Câmara de Alcobaça promove sessão de esclarecimento sobre segurança na apanha agrícola

Câmara de Alcobaça promove sessão de esclarecimento sobre segurança na apanha agrícola

A hortofruticultura é um setor chave e prioritário para o concelho de Alcobaça, especialmente entre os meses de agosto e novembro, aquando da tradicional época da apanha agrícola.

A tomada de medidas de segurança e de mitigação da propagação do novo coronavírus por parte dos empresários agrícolas é essencial para manter esta
atividade com grande peso na economia local.

Foi com base neste pressuposto que o Serviço Municipal de Proteção Civil da Câmara Municipal de Alcobaça promoveu ontem à tarde, no Auditório da Biblioteca Municipal, uma sessão de esclarecimento que contou com a participação de cerca de 40 empresários do setor.

A sessão focou-se essencialmente nas medidas a implementar pelas empresas na contratação de mão de obra temporária assim como as novas regras de transporte de trabalhadores agrícolas no contexto da pandemia da Covid-19. “É essencial que as empresas criem um plano de contingência com base em dois pressupostos: primeiro, o plano de contingência deve ser assimilado por todos os colaboradores e chefias da empresa; segundo, o plano de contingência não é um documento estanque e deve ser constantemente atualizado”, alertaram Jorge Nunes e Patrícia Pita, respetivamente médica e coordenador do Agrupamento de Centros de Saúde Oeste Norte.

Igualmente presente, Ana Pisco, Diretora Executiva da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale-do-Tejo, chamou a atenção para o facto de “todos os setores de atividade acarretarem riscos de propagação deste vírus o que pode trazer consequências principalmente nos meses de setembro e outubro, aquando o regresso do período escolar.”

Para Elizabete Moita, diretora do Centro Distrital de Leiria da Segurança Social, “no caso de acontecer algum caso positivo é importante cumprir os procedimentos em vigor: procurar manter as pessoas no local até ser avaliada a possibilidade de haver condições de isolamento; depois, identificar as necessidades das pessoas infetadas que podem e devem ser colmatadas em rede, ou seja, através de uma articulação regular entre a entidade patronal, a autoridade saúde local, a Segurança Social e a autarquia”.

Em representação da Guarda Nacional Republicana, o Cabo César Ferreira chamou à atenção para a atualização das regras de transporte de trabalhadores agrícolas: veículos até 6000 kg podem agora transportar um máximo de 6 trabalhadores (em vez dos 9 anteriormente em vigor); veículos com mais 6000 kg podem transportar até 14 trabalhadores (em vez dos 20 anteriormente em vigor).

O Presidente da Câmara Municipal de Alcobaça, Paulo Inácio, relevou “a boa adesão a esta sessão que dá um sinal claro das preocupações dos empresários deste setor no sentido manter a sua atividade sem sobressaltos e dentro das normas em vigor.

Desde o início que a Câmara Municipal tem procurado desenvolver soluções para apoiar as instituições e as empresas neste contexto de pandemia. A articulação com as autoridades aqui presentes tem sido essencial neste contexto.”

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Central de Cervejas e Agri Marketplace promovem criação de nova fileira de cevada dística
Próximo Portugal Fresh - Atual Direção renova mandato

Artigos relacionados

Candidaturas e pagamentos

Linha Capitalizar – Covid-19

O Setor do agroalimentar tem acesso à linha de crédito Capitalizar 2018 | COVID-19 para fazer face às necessidades de fundo de maneio e de […]

Eventos

Olival do futuro em debate nas VI Jornadas da Olivum – 26 de novembro – Beja

Evento conta com a apresentação do estudo «Alentejo: a liderar a olivicultura moderna internacional» […]

Nacional

Colheita da pera rocha movimenta 12 mil temporários, ministra satisfeita com medidas de prevenção

A campanha da pera rocha deverá movimentar cerca de 12 mil trabalhadores temporários em relação aos quais a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, considera que estão a ser […]