Casos de gripe aviária obrigam Níger a abater milhares de aves

Casos de gripe aviária obrigam Níger a abater milhares de aves

Mais de 180.000 aves de capoeira foram destruídas no Níger, onde foram comunicados casos de gripe aviária desde fevereiro, com as autoridades a suspeitarem de contágio da vizinha Nigéria, anunciou hoje uma fonte veterinária.

“Já temos quatro surtos em Niamey, onde detetámos dois tipos (do vírus) de gripe das aves, incluindo o H5N1, que é o mais altamente patogénico”, disse a diretora regional de gado em Niamey, Halima Adamou Harouna, citada pela agência France-Presse.

Desde 17 de fevereiro foram notificados quatro surtos em Niamey, confirmou a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE).

“No caso do H5N1, é preciso que tudo seja destruído rapidamente e 181.350 aves já foram destruídas”, revelou Halima Adamou Harouna, referindo que há a suspeita de que o vírus tenha sido importado da Nigéria que registou casos durante quase um ano.

Para evitar uma propagação em grande escala, as autoridades nigerianas estão a considerar “proibir a importação e exportação de produtos avícolas” da Nigéria, que partilha 1.500 quilómetros de fronteiras com o Níger, prosseguiu.

A capital Niamey é normalmente abastecida com produtos avícolas de granjas nigerianas gigantes.

“Tentámos bloquear estas trocas de produtos avícolas com a Nigéria, mas eles (comerciantes) conseguem encontrar uma passagem”, lamentou.

“Esta nova crise que caiu sobre nós é um segundo caso extremamente grave de desastre”, disse Guy Van Kesteren, diretor da quinta AviNiger, a maior de Niamey e uma das mais severamente afetadas pela doença.

Em agosto de 2020, cerca de 32.000 galinhas poedeiras morreram na mesma exploração devido a graves cheias na capital.

“Se não houver ajuda substancial do Estado, penso que teremos de reduzir o pessoal ou parar as operações”, disse Van Kesteren.

Em 2006, o Níger foi o segundo país da África Ocidental, depois da Nigéria, onde o vírus H5N1 foi descoberto, em Zinder e Maradi (duas regiões limítrofes da Nigéria), causando a morte de milhões de aves de capoeira.

Niamey proibiu então a importação de produtos avícolas da Nigéria durante dois anos. Mas o Governo concedeu indemnizações aos avicultores nas zonas afetadas através de um “plano de emergência” de 13 mil milhões de francos CFA (quase 20 milhões de euros).

Comente este artigo
Anterior Grupo Rovensa e DuPont fecham parceria para mudança na área de segurança e risco
Próximo Plano de Recuperação e Resiliência: Que futuro para a floresta multifuncional e de uso múltiplo? - 22 de março

Artigos relacionados

Eventos

Nova data da Agroglobal – Setembro 2021

Uma grande Agroglobal estava lançada para 2020. Pelos motivos conhecidos não foi possível realizá-la nos moldes habituais e foi adiada para Julho de 2021, perante uma perspetiva otimista da evolução da crise pandémica. […]

Nacional

“Não nos resta mais nada, por isso vim para aqui”: em greve de fome há 19 dias, Luís só quer voltar a cultivar amoras na sua quinta

Luís Dias, de 48 anos, está todos os dias no jardim em frente ao Palácio de Belém. Costuma estar por ali das 8h às 19h, arrancando depois para uma penosa caminhada de uma hora até […]

Nacional

Porto recebe conferência Smart Waste Portugal 2019 – Um Futuro Circular

A conferência Smart Waste Portugal 2019 – Um Futuro Circular realiza-se no próximo dia 17 de Setembro, a partir das 14 horas, […]