Como podem os alimentos geneticamente modificados ser a solução?

Como podem os alimentos geneticamente modificados ser a solução?

O mais recente estudo conduzido pelo World Resources Institute (WRI), como o apoio do Banco Mundial e das Nações Unidas (ONU), vai ao encontro de um dos temas mais quentes e em análise nos últimos dias: Como podem os alimentos geneticamente modificados ser a solução? A verdade é que podem, segundo o próprio relatório.

A projeção é de que em 2050 a população mundial chegue aos cerca de 10 mil milhões e, sem medidas adequadas, não conseguiremos acompanhar as necessidades alimentares a esta escala. Uma realidade que se torna verdadeiramente preocupante. Na análise ao demais relatório produzido, há já soluções apresentadas que devem ser o caminho para um futuro sustentável de alimentos.

O que é acima de tudo urgente começar a assegurar, são as verbas fundamentais ao avanço da ciência e tecnologia neste sentido. O aumento de investimento em áreas como a engenharia genética deverá tornar-se um caminho obrigatório para os países desenvolvidos. As alterações climáticas e o aumento da população mundial – que tanto preocupa o futuro da produção de alimentos – podem, e devem, ser enfrentadas através da produção artificial.

Uma questão que surge automaticamente na cabeça da população quando se fala em comida artificial: “E os nutrientes?”. Esta questão, presente também no relatório, está mais do que estudada. A alimentação artificial podem conter o mesmo grau (ou até superior) de nutrientes oferecidos por alimentos comuns.

O relatório prevê também algumas soluções que nos permitem explorar formas de reduzir a procura, aumentar a produção, restaurar florestas e áreas húmidas, aumentar o fornecimento de peixe e reduzir as emissões de gases do efeito estufa da agricultura. É aqui que entra a sustentabilidade das medidas recomendadas. Não só com a preocupação de manter alimentos disponíveis para o aumento da população, até 2050, mas também fazê-lo sem ocupar mais terrenos para agricultura, ao mesmo tempo que reduz as emissões de gases de efeito estufa do sistema alimentar.

O artigo foi publicado originalmente em Anipla - fitonotícias.

Comente este artigo
Anterior Trezentos a 400 agricultores afetados pelos incêndios em Mação, Vila de Rei e Sertã
Próximo ESADR 2019: IX Congresso da APDEA - 15 a 18 de outubro - Lisboa e Oeiras

Artigos relacionados

Sugeridas

Queijaria de Jorge Coelho aposta nas vendas online para contornar coronavírus

Queijaria Vale da Estrela, de Mangualde, passou a vender online e a fazer entregas ao domicílio nas regiões de Lisboa e Porto […]

Últimas

Valorizar a floresta da região como sumidouro de carbono debatido em Boticas

Iniciou no dia 17 de setembro, em Boticas, no âmbito do
projeto TROCO 2, cujos parceiros da Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega
são a Associação de Desenvolvimento da Região do Alto Tâmega (ADRAT), […]

Eventos

Agricultura em tempo de crise – Debate online – 31 de março

No próximo dia 31 de março, pelas 11h, irá realizar-se o debate online – “Agricultura em tempo de crise. O que vai acontecer e como podemos […]