Casas isoladas no meio da floresta proibidas

Casas isoladas no meio da floresta proibidas

Cerca de 70 milhões serão investidos no cadastro de todos os terrenos privados do País.

A edificação no meio da floresta e de forma isolada, assim como o uso de materiais de construção inflamáveis, vai passar a ser proibida, avançou ontem ao CM Tiago Oliveira, presidente da Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais (AGIF).

Esta medida faz parte de um conjunto de alterações ao decreto-lei nº 124 de 2006, o mesmo que obriga os proprietários a limpar, até 15 de março de cada ano, uma faixa de 50 metros de mato à volta das suas casas sob pena de incorrerem em coimas entre os 280 e os 120 mil euros.

A revisão do diploma está nas mãos do engenheiro florestal, mas só será apresentado ao Governo depois de aprovado o Plano Nacional de Gestão de Fogos Rurais, que está em consulta pública até à próxima quarta-feira.

Este plano prevê gastar mais de seis mil milhões de euros até 2023, cerca de 554 milhões por ano, 60% dos quais dedicado à prevenção dos incêndios e 40% ao combate. Cerca de 70 milhões serão investidos no cadastro de todos os terrenos privados do País.

Continue a ler este artigo no Correio da Manhã.

Comente este artigo
Anterior U.S. EPA reaffirms that glyphosate does not cause cancer
Próximo Tecnologias de conservação pós-colheita aplicadas à castanha

Artigos relacionados

Últimas

Estudo quer perceber linguagem corporal dos animais de produção

A Waitrose, cadeia de supermercados do Reino Unido, associou-se ao Scotland’s Rural College (SRUC) para realizar um estudo com o objetivo de compreender, […]

Nacional

O mistério das vacas – João Adrião

Com o crescimento chinês a cair 11% em apenas um trimestre, é caso para ficarmos assustados com esta solução replicada pelos outros 3 trimestres. […]

Últimas

A UE tem mais 330 milhões para a coesão. “Podíamos dizer que está tudo bem, mas não está”

Só do Quadro Financeiro Plurianual, a União Europeia (UE) tem mais de 330 mil milhões de euros para a coesão. Os eurodeputados reconhecem o investimento, mas dizem que há […]