Cerca de cinco mil ovinos no Alentejo detetados com vírus da língua azul

Cerca de cinco mil ovinos no Alentejo detetados com vírus da língua azul

Cerca de cinco mil ovinos contraíram o vírus da língua azul no Alentejo, tendo perto de 40 explorações pecuárias declarado casos suspeitos, nos distritos de Beja e Évora, revelou hoje fonte do Ministério da Agricultura.

A mesma fonte explicou à agência Lusa que está “em curso” uma investigação sobre esta situação e que as explorações pecuárias que declaram casos suspeitos situam-se nos concelhos de Serpa, Moura, Barrancos, Mértola, Beja, Portel e Évora.

Nos concelhos de Évora e Portel, até ao momento, as suspeitas não foram “confirmadas laboratorialmente”, acrescentou a mesma fonte, realçando que esta doença animal “não é transmissível” a humanos.

Esta deteção de casos de língua azul em ovinos já levou a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) a emitir um comunicado, na terça-feira, em que declara o Alentejo como “área adicional de restrição para o serótipo 4” do vírus.

Com esta declaração pela DGAV, o Alentejo junta-se à região do Algarve, que já estava “sujeita a restrições por serótipo 1 e por serótipo 4 do vírus da língua azul”.

Nesta nota, publicada na página de Internet da DGAV e consultada pela Lusa, o organismo explica que a restrição no Alentejo deve-se à “deteção de resultados positivos ao serótipo 4 [do vírus da língua azul] no concelho de Serpa, em agosto”.

Está estabelecida uma área de vacinação obrigatória para os serótipos 1 e 4 que abrange toda a região do Algarve, enquanto todo o Alentejo faz parte de outra área de vacinação obrigatória dos animais para o serótipo 4.

“A vacinação obrigatória do efetivo ovino reprodutor adulto e dos jovens destinados à reprodução tem sido a medida mais eficaz para controlar a doença, aconselhando-se ainda a vacinação dos restantes animais das espécies sensíveis”, é referido também num edital recente da DGAV.

Quanto às restantes regiões do território nacional “constituem zonas livres de língua azul”, acrescenta a DGAV.

A língua azul ou febre catarral ovina é uma doença epizoótica de etiologia viral que afeta os ruminantes, com transmissão vetorial, incluída na lista de doenças de declaração obrigatória nacional e europeia e na listada Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Deteção de novos casos do serotipo 4 do vírus da língua azul no Alentejo

Comente este artigo
Anterior “A agricultura continua a ser o parente pobre da sociedade portuguesa”
Próximo Produtores de leite exigem intervenção do governo

Artigos relacionados

Últimas

França e Alemanha já têm proposta conjunta para Orçamento da Zona Euro

Berlim e Paris já acordaram uma proposta detalhada para o Orçamento da Zona Euro. A notícia é avançada pela Reuters, com base num documento governamental da Alemanha a que teve acesso esta sexta-feira. […]

Nacional

Cientistas estudam estratégias para tornar telecomunicações mais resistentes

Investigadores de Coimbra e de Aveiro estão a desenvolver “novos modelos matemáticos e algoritmos” para “aumentar a resiliência das redes de comunicações” […]

Últimas

CDS quer esclarecimento do Governo sobre responsabilidades pelos prejuízos causados por javalis

Os deputados do CDS-PP Patrícia Fonseca, Ilda Araújo Novo e Hélder Amaral querem ver esclarecida a questão da atribuição de responsabilidades pelos prejuízos causados por javalis. […]