Centromarca saúda passo importante rumo a uma cadeia alimentar mais justa

Centromarca saúda passo importante rumo a uma cadeia alimentar mais justa

[Fonte: Centromarca – Associação Portuguesa de Empresas de Produto de Marca]

A Centromarca – Associação Portuguesa de Empresas de Produto de Marca saúda o voto da maioria dos deputados do Parlamento Europeu a favor da promoção de uma cadeia de abastecimento alimentar mais justa ao proibir o uso de práticas comerciais desleais.

Esta ação pretende melhorar as condições comerciais dos 11 milhões de agricultores e 293 mil produtores na Europa, bem como de muitos outros fornecedores fora da UE, quando vendem os seus produtos no mercado europeu.
A diretiva traz mais certeza e clareza aos que compram e vendem produtos agroalimentares ao longo da cadeia de abastecimento. Ao proporcionar um nível mínimo de harmonização em toda a UE, os decisores políticos deram um passo significativo na luta contra práticas comerciais desleais.

Apesar de Portugal possuir uma legislação específica no combate a estas mesmas práticas desleais – legislação que produziu resultados efetivos e que se encontra neste momento em fase de conclusão do seu processo de atualização -, a Centromarca considera da maior relevância a aprovação desta diretiva e a criação de uma harmonização mínima legislativa, dando eco às preocupações sentidas em todo o espaço da União Europeia.

Nuno Fernandes Thomaz, Presidente da Centromarca, refere que “a aprovação da nova diretiva europeia em matéria de Práticas Comerciais Desleais, conjugada com a atualização em curso da legislação portuguesa relacionada com as Práticas Restritivas do Comércio e a progressiva implementação do Código de Boas Práticas Comerciais na cadeia agroalimentar, dotam todos os operadores no mercado nacional de regras equilibradas e objetivas que promovem e premeiam as melhores práticas, mas que também previnem e penalizam os comportamentos abusivos”.

O responsável acrescenta ainda que “esta mistura de regulação e autorregulação, nacional e europeia, estabelece regras e mecanismos de dissuasão e cria consensos e compromissos que, se devidamente adotados e implementados, evitarão ou, pelo menos, diminuirão desnecessárias tensões entre as partes, focando as energias dos operadores naquilo que é realmente relevante: a produção, a qualidade, o investimento, a inovação, a experiência de compra e a satisfação do consumidor”.

Comente este artigo
Anterior Oferta de emprego - Engenheiro Agrónomo / Biotecnologia – Póvoa de Varzim
Próximo Sogrape – um exemplo mundial de viticultura sustentável

Artigos relacionados

Últimas

Oferta de emprego – Engenheiro Agrónomo – Palmela

[Fonte: LinkedIn] O Grupo HIT (Holding da Indústria Transformadora do Tomate, SGPS S.A.) dedica-se ao desenvolvimento de novos produtos e técnicas de preservação dos melhores constituintes do tomate. […]

Eventos

Anipla reúne especialistas para debate sobre inovação e tecnologia na produção de alimentos – 23 e 30 de Março 2017 – Porto e Lisboa

Em 2017 a Anipla propõe uma reflexão sobre a disponibilidade de soluções inovadoras e tecnológicas na produção de alimentos e a sua responsabilidade na melhoria e desenvolvimento da atividade agrícola nacional. […]

Sugeridas

Dois terços da área de plantação de fruta da UE estão concentrados em três países

Cerca de dois terços da área de plantação de fruta da União Europeia estão concentrados em três países. De acordo com os dados avançados pelo Eurostat, […]