Capoulas acusa Cristas da “manipulação grosseira” e garante que decisão do Programa de Desenvolvimento Rural está nos 82%

Capoulas acusa Cristas da “manipulação grosseira” e garante que decisão do Programa de Desenvolvimento Rural está nos 82%

O Ministério da Agricultura acusou hoje Assunção Cristas de “manipulação grosseira” dos números do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR), garantindo que a taxa de decisão das candidaturas é de 81,7% e que Portugal está no pódio da execução.

“O PDR entrou em vigor em 01.01.2014. Dois anos depois, em final de 2015, quando o atual Governo entrou em funções, estavam por decidir 90,9% das candidaturas entradas durante o mandato de Assunção Cristas como ministra da Agricultura”, apontou, em comunicado, o Governo.

O ministério tutelado por Capoulas Santos acusou assim a líder do CDS-PP de “manipulação grosseira”, lembrando que a taxa de decisão de candidaturas deste programa é de 81,7%, acima dos 9,1% alcançados por Cristas enquanto ministra, deixando por aprovar 12.614 projetos.

Até ao momento, foram já decididas 46.656 candidaturas de projetos de investimento, de um total de 57.112 candidaturas validadas.

Das 10.456 candidaturas em processo de análise, “a maioria” corresponde a concursos que foram, recentemente, abertos, decorrendo assim os prazos dentro do estabelecido.

O Governo sublinhou ainda que Portugal é o quarto Estado-membro com melhor execução do PDR 2020 (54%).

“O ritmo de execução imprimido pelo Governo determinou que se verifique, neste momento, um avanço de cerca de um ano sob o desempenho do programa gerido por Assunção Cristas, o PRODER, cuja execução estava em 41% no período homólogo”, lê-se no documento.

O Governo vincou ainda que, embora a líder do CDS-PP “não tenha participado numa única reunião da Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar, à qual pertence […] tem obrigação de conhecer os números que respeitam à execução do programa”.

A presidente do CDS aconselhou hoje o ministro da Agricultura a “olhar para o país” e a utilizar os números oficiais do PDR.

“O senhor ministro deve andar mais pelo país para confirmar os números que tem com a realidade. O que vemos – e nós utilizámos números oficiais – é um país agrícola a desesperar pelo atraso na aprovação das candidaturas para o investimento”, disse Assunção Cristas, à margem de uma reunião com a UGT.

No domingo, a líder centrista tinha considerado “inaceitável que o Governo tenha 22.000 candidaturas aos fundos para a agricultura à espera de serem aprovadas”.

O Programa de Desenvolvimento Rural de Portugal foi aprovado na sequência da decisão da Comissão Europeia em dezembro de 2014 e visa o apoio às atividades do setor agrícola assente numa gestão eficiente dos recursos.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Avisos Agrícolas 09/09/2019: Vinha, Kiwi, Macieira, Pereira, Nogueira, Oliveira, Citrinos e Tomateiro
Próximo Toxicité des pesticides: des données «peu nombreuses et de qualité médiocre»

Artigos relacionados

Sugeridas

Olival superintensivo. Mito urbano? – Francisco Mondragão Rodrigues

Muito se tem falado nos últimos tempos sobre olivais intensivos e superintensivos. Foram tema de campanha eleitoral nas legislativas e a […]

Últimas

Incêndios. Declarada situação de alerta em todo o país na sexta-feira e sábado

O Governo declarou a situação de alerta em todo o país na sexta-feira e sábado, devido ao agravamento do risco de incêndio. […]

Últimas

Incêndios: Portugal com menos 8.719 hectares de área ardida do que em 2018

Em comunicado, o MAI sublinha que o ano de 2019 apresenta, até ao dia 31 de agosto, o segundo valor mais reduzido em número de incêndios e o segundo valor mais reduzido de área ardida desde 2009. […]