É bom misturar água e eletricidade!? – José Pedro Salema

É bom misturar água e eletricidade!? – José Pedro Salema

A energia necessária para a elevação e distribuição da água é o principal custo do grande empreendimento do Alqueva mas na associação das dezenas de planos de água à produção fotovoltaica pode estar a chave para a sustentabilidade do maior projeto hidroagrícola do país.

Os aproveitamentos hidráulicos têm na maioria dos casos habitualmente a sua origem de água em grandes barragens a cotas mais altas que as áreas que beneficiam, possibilitando a adução gravítica. Este não é o caso em Alqueva.

De facto, no Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva (EFMA) as grandes origens de água – as albufeiras de Alqueva e de Pedrógão – estão a cotas mais baixas que as áreas envolventes servidas, levando a que haja necessidade de uma grande estação elevatória, com altura de elevação da ordem dos 70 a 90 m. A esta elevação somam-se outras até ao destinatário final, atingindo alturas de elevação médias da ordem dos 140m e o consequente consumo energético da ordem de 0,5 kWh por metro cúbico de água distribuído.

Alqueva está localizado na região com os maiores níveis de insolação e radiação solar da Europa e o sistema global de distribuição, com cerca de 2000 km de extensão, inclui 47 estações elevatórias e 69 barragens e reservatórios de regularização. Uma vez que a distribuição anual das necessidades energéticas de bombagem segue muito perto a capacidade produtiva fotovoltaica parece estarem reunidas todas as condições para que esta energia renovável tenha aqui particular expressão.

Em virtude dos significativos caudais com as elevações referidas a potência das estações elevatórias é grande, tipicamente na ordem de alguns Megawatts. Ora o fornecimento de potências elétricas desta magnitude com a tecnologia fotovoltaica corrente implica sempre a ocupação de áreas consideráveis que, muitas vezes, não podem ser facilmente utilizadas devido à sua boa aptidão agrícola ou florestal.

As centrais fotovoltaicas flutuantes vêm responder precisamente a estes desafios. A tecnologia está bastante madura existindo já muitas dezenas de projetos de grande escala e novos grandes projetos são continuamente divulgados.

As vantagens de colocar painéis fotovoltaicos sobre estruturas flutuantes são muitas:

  • Não compete com outro tipo de utilização do solo pois ocupa tipicamente reservatórios de regularização ou partes de albufeiras que não têm uso alternativo;
  • A produção é maior pois o efeito refrescante do plano de água sobre os painéis aumenta a sua eficiência de conversão da radiação em eletricidade;
  • A redução da incidência da luz nos reservatórios limita o crescimento das algas contribuindo decisivamente para a qualidade da água e para a diminuições dos custos com a limpeza de filtros;
  • A cobertura de reservatórios reduz a evaporação e logo os custos operacionais da distribuição de água;

As vantagens são muitas mas o investimento ainda é elevado contudo esta situação está a alterar-se rapidamente e existem modelos de negócio em que o esforço financeiro inicial é transformado em custo operacional anual.

Hoje já existem muitas situações em que a introdução do fotovoltaico é mais económica que a tradicional ligação à rede. Isto mesmo pudemos confirmar recentemente com a alimentação elétrica a concentradores de comunicações em que o projeto tradicional tinha o orçamento de cerca de 25,000 EUR mas a solução implementada (fotovoltaico offgrid) custou cerca de 5,000 EUR.

Caso semelhante é o da alimentação elétrica ao reservatório e estação de filtração da Cegonha em que o sistema instalado fotovoltaico flutuante com recurso a um banco de baterias teve um custo de investimento igual ao da construção de uma linha de média tensão mas não terá quaisquer custos mensais.

Diz a sabedoria popular que não é boa ideia misturar água e eletricidade, mas em Alqueva esta mistura parece virtuosa e pode muito bem ser a chave para garantir um futuