Bruxelas está “profundamente preocupada” e apoia debate pedido por Macron

Bruxelas está “profundamente preocupada” e apoia debate pedido por Macron

A Comissão Europeia mostrou-se “profundamente preocupada” com os incêndios na floresta da Amazónia, no Brasil, manifestando apoio ao pedido feito pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, para debater esta situação, o que já motivou críticas do governo brasileiro.

“A Comissão está profundamente preocupada. A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e contém um décimo das espécies mundiais. É por isso que saudamos as intenções do Presidente [francês] Macron em discutir esta questão na cimeira do G7, dada a necessidade de atuar rapidamente”, afirmou a porta-voz do executivo comunitário Mina Andreeva.

Falando na conferência de imprensa diária da Comissão Europeia, em Bruxelas, a responsável notou que a União Europeia (UE) está já “em contacto com as autoridades brasileiras e bolivianas” sobre esta questão.

“E estamos prontos para ajudar como pudermos, desde logo fornecendo assistência ou ativando o nosso sistema de satélites Copernicus”, apontou Mina Andreeva.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, apelou na quinta-feira a que os incêndios na Amazónia sejam discutidos na cimeira do G7, que se realiza este fim de semana em Biarritz, sudoeste de França, afirmando que se trata de uma “crise internacional”.

Na cimeira do G7, dos países mais industrializados do mundo, participam os líderes da Alemanha, Canadá, Estados Unidos da América, França, Itália, Japão e Reino Unido.

Em representação da UE estará, no encontro, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que substituirá na ocasião o líder do executivo comunitário, Jean-Claude Juncker, que foi operado de urgência.

Ainda na quinta-feira, e horas após a declaração de Macron, o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, rebateu o apelo do seu homólogo francês, acusando-o de “mentalidade colonialista” e de querer alcançar “ganhos políticos pessoais”.

Também nesse dia, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, mostrou-se “profundamente preocupado” com os incêndios numa das “mais importantes fontes de oxigénio e biodiversidade”, referindo que a Amazónia “deve ser protegida”.

Questionada na conferência de imprensa de hoje se a UE tenciona pressionar o Presidente brasileiro a aplicar medidas para evitar a desflorestação, a porta-voz da Comissão Europeia referiu que o acordo de livre comércio celebrado há dois meses com a organização do Mercado Comum do Sul (Mercosul) é “o melhor instrumento” para o conseguir, desde logo porque tem em conta os objetivos do Acordo de Paris.

“Achamos que é importante criar compromissos legais nos nossos acordos porque essa é a forma legítima de fazer com que as partes os respeitem”, adiantou Mina Andreeva.

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Jornadas de Alimentação Animal. IACA debate impacto da descarbonização no sector
Próximo Amazónia. Bolsonaro autoriza recurso às Forças Armadas para combater incêndios

Artigos relacionados

Últimas

Países do G7 prometem ajudar Amazónia, Bolsonaro agradeceu e diz que vai “proteger ambiente”

Os países do G7 concordaram em “ajudar o mais rapidamente possível os países afetados” pelos incêndios que se multiplicaram nos últimos dias na Amazónia, […]

Comunicados

CDS recomenda ao Governo a preparação de medidas concretas, e com caráter permanente, que visem minorar os efeitos da seca

Em sete pontos, num projeto que hoje deu entrada no Parlamento, o CDS recomenda ao Governo a preparação […]

Nacional

Investigadores avaliam os efeitos de pesticidas agrícolas nos organismos marinhos

Um estudo realizado entre 2011 e 2016 revelou que a aplicação do fungicida agrícola mais utilizado no mundo – azoxistrobina – apresenta risco para os organismos aquáticos. […]