Como podem os alimentos geneticamente modificados ser a solução?

Como podem os alimentos geneticamente modificados ser a solução?

O mais recente estudo conduzido pelo World Resources Institute (WRI), como o apoio do Banco Mundial e das Nações Unidas (ONU), vai ao encontro de um dos temas mais quentes e em análise nos últimos dias: Como podem os alimentos geneticamente modificados ser a solução? A verdade é que podem, segundo o próprio relatório.

A projeção é de que em 2050 a população mundial chegue aos cerca de 10 mil milhões e, sem medidas adequadas, não conseguiremos acompanhar as necessidades alimentares a esta escala. Uma realidade que se torna verdadeiramente preocupante. Na análise ao demais relatório produzido, há já soluções apresentadas que devem ser o caminho para um futuro sustentável de alimentos.

O que é acima de tudo urgente começar a assegurar, são as verbas fundamentais ao avanço da ciência e tecnologia neste sentido. O aumento de investimento em áreas como a engenharia genética deverá tornar-se um caminho obrigatório para os países desenvolvidos. As alterações climáticas e o aumento da população mundial – que tanto preocupa o futuro da produção de alimentos – podem, e devem, ser enfrentadas através da produção artificial.

Uma questão que surge automaticamente na cabeça da população quando se fala em comida artificial: “E os nutrientes?”. Esta questão, presente também no relatório, está mais do que estudada. A alimentação artificial podem conter o mesmo grau (ou até superior) de nutrientes oferecidos por alimentos comuns.

O relatório prevê também algumas soluções que nos permitem explorar formas de reduzir a procura, aumentar a produção, restaurar florestas e áreas húmidas, aumentar o fornecimento de peixe e reduzir as emissões de gases do efeito estufa da agricultura. É aqui que entra a sustentabilidade das medidas recomendadas. Não só com a preocupação de manter alimentos disponíveis para o aumento da população, até 2050, mas também fazê-lo sem ocupar mais terrenos para agricultura, ao mesmo tempo que reduz as emissões de gases de efeito estufa do sistema alimentar.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Anipla - fitonotícias .

Anterior Trezentos a 400 agricultores afetados pelos incêndios em Mação, Vila de Rei e Sertã
Próximo ESADR 2019: IX Congresso da APDEA - 15 a 18 de outubro - Lisboa e Oeiras

Artigos relacionados

Últimas

Idanha promove produção biológica em Madrid

Idanha-a-Nova participou com sucesso na Organic Food
Iberia, a primeira feira internacional de produtos biológicos da Península Ibérica,
que decorreu nos dias 6 e 7 de junho, […]

Últimas

Cientistas lançam carta aberta de protesto sobre decisão do Tribunal de Justiça Europeu sobre genoma

[Fonte: O Jornal Económico]

A comunidade científica europeia une-se hoje, dia 25 de julho, contra a decisão de há […]

Nacional

Quebra na produção mas não no prestígio!

Plantar uma vinha é uma atividade condicionada e para aceder a apoios existe um conjunto de regras a cumprir, definidas em legislação quer nacional quer comunitária. […]