CATAA

[Fonte: Vida Rural]

Publicidade

A Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIMBB), criada em março de 2009, é uma associação pública de autarquias locais, que visa a prossecução conjunta das respetivas atribuições e a realização de interesses comuns aos municípios que a integram.

O âmbito geográfico da CIMBB integra a sub-região estatística portuguesa NUT III – Beira Baixa, compreende os municípios de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Oleiros, Penamacor, Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão, e abrange uma população de 89.063 habitantes.

Situado no centro de Portugal junto à raia, o território da Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa encerra em si uma vasta diversidade de elementos materiais e imateriais que lhe conferem, por um lado, uma forte unidade identitária e, por outro, uma diversidade ímpar, disseminada por cada município que a constitui: Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Oleiros, Penamacor, Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão.
A Beira Baixa ocupa a área de transição entre as serras da Estrela e da Gardunha com a planície alentejana, até ao vale do Tejo, sendo o seu clima de influência mediterrânico continental extremado, beneficiada agressividade invernosa dada pela proximidade das serras e conta com verões muito quentes e secos. Devido à sua posição geográfica, as caraterísticas edafoclimáticas da Beira Baixa proporcionam produtos alimentares únicos, aliados a uma tradição e saber-fazer seculares. É neste contexto que surge o Programa de Valorização Económica dos Recursos Endógenos – PROVERE BEIRA BIAXA: TERRAS DE EXCELÊNCIA, que consiste na valorização dos produtos e produções agroalimentares deste território ímpar, com o objetivo de fomentar e incrementar a competitividade económica, por um lado, e de reforçar a identidade da marca Beira Baixa, associada a projetos competitivos, inovadores e com capacidade de internacionalização, por outro.
A diversidade e qualidade dos produtos e produções da Beira Baixa justificam, pois, a estratégia de trilhar um caminho que acrescente valor aos recursos endógenos e que reforce a sua ligação ao território de origem (CIMBB,2018).
A partir do Programa de Valorização Económica dos Recursos Endógenos – PROVERE BEIRA BIAXA: TERRAS DE EXCELÊNCIA surge a marca “BEIRA BAIXA”, a qual tem como finalidade distinguir no mercado os produtos agroalimentares destinados ao consumo humano, os produtos de artesanato e serviços, que são produzidos ou prestados, elaborados ou transformados no território abrangido pela Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa – CIMBB, permitindo aos consumidores identificar a origem dos produtos de forma precisa.
Neste sentido e tendo por base o desenvolvimento de uma estratégia que visa a valorização dos recursos endógenos da Beira Baixa, com especial incidência no setor agroalimentar, a CIMBB apostou na criação de uma Montra de Produtos Beira Baixa com o objetivo de destacar e promover o que de melhor se produz nesta região.

  
O PROJETO PROVERE PACKAGING

Integrado no Programa de Valorização Económica dos Recursos Endógenos – PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência, o projeto PROVERE PACKAGING teve como objetivo geral desenvolver um projeto de embalagem inovador no mercado nacional e internacional, dando realce aos produtos da região da Beira Baixa. Aliado a este propósito, desenvolveu-se a opção por uma temática de soluções sustentáveis e com um custo moderado, despertando o desejo de compra.
Enquanto objetivos específicos, o projeto PROVERE Packaging pretendeu conhecer o universo das embalagens inovadoras e das grandes marcas; Compreender o comportamento dos consumidores; Propor um conceito diferenciado tanto no produto como no uso do mesmo; Projetar através dos métodos de design uma embalagem moderna e ao mesmo tempo tradicional.
O projeto teve como promotor a Associação do Centro de Apoio Tecnológico Agroalimentar (CATAA) e visava a otimização de embalagens para 3 produtos “Beira Baixa: Terras de Excelência” no sentido de os tornar mais atrativos ao consumidor final, mantendo a autenticidade e a origem dos produtos e garantindo as condições de transporte necessárias à entrada em novos mercados nacionais e internacionais.
Foram identificados três produtos “Beira Baixa – Terras de Excelência”, com base no estudo do Projeto-âncora Nutrinforma para posterior desenvolvimento das embalagens inovadoras, em concreto Azeite, Mel e Queijo. Após a seleção dos produtos foram identificadas as características típicas dos produtos-alvo e estudo da sua integração nas embalagens a desenvolver, em concreto a identificação das características de cada produto, o estudo das tendências de consumo nesses produtos ao nível da embalagem, no mercado nacional e em 2 mercados internacionais (Alemanha e França).
Procedeu-se ao desenvolvimento das embalagens para os 3 produtos selecionados, com base nos resultados das ações anteriores, e em conjunto com os produtores “Beira Baixa – Terras de Excelência” através da realização de reuniões com os produtores dos produtos-alvo do projeto para articulação do desenvolvimento das embalagens com a indústria.
Com base nos protótipos obtidos, estes foram testados em mercados nacionais, no sentido de aferir a sua aceitação no mercado nacional e também promover os produtos nas suas novas embalagens, em eventos de relevância para o setor agroalimentar nacional.
Foi igualmente testado o resultado dos protótipos em mercados internacionais junto do consumidor final, em 2 mercados externos. Esta análise foi feita em duas Feiras Internacionais de grande relevância para o setor alimentar: IGW, Berlim 2018 e SIAL Paris 2018, onde foram apresentados os produtos nas suas novas embalagens e foi feito um estudo do impacto das mesmas nos mercados-alvo.
Após análise e validação de resultados nos mercados nacionais e internacionais, procedeu-se à divulgação do projeto junto dos produtores para envolvimento de massa crítica da área empresarial, bem como a divulgação e disseminação de resultados das atividades de inovação, em concreto a divulgação e promoção da utilização das embalagens desenvolvidas junto dos produtores, publicação de artigos e divulgação on-line do projeto e disseminação de resultados.
Comente este artigo

O artigo CATAA foi publicado originalmente em Vida Rural

Anterior Insetos – a alternativa proteica na alimentação das aves!
Próximo Governo disponibiliza mais 26 milhões de euros para apoiar espécies de crescimento lento

Artigos relacionados

Últimas

APED aposta na cooperação com fileira da batata

A APED – Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição e a Porbatata – Associação da Batata de Portugal juntam esforços para a promoção do consumo de batata nacional com vista à valorização deste produto junto do consumidor, ao mesmo tempo que estabelecem laços de cooperação para a reorganização do setor, […]

Últimas

Sessão do Colégio de Comissários: Autorização do glifosato

No dia 16 de Maio, no plenário do colégio de comissários, foi lançada uma questão sobre a autorização do glifosato.

Sugeridas

CAP quer reforço do investimento na agricultura

[Fonte: Notícias ao Minuto]
O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Eduardo Oliveira e Sousa, defende que a proposta de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) deve ter em atenção as infraestruturas hidráulicas e reforçar as verbas destinadas ao setor.
“Partindo do princípio que as condições climáticas se alteraram, […]