelas da exploração agrícola foi um grande avanço na elaboração e análise dos projetos. A área é talvez a variável mais bem avaliada em todo o conjunto de dados necessários. Comparativamente, as produções unitárias e os preços têm uma variabilidade real bastante superior.

Atualmente, após a aprovação dos projetos, é efetuada a chamada “retificação do parcelário”, em que são comparadas as áreas dos “polígonos de investimento” e as áreas das parcelas que os constituem. Se a diferença for superior a 5%, por polígono, é necessária a existência de outras parcelas para compensar esta diferença.

O que parece um procedimento simples tem originado atrasos de semanas e meses na emissão dos termos de aceitação.

Num caso concreto, um agricultor do Baixo Mondego tem 13 parcelas, com áreas que oscilam entre 0,33 ha e 4,8 ha, num total de 25,30 ha. Uma parcela de 0,36 tinha uma área corrigida de 0,34 ha, a que corresponde um desvio de 5,5%. Por causa disto o termo de aceitação só ficou disponível cerca de 2 meses depois, que correspondeu ao tempo necessário para o agricultor conseguir um novo terreno.

O benefício para o rigor da análise do projeto foi insignificante, visto que a diferença de 0,02 ha corresponde a 0,08% da área total.

Solução: A retificação do parcelário só será necessária se a diferença entre a área total dos polígonos e a área total das parcelas registadas no parcelário for superior a 5%.

– Definição de primeira instalação de jovem agricultor

No início do PDR2020, e também do anterior PRODER, havia uma definição clara com o conceito de primeira instalação: o jovem não podia ter projeto de investimento contratado nem ter recebido ajudas à primeira instalação; podia ter recebido ajudas à produção até dois anos antes da candidatura. A Portaria n.º 118/2018 veio introduzir a questão da inscrição na autoridade tributária com atividade agrícola. Como consequência, foi elaborada a Norma de Análise N3/A2/3.1/2020, com os procedimentos específicos de análise de projetos de instalação de jovens agricultores. Com base na aplicação desta, cerca de 300 projetos foram liminarmente recusados.

Entretanto o bom senso imperou e foi publicada a Portaria n.º 49/2021, que retifica a confusão lançada, estabelecendo o prazo limite de 2 anos para o início de atividade antes da candidatura. Neste momento estão em reanálise todos os projetos recusados.

– Condicionantes ao termo de aceitação e aos pagamentos

O setor agrícola está sujeito a uma enorme carga de regulamentação. Eis alguns exemplos:

  • Licenciamento de recursos hídricos junto da APA (Agência Portuguesa do Ambiente)
  • Impacto ambiental (EIA e DIA)
  • Licenciamento pecuário (REAP)
  • REN (Reserva Ecológica Nacional)
  • RAN (Reserva Agrícola Nacional)
  • Áreas abrangidas pelo ICNF (Instituto de Conservação da Natureza e Florestas)
  • Património cultural e arqueológico

Estes condicionalismos são inevitáveis e, embora façam perder a paciência muitas vezes, devem ser aceites pelos agricultores porque, como cidadãos, têm o dever de contribuir para a melhoria das questões ambientais e climáticas.

Mas há também outra motivação estratégica. O radicalismo ambiental, que tem cada vez mais poder e influência na opinião pública, tem como um dos inimigos principais a agricultura empresarial. Assim, o setor agrícola deve combater a sua narrativa demagógica (contra o regadio, os abacates, as estufas, o olival, etc.) com um esforço sincero e adicional no cumprimento das regras estabelecidas, principalmente de âmbito ambiental.

B – Sistema de ajudas

Na nossa opinião, as variáveis a utilizar na diferenciação do nível de ajudas deveriam ser:

  • Territórios de baixa densidade populacional, para combater a desertificação do interior
  • Jovens agricultores, em primeira instalação ou não, para mitigar o envelhecimento da população rural
  • Explorações em modo de produção biológico, para estimular a agricultura biológica.

A orientação produtiva não parece ser relevante, visto que todas são importantes para a melhoria da nossa balança comercial, quer pelo aumento das exportações (vinho, fruta, hortícolas), quer pela substituição de importações (carne, cereais).

Uma hipótese:

  • Taxa base: 30%

Majorações:

  • Territórios de baixa densidade populacional: 15%
  • Jovem agricultor: 5%
  • Primeira instalação: 10%
  • Modo de produção biológico (existente ou compromisso): 5%

O valor elegível mínimo de investimento, validado na análise, seria de 40.000€.

O valor elegível máximo, para as ajudas ao investimento a fundo perdido, seria de 800.000€. A partir deste valor os empresários poderiam recorrer a uma operação similar aos atuais “instrumentos financeiros”, com ajudas reembolsáveis.

Para valores inferiores a 40.000€ haveria uma linha para pequenos investimentos:

  • Taxa base: 35%

Majorações:

  • Territórios de baixa densidade populacional: 15%
  • Modo de produção biológico (existente ou compromisso): 10%

Relativamente ao prémio à primeira instalação de jovens agricultores, este deveria implicar sempre um investimento mínimo elegível (acabando com a atribuição isolada do prémio), que desincentivasse o financiamento total do projeto com ajudas

Atualmente o valor mínimo de investimento, apurado após a análise, é de 25. 000€. Um projeto deste valor tem atualmente um prémio mínimo de 20.000€ e uma ajuda mínima aos investimentos de 45%, o que perfaz 31.250€. Com este sistema estão-se a fomentar micro explorações e a atrair proponentes avessos ao risco.

