Centro PINUS disponibiliza informação do Webinar dedicado a pequenos proprietários

Centro PINUS disponibiliza informação do Webinar dedicado a pequenos proprietários

O Centro PINUS promoveu, no passado dia 22 de abril, o Webinar “Estratégias de Mobilização de pequenos proprietários”. Se não pôde participar o Centro PINUS disponibiliza a gravação no seu canal de Youtube e em www.centropinus.org encontra as apresentações e as principais conclusões.

Foi consensual, para os intervenientes no Webinar, o facto de os perfis e necessidades dos proprietários deverem ser o ponto de partida das políticas e dos estímulos públicos.

Relativamente às estratégias de mobilização de populações rurais, o envolvimento destas em todas as fases de definição e operacionalização de políticas é imprescindível, assim como a comunicação positiva e a adaptação das estratégias de mobilização à comunidade local.

Vários intervenientes referiram a importância de fomentar a flexibilidade e a criatividade na criação de estratégias de mobilização, nomeadamente as que visam a gestão agrupada de áreas florestais, como as que estão a ser implementadas pela Associação Florestal do Baixo Vouga, ou no contexto do projeto Reflorestar Belver. Referiram também a importância de caracterizar e divulgar os casos de sucesso, assim como testar os modelos previamente à criação de apoios públicos à sua implementação generalizada no território.

A existência de incentivos especificamente concebidos para pequenos proprietários, associados a uma estratégia local eficaz de mobilização, pode ter um grande impacto no território, como está a acontecer na área de influência da Dueceira.

A criação e manutenção de confiança é imprescindível ao sucesso de estratégias de mobilização de populações rurais e a estabilidade, quer de políticas, quer institucional, são pré-requisitos incontornáveis, assim como interlocutores locais fortes e credíveis.

O fogo pode ser um grande fator de mobilização para a gestão agrupada, mas, tomando o exemplo de Álvares, apesar de essa ser a vontade de 39% dos proprietários, sendo a categoria com mais expressão, a maioria ainda prefere uma opção diferente.

O Centro PINUS alertou que é necessário ter respostas adequadas a todos os tipos proprietários, considerando que, se há proprietários disponíveis para delegar a gestão devem existir condições para que o façam com confiança e ajudar as entidades que recebem essa responsabilidade. O Centro PINUS recorda ainda que essas ajudas têm que ser diferenciadas para as situações em que é mais difícil fazê-lo, no minifúndio. No entanto, o Centro PINUS considera que os proprietários que querem gerir as suas áreas, devem também ser ajudados.

Disponibilizamos ainda as conclusões do evento e as apresentações usadas por alguns oradores:

Comente este artigo
Anterior Secretaria da Agricultura aposta na agricultura biológica nas ilhas do Grupo Ocidental
Próximo Míldio da videira – cientistas descobrem a verdadeira origem da propagação mundial da doença

Artigos relacionados

Ofertas

Oferta de emprego – Engenheiro Florestal – Coimbra

A empresa Carlos Gil, Lda. está a recrutar Engenheiro Florestal (m/f) com os seguintes requisitos: Formação superior […]

Últimas

Presidência portuguesa na UE quer mais ajuda financeira para os agricultores ecológicos

Nova arquitetura da PAC terá três vertentes: a nova condicionalidade, eco-regimes para o clima e ambiente e medidas agroambientais. […]