CAP defende apoios à utilização da biomassa florestal para diminuir incêndios e uso de combustíveis fósseis

CAP defende apoios à utilização da biomassa florestal para diminuir incêndios e uso de combustíveis fósseis

A CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal defende a promoção da utilização da biomassa florestal no aquecimento das habitações das explorações agrícolas e nos aglomerados urbanos, bem como das infra-estruturas públicas em meio rural. “Paralelamente deverá implementar-se um programa de apoio ao fabrico nacional de sistemas individuais de produção de calor e aquecimento a biomassa florestal, bem como apoio à sua aquisição e instalação”.

A proposta é avançada o documento estratégico “Ambição Agro 2020-30”, apresentado pela CAP no passado dia 24 de Setembro, e refere que esta medida enquadra-se nos domínios da acção climática, eficiência e transição energética, substituição de importações e melhoria das condições sociais e sustentabilidade da vida no espaço rural.

“Para além de contribuir para a diminuição do risco e dos efeitos dos incêndios rurais, promove ainda o uso de energia limpa, em detrimento da utilização de combustíveis fósseis, como o gasóleo ou o gás. Para além das vantagens ambientais, esta medida comporta evidentes benefícios sociais, pela melhoria das condições de conforto habitacional e poupança económica decorrente do recurso a tal fonte energética”, realça o documento da Confederação dos Agricultores de Portugal.

Crise estrutural no sector florestal

Explica a Confederação que Portugal vive uma crise estrutural no seu sector florestal. “A estrutura fundiária de uma vastíssima parte das zonas de floresta, associada ao despovoamento e alteração cultural das parcelas, por um lado, e ao decréscimo de valor dos produtos, por outro, levaram o País a um nó górdio que não foi ainda capaz de desatar”.

Acrescenta o documento que “os acontecimentos dos últimos anos, associados a terríveis fogos rurais e florestais, cada vez mais potenciados pelos efeitos das alterações climáticas, obrigam a que se encontrem várias soluções para o sector que, em conjunto, alterem o actual panorama. Numa perspectiva estratégica de longo prazo, tendo em vista uma efectiva diminuição do risco e em simultâneo a promoção da gestão do território, a CAP propõe um plano nacional de instalação de uma rede primária e de uma rede periurbana de faixas de gestão de combustível”.

Para a CAP, este investimento estrutural público, do domínio da protecção civil, que “permitirá diminuir substancialmente o risco em território rural e potenciar uma actividade agro-florestal economicamente viável, deve, na fase de instalação, promover o reordenamento fundiário desses espaços estratégicos e a devida compensação dos proprietários que asseguram nas suas propriedades esse serviço prestado às populações”.

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Cuidados na colheita de Kiwi para prevenir a dispersão da PSA
Próximo Melhoria de rendimentos dos produtores de leite e manutenção das verbas do POSEI são prioridades para Vasco Cordeiro

Artigos relacionados

Nacional

PDR2020: Observações da agricultura e dos territórios rurais

Operação 20.2.4 – Observações da agricultura e dos territórios rurais (5º Anúncio) […]

Nacional

Multinacionais comprometem-se a agir para proteger a biodiversidade

Chama-se ‘One Planet Business for Biodiversity’ (OP2B) e foi apresentada esta segunda-feira (23 de setembro) pelo CEO da Danone, Emmanuel Faber, […]

Sugeridas

Incêndios: Só em quatro concelhos de Castelo Branco foram detetados 1.500 terrenos sem limpeza

A GNR já detetou cerca de 1.500 situações de terrenos que carecem de limpeza em quatro dos 11 municípios do distrito de Castelo Branco, foi hoje […]