Câmaras de Odivelas, Paços de Ferreira e Peniche punidas por falta de Plano de Defesa Contra Incêndios

Câmaras de Odivelas, Paços de Ferreira e Peniche punidas por falta de Plano de Defesa Contra Incêndios

Numa nota do Ministério da Administração Interna (MAI) é referido que a retenção será efetuada pela Direção-Geral das Autarquias Locais.

De acordo com a atual redação do decreto-lei n.º 124/2016, os municípios são obrigados a elaborar, executar, avaliar e atualizar os PMDFCI.

Além disso, lê-se ainda no comunicado do MAI, o Orçamento do Estado para 2019 determinou que “o não cumprimento desta norma, até 31 de março de 2019, tem como consequência a retenção de 20% do duodécimo das transferências correntes do FEF”.

“Decorridos os prazos legais para pronúncia dos municípios, e não tendo sido obtida resposta em nenhum dos três casos, relativamente ao envio dos respetivos planos ao Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), foi determinada a retenção”, adianta o MAI.

Segundo o Governo, está ainda a decorrer “a fase de esclarecimento relativa a 19 municípios, com a participação do ICNF”.

Dados do ICNF de final de junho indicavam que 53 municípios não tinham PMDFCI atualizado em vigor.

De acordo com a legislação em vigor, depois de emitido parecer positivo vinculativo, os PDMFCI têm de ser aprovados, por maioria simples, em sede de Assembleia Municipal, num prazo de 45 dias, sendo depois objeto de publicação no Diário da República. Só depois desta publicação este documento entra em vigor.

O PMDFCI, obrigatório para todos os municípios do continente português, tem um período de vigência, no caso dos planos de 3.ª geração, de 10 anos, passando para cinco anos quando em causa estão planos de 1.ª ou 2.ª geração.

Um PMDFCI faz a caracterização física do concelho, na qual se encontram, por exemplo, as altitudes, a existência de mais declives ou encostas, a exposição solar, bem como o mapa hidrográfico que determina se se trata de uma zona com elevados ou fracos recursos hídricos. Somam-se referências à evolução demográfica e à ocupação do território, bem como a caracterização climática.

Para incêndios e outras situações de emergência, o poder local deve ainda dispor de Planos Municipais de Emergência.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Encontro Regadio 2019 - 6 e 7 de novembro - Odemira
Próximo Fórum INESC TEC do Outono: A (R)evolução Digital no Agro-Alimentar e Floresta - 12 de novembro - Porto

Artigos relacionados

Eventos

53ª AGRO – Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação – 2 a 5 de abril – Braga

A InvestBraga – Agência para a Dinamização Económica, EM, vai organizar a 53ª AGRO – Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação, […]

Notícias meteorologia

Previsão de longo prazo – 14 out. a 10 nov. 2019

Precipitação total e temperatura média semanal com valores abaixo do normal […]

Nacional

Comunilog faz curso de manobrador de máquinas agrícolas e florestais no Norte e Sul do País

A Comunilog Consulting, sediada na Guarda está a promover o curso de Manobrador de Máquinas Agrícolas e Florestais, a realizar-se em vários pontos do País, […]