Colheitas há que até prometem mas Preços à Produção é que não há!

Colheitas há que até prometem mas Preços à Produção é que não há!

Decorrem as Colheitas, com destaque para as Vindimas. Outras Produções já estão recolhidas como várias Frutas e Cereais e vem aí a ceifa do Arroz e a apanha da Azeitona.

Apesar da Seca – que se mantém a níveis muito preocupantes para o presente e para o futuro – essas colheitas apresentam quantidades e, sobretudo, qualidade apreciáveis nas respectivas Produções, o que também significa ter havido esforços e gastos acrescidos feitos pelos Agricultores.

Porém, continua sem haver qualquer garantia que os Preços à Produção acompanhem as expectativas e, sequer, venham a cobrir os elevados custos de Produção dos pequenos e médios Agricultores.

Conseguir escoamento a melhores Preços à Produção são, pois, problemas maiores quer para as culturas permanentes quer para as temporárias, e nomeadamente para os pequenos e médios Agricultores.

A CNA reclama ao Governo e demais Órgãos de Soberania a necessidade de legislação reguladora e a fiscalização sistemática da actividade comercial, particularmente dos Hipermercados para, também por aí, se conseguir as condições básicas e indispensáveis para melhorar o escoamento a Preços justos à Produção e reduzir os prazos de pagamento a Fornecedores.

Calamidade dos Incêndios Florestais reclama por mais apoios públicos

“Soma e segue” a calamidade – por vezes acompanhada pela tragédia – provocada por violentos, persistentes e extensos Incêndios Florestais. Este ano, e ainda não terminou o período mais crítico, já arderam 214 mil ha de Floresta (31 Agosto), alguns fogos com mais de 20 mil hectares contínuos.

De facto, e para além de várias circunstâncias que têm a sua influência específica, há aspectos estruturantes e estratégicos – como a falta de Prevenção de Incêndios e a falta de um correcto Ordenamento Florestal – que, esses sim, determinam a violência e a extensão dos sucessivos Incêndios.

São insuficientes os apoios públicos para prejuízos de Incêndios e da Seca

São muito insuficientes para acudir ao desastre económico, social e ambiental, as medidas de apoio já definidas para o sector Agrícola e Florestal fortemente afectado pelos Incêndios destruidores e pela Seca prolongada.

De facto, no essencial, o Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural tem-se remetido para medidas já “rotineiras”, seja no PDR 2020 – âmbito do chamado “Restabelecimento do Potencial Produtivo” das explorações “queimadas” pelos Incêndios – seja no âmbito da Seca, com a (anunciada) antecipação das Ajudas Directas da PAC (RPB – Regime de Pagamento Base, RPA – Regime da Pequena Agricultura) e algumas do Desenvolvimento Rural (ajudas co-financiadas por Bruxelas e pelo Orçamento Nacional).

Não chega!

Para situações excepcionais, são necessárias medidas de facto excepcionais! Designadamente medidas financeiras e fiscais – como a reposição do reembolso de parte do consumo da Electricidade Agrícola e a isenção de Taxas Hídricas – e a isenção temporária das contribuições dos Agricultores para a Segurança Social, num quadro de múltiplos e desburocratizados apoios públicos.

A criação e funcionamento dos necessários e descentralizados Parques Públicos de Recepção e Comercialização de Madeiras “salvadas” dos Incêndios é uma medida indispensável e de emergência.

Neste contexto muito adverso, o Governo Português deve reforçar a candidatura ao “Fundo Europeu de Solidariedade” para também abranger os prejuízos da Seca que igualmente advém das alterações climáticas. Para isso, reclama-se que a União Europeia flexibilize e adapte as suas Ajudas “de solidariedade” às realidades e necessidades de cada País ou Região e de quem nelas trabalha e produz, no caso na Agricultura e na Floresta.

Orçamento de Estado para 2018 e anos seguintes…

A situação vivida este ano reforça a importância que o Orçamento de Estado para 2018, e anos seguintes, venha a contemplar um efectivo AUMENTO de verbas nacionais para assegurar os níveis específicos de Investimento Público na Floresta Nacional e, em especial, para as medidas de Prevenção de Incêndios Florestais e para combate a pragas e doenças da Floresta.

A consagração do “Estatuto da Agricultura Familiar Portuguesa” que a CNA propõe – com o reconhecimento e a valorização da actividade das Pequenas e Médias Explorações, a Agricultura Familiar – será uma medida institucional para apoiar o trabalho produtivo dessas Explorações em Bens Alimentares e em “Serviços Públicos”.

Comente este artigo
Anterior PPE e a posição para o futuro da PAC pós 2020
Próximo Dia de Campo - InovMilho 2017 - 26 de Setembro 2017 - Coruche

Artigos relacionados

Comunicados

Operação 8.1.5: Novos concursos

Prevê-se que, muito brevemente, sejam abertos concursos no âmbito da Operação 8.1.5 – Melhoria da Resiliência e do Valor Ambiental das Florestas -, […]

Comunicados

Bolsa Nacional de Terras – Projeto Piloto ZIF

[Fonte: GPP]
A Bolsa Nacional de Terras e a Zona de Intervenção Florestal (ZIF) de Aldeia do Mato dá a conhecer o arranque do Projeto Piloto ZIF, […]

Comunicados

Artigos de opinião mais lidos no Agroportal em 2020

Estes foram os artigos de opinião mais lidos pelos leitores do Agroportal em 2020. Saiba quais foram os artigos mais lidos e releia o nosso top 7. […]