CAP: Greve de 12 de Agosto

CAP: Greve de 12 de Agosto

[Fonte: CAP] Impõe-se que o Governo Assegure a Actividade Agrícola no País: A CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal apela ao Governo para que atue de forma determinada no que à greve dos motoristas de matérias perigosas diz respeito, por forma a assegurar a normalidade operacional do setor agrícola.

Não acautelar esta situação resultará numa enorme destruição de valor económico e financeiro, desperdiçando-se meses de intenso trabalho e de avultados recursos investidos na Agricultura. Os prejuízos resultantes da concretização desta greve destruirão de forma definitiva dezenas de milhões de euros podendo levar à falência milhares de agricultores.

A greve anunciada com início no dia 12 de Agosto irá ter lugar num período agrícola particularmente intenso, em plena época de colheitas, como a pera-rocha, o tomate para a indústria, pimento, milho, batata, uva, entre outras, de vital importância para milhares de agricultores e suas organizações em todo o País, comprometendo exportações e a viabilidade de todo um ano de trabalho. As colheitas não esperam, simplesmente perdem-se!

Na passada quarta-feira 14 de julho, um governante defendeu que os portugueses começassem a abastecer-se, para se precaverem no caso da greve dos motoristas se prolongar no tempo. São declarações que a CAP considera desajustadas e ignorarem por completo a realidade do mundo rural e as necessidades do mundo agrícola. Os agricultores não deixarão de tudo fazer para garantir que as suas colheitas serão preservadas e que será possível continuarem a sua atividade. A corrida aos postos de combustível será inevitável. Estamos numa altura de Verão e de calor intenso. Apelar, nesta altura do ano, para as pessoas se abastecerem, poderá resultar em armazenamento irregular e descuidos no transporte de combustível, potenciando acidentes trágicos, que a todo o custo se devem evitar. Declarações alarmistas não são compreensíveis ou desejáveis.

A análise à Rede de Emergência de Postos de Abastecimento divulgada pela Entidade Nacional para o Setor Energético atenta apenas à realidade demográfica, ignorando por completo a realidade económica e agrícola do País. Nos distritos onde a Agricultura tem um peso preponderante está estipulado um número muito reduzido de postos de abastecimento que não serão suficientes para que os agricultores possam operar as suas máquinas, os seus tratores e as suas alfaias agrícolas, fazerem as suas colheitas ou escoarem os seus produtos.

Respeitando o direito à greve deve o Governo tudo fazer para que o País agrícola não fique parado ou renegado para segundo plano.

Não pode haver portugueses de primeira ou de segunda, portugueses da cidade ou portugueses do campo, portugueses urbanos ou portugueses rurais. Todos são importantes, todos contam. Os agricultores apelam ao Governo para que reveja a Rede de Emergência de Postos de Abastecimento, por forma a acautelar que a atividade agrícola seja salvaguardada e que o trabalho de meses de dezenas de milhares de pessoas não seja simplesmente destruído porque não existe combustível para as máquinas poderem operar. Será a ruina de parte significativa do sector e a falência de centenas de agricultores.

A duas semanas do início da greve, há muito tempo para que o Governo encontre soluções que respondam a este apelo e assim impeça e evite a destruição de valor agrícola. Trata-se de uma situação de emergência. É necessário adequar a Rede de Postos de Abastecimento por forma a que os agricultores tenham prioridade e possam colher e transportar o fruto do seu trabalho.

A Direcção da CAP

Lisboa, 29 de julho de 2019

Comente este artigo
Anterior Alteração às normas de comercialização no sector das frutas e produtos hortícolas frescos - Nº HF
Próximo Medronheiro: manual de boas práticas para a cultura

Artigos relacionados

Notícias Inovação

Tremoço dos Andes- uma nova alternativa cultural com múltiplas utilizações

[Fonte: Lusosem] O consórcio europeu de investigação
LIBBIO reuniu-se a 10 e 11 de Abril em Bremen, na Alemanha, com a presença de
20 participantes dos 14 parceiros envolvidos, entre os quais Filipa Setas,
responsável de Desenvolvimento e Marketing da Lusosem. O LIBBIO estuda o
tremoço dos Andes (Lupinus mutabilis) como nova cultura agrícola
ecológica para a Europa e  […]

Comunicados

Glifosato – Licença renovada por cinco anos

A União Europeia decidiu, ao início da tarde de hoje, a renovação da licença para a utilização do glifosato na agricultura do espaço comunitário por cinco anos, com o voto positivo de 18 estados membros, e nove votos contra. Portugal manteve a abstenção.

Comunicados

Produtos biológicos e saudáveis ganham mais protagonismo

A crescente procura de produtos biológicos e saudáveis motivou o Continente a criar um espaço dedicado a esses produtos nas lojas, denominado de Área Bio e Saudável, que dispõe de mais de 200 marcas e oferece mais de 2.000 produtos.
O novo espaço já está presente em muitas lojas da insígnia, […]