Centro PINUS apresenta medidas para mudar a história do pinheiro-bravo

Centro PINUS apresenta medidas para mudar a história do pinheiro-bravo

Em meio século, mais de metade da Floresta de Pinho desapareceu em Portugal. O Centro PINUS acaba de apresentar medidas para reverter esta tendência de decréscimo e cumprir as metas da Estratégia Nacional para as Florestas. Quando é crítico o desenvolvimento de estratégias de recuperação económica, o Centro PINUS alerta para a reorganização mais eficaz dos Fundos Europeus de Investimento no setor, através de uma reorganização da PAC pós 2020, na tentativa de reforçar as verbas para o investimento no Pinheiro-Bravo em Portugal.

O assunto esteve em discussão no “PINUS Webcast – 2034: Investir para Mudar a História do Pinheiro-Bravo”, no dia 5 de junho. Durante a intervenção de um dos oradores convidados, Hugo Costa do GPP, foi possível compreender melhor o longo e complexo processo de negociação da PAC pós 2020 e alguns dos desafios de base como o facto de as áreas de maior risco de incêndio coincidirem com áreas privadas de muito pequena dimensão. Hugo Costa partilhou algumas das reflexões que influenciam a tomada de decisão num processo como a formulação de um programa financeiro como o PDR e a dificuldade de conciliar aspetos como uma maior ambição climática ambiental com recursos limitados, reconhecendo a pertinência das medidas que o Centro PINUS acabou de apresentar. 

A iniciativa do Centro PINUS foi bastante relevante na medida em que se estima que haja apenas um investimento de 5,1% do PDR 2020 para o Pinheiro-Bravo. Recordamos que no último programa equivalente, o Proder, apenas 1% das áreas florestais com apoio à gestão eram compostas pelo Pinheiro-Bravo. Para reverter a situação de declínio do pinhal-bravo é necessário um investimento de 564 milhões de euros nos horizontes temporais 2021-2017 e 2028-2034, para atingir a meta mínima da Estratégia Nacional para as Florestas de 727 000 hectares de Pinheiro-Bravo.

O Centro PINUS propõe assim várias intervenções: reforçar a remuneração dos serviços ambientais fornecidos por esta espécie, apoiar os proprietários florestais em microfúndio e minifúndio; investir na gestão ativa das áreas florestais através de um investimento integrado. Assim, todos os proprietários de áreas de Pinheiro-Bravo poderiam ter uma gestão mais eficaz das suas áreas com apoios, e todos juntos, conseguirem reverter a atual tendência de redução de área de pinhal-bravo.

“A motivação dos proprietários para a gestão florestal em minifúndio, que, por vezes, tem sido pela negativa (por exemplo, as multas pela falta de limpeza de terrenos), tem de dar lugar à motivação pela positiva, trazendo benefícios e uma melhor floresta para todos”,segundo João Gonçalves, presidente da Direção do Centro PINUS.

Comente este artigo
Anterior Evento de Lançamento do Florestas.pt
Próximo Monforte recebe ação "Formas de condução em amendoeiras em sistema intensivo" - 17 de junho

Artigos relacionados

Últimas

Conselho da União Europeia de Agricultura aborda rotulagem de bem-estar animal

O Conselho da União Europeia de Agricultura reuniu os ministros da agricultura europeus que discutiram, entre outras questões, a rotulagem para promover o bem-estar animal e o combate às alterações climáticas. […]

Últimas

Lezírias. A maior quinta do país troca de líder amanhã

Os 18 mil hectares da Companhia das Lezírias vão ser geridos, a partir de amanhã, pelo professor da Universidade de Évora, António de Sousa, que sucede a António Saraiva. […]

Últimas

A história da produção do leite na minha família

Quando o meu pai tinha a idade do Luís, já a nossa família se dedicava em exclusivo à agricultura, produzindo e vendendo algum leite. Antes disso o […]