A proporção de empresários agrícolas sem exclusividade no setor tem aumentado significativamente nas últimas décadas. Não parece haver uma maior probabilidade de sucesso de um projeto pelo facto do empresário ser a tempo inteiro. Tem-se até observado um pouco o contrário, com a explorações a tempo parcial a serem mais resilientes às dificuldades do processo, nomeadamente as financeiras, visto terem outra fonte de rendimento.

Assim, uma hipótese de prémio seria de 20.000€, sem majorações.

O valor mínimo de investimento, após a análise, poderia ser de 70.000€.

Com estes valores um jovem em primeira instalação teria o prémio de 20.000€ e a ajuda máxima (65%) de 45.500€, o que implicaria ainda algum esforço financeiro do proponente. Embora sendo ainda um pequeno projeto, este teria um mínimo de escala para poder crescer e ser sustentável.

C – Hierarquização de candidaturas

Embora se preveja um reforço das verbas no PDR-2127, haverá fases em que o valor atribuído a um concurso/ anúncio/ aviso poderá não ser suficiente para todas as candidaturas com parecer favorável.

Assim, será necessário continuar a hierarquizar as candidaturas através da VGO (Valia Global da Operação).

As variáveis a utilizar poderão ser as mesmas utilizadas na diferenciação do nível de ajudas.

Eis uma hipótese:

  • Critério “localização”, com peso de 40%: Territórios de baixa densidade populacional – 20 pontos; outros – 0 pontos
  • Critério “jovem agricultor”, com peso de 35%: jovem em primeira instalação – 20 pontos; jovem – 10 pontos; normal – 5 pontos
  • Critério “agricultura biológica”, com peso de 20%: exploração já certificada – 20 pontos; compromisso de certificação – 10 pontos; outros – 0 pontos
  • Critério “transição de anúncio anterior”, com peso de 5%: transitou do anúncio anterior, com parecer favorável, por falta de verba – 20 pontos; outros – 0 pontos

Em caso de empate na pontuação, seriam sucessivamente selecionadas as candidaturas com menos valor elegível validado.

D – A plataforma eletrónica e os formulários de candidatura

A plataforma eletrónica do PDR2020 está a funcionar atualmente muito bem, o que não ocorreu nos primeiros anos deste quadro.

Também os formulários estão estáveis e bastantes coerentes. A introdução dos dados de culturas, por exemplo, após várias versões e peripécias, está atualmente muito amigável e coerente. Falta apenas, na nossa opinião, poder ser diferenciado o preço dos produtos ao longo dos anos porque, mesmo com o sistema de preços constantes, alguns investimentos podem permitir um aumento na qualidade média dos produtos e, consequentemente, nos preços.

A plataforma de análise, ligada intimamente aos formulários, também deverá estar a funcionar bem, nomeadamente no cálculo do indicador económico TIR (taxa interna de rentabilidade). Desde o início do PDR2020, como já acontecia no PRODER, o valor da TIR calculado pela nossa aplicação WinAgroPDR-2020, destinada à elaboração de projetos agrícolas, apresentava uma diferença de cerca de 2% a mais, relativamente ao valor calculado no modelo de análise utilizado pelos técnicos do PDR2020. A partir de 2018, alguma correção foi efetuada neste, porque os valores são atualmente iguais ou muito próximos.

Se o PDR-2127 mantiver características semelhantes ao PDR2020, como é previsível, seria de todo o interesse manter a atual plataforma informática e restantes componentes do sistema, com atualização de logotipos e aumento da capacidade da base de dados. Evitava-se assim, para os utilizadores e técnicos, o calvário do início duma nova plataforma, como ocorreu com o PDR2020 e o PRODER. E já agora, era uma poupança significativa para o Estado no custo duma nova plataforma de raiz.

Os QCA anteriores de apoio ao investimento agrícola a fundo perdido, do 797 ao PDR2020, mesmo tendo em atenção todos os problemas ocorridos, foram essenciais para o atual dinamismo do sector agrícola. Sem eles, na nossa opinião, estaríamos a décadas da situação atual.

Todos os futuros intervenientes no PDR-2127, (agricultores, projetistas, fornecedores, técnicos dos serviços públicos, etc.) têm a expectativa que este QCA, com o robusto suporte financeiro previsto, permita que os próximos sete anos sejam de grande desenvolvimento tecnológico nas empresas agrícolas e pecuárias.

Embora com interesses diferenciados, todos estaremos disponíveis para dar o nosso contributo para este grande desígnio da agricultora nacional.

António Pinto de Albuquerque

engenheiro agrónomo

sócio-gerente da SOFTIMBRA

PDR2020 – Mudanças urgentes – António Pinto de Albuquerque

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Quatro aldeias turísticas de Góis mais seguras com limpezas em redor
Próximo Governo guineense abre campanha de comercialização do caju perante reticências de operadores da fileira

Artigos relacionados

Sugeridas

Pintar riscas de zebra em vacas pode ajudar a diminuir uso de pesticidas

Um grupo de cientistas pintou riscas de zebra em vacas ­- segundo os autores do estudo Cows painted with zebra-like striping can avoid biting fly attack, […]

Nacional

Ano atípico preocupa produtores de castanha de Valpaços

Produtores de castanha de Carrazedo de Montenegro, Valpaços, falam de um “ano atípico” com quebra de produção de 30% e preocupações acrescidas com o escoamento, a covid-19 e a falta de […]

Últimas

Bagaço da azeitona, borras da vinificação, fruta de refugo. Conheça os subprodutos da agricultura e saiba como os valorizar

A actividade agrícola produz uma série de subprodutos que, à primeira vista, parece não servir para nada. Mas não é assim. O óleo extraído do bagaço da azeitona pode ser utilizado na alimentação animal e como fertilizante e o caroço da […]