É bom misturar água e eletricidade!? – José Pedro Salema

É bom misturar água e eletricidade!? – José Pedro Salema

A energia necessária para a elevação e distribuição da água é o principal custo do grande empreendimento do Alqueva mas na associação das dezenas de planos de água à produção fotovoltaica pode estar a chave para a sustentabilidade do maior projeto hidroagrícola do país.

Os aproveitamentos hidráulicos têm na maioria dos casos habitualmente a sua origem de água em grandes barragens a cotas mais altas que as áreas que beneficiam, possibilitando a adução gravítica. Este não é o caso em Alqueva.

De facto, no Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva (EFMA) as grandes origens de água – as albufeiras de Alqueva e de Pedrógão – estão a cotas mais baixas que as áreas envolventes servidas, levando a que haja necessidade de uma grande estação elevatória, com altura de elevação da ordem dos 70 a 90 m. A esta elevação somam-se outras até ao destinatário final, atingindo alturas de elevação médias da ordem dos 140m e o consequente consumo energético da ordem de 0,5 kWh por metro cúbico de água distribuído.

Alqueva está localizado na região com os maiores níveis de insolação e radiação solar da Europa e o sistema global de distribuição, com cerca de 2000 km de extensão, inclui 47 estações elevatórias e 69 barragens e reservatórios de regularização. Uma vez que a distribuição anual das necessidades energéticas de bombagem segue muito perto a capacidade produtiva fotovoltaica parece estarem reunidas todas as condições para que esta energia renovável tenha aqui particular expressão.

Em virtude dos significativos caudais com as elevações referidas a potência das estações elevatórias é grande, tipicamente na ordem de alguns Megawatts. Ora o fornecimento de potências elétricas desta magnitude com a tecnologia fotovoltaica corrente implica sempre a ocupação de áreas consideráveis que, muitas vezes, não podem ser facilmente utilizadas devido à sua boa aptidão agrícola ou florestal.

As centrais fotovoltaicas flutuantes vêm responder precisamente a estes desafios. A tecnologia está bastante madura existindo já muitas dezenas de projetos de grande escala e novos grandes projetos são continuamente divulgados.

As vantagens de colocar painéis fotovoltaicos sobre estruturas flutuantes são muitas:

  • Não compete com outro tipo de utilização do solo pois ocupa tipicamente reservatórios de regularização ou partes de albufeiras que não têm uso alternativo;
  • A produção é maior pois o efeito refrescante do plano de água sobre os painéis aumenta a sua eficiência de conversão da radiação em eletricidade;
  • A redução da incidência da luz nos reservatórios limita o crescimento das algas contribuindo decisivamente para a qualidade da água e para a diminuições dos custos com a limpeza de filtros;
  • A cobertura de reservatórios reduz a evaporação e logo os custos operacionais da distribuição de água;

As vantagens são muitas mas o investimento ainda é elevado contudo esta situação está a alterar-se rapidamente e existem modelos de negócio em que o esforço financeiro inicial é transformado em custo operacional anual.

Hoje já existem muitas situações em que a introdução do fotovoltaico é mais económica que a tradicional ligação à rede. Isto mesmo pudemos confirmar recentemente com a alimentação elétrica a concentradores de comunicações em que o projeto tradicional tinha o orçamento de cerca de 25,000 EUR mas a solução implementada (fotovoltaico offgrid) custou cerca de 5,000 EUR.

Caso semelhante é o da alimentação elétrica ao reservatório e estação de filtração da Cegonha em que o sistema instalado fotovoltaico flutuante com recurso a um banco de baterias teve um custo de investimento igual ao da construção de uma linha de média tensão mas não terá quaisquer custos mensais.

Diz a sabedoria popular que não é boa ideia misturar água e eletricidade, mas em Alqueva esta mistura parece virtuosa e pode muito bem ser a chave para garantir um futuro de produtividade, eficiência e respeito pela natureza.

 

José Pedro Salema

Presidente da EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, S.A.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Um ano depois, Arouca e S. Pedro do Sul recuperam da calamidade
Próximo Brexit eleva preço do morango no Reino Unido

Artigos relacionados

Últimas

Governo recusa suspender concurso de ordenamento de eucaliptos

O ministro da Agricultura recusou esta sexta-feira suspender o concurso de nove milhões de euros, em fundos comunitários, para ordenamento de eucaliptos, assegurando que o objetivo é ordenar a plantação desta espécie e não permitir mais área plantada.

Comente este artigo […]

Nacional

Festival de Observação de Aves com inscrições abertas em mais de 200 actividades

[Fonte: Gazeta Rural]

Este sábado foi anunciado o programa da 8ª edição do Festival de Observação de Aves & Actividades de Natureza. Entre 4 e 8 de Outubro, Sagres será o ponto de encontro das aves migratórias e dos amantes da natureza. […]

Sugeridas

“Entre ter má floresta e não ter floresta, é preferível não ter floresta”

[Fonte: Público]
O Secretário de Estado acredita no regresso da floresta ao “centro das atenções políticas” e afirma que a operacionalização da reforma florestal exige um “compromisso” que abarca não apenas as forças partidárias mas toda a sociedade.

O ministro da Agricultura diz que a reforma florestal é a maior desde o tempo de D. […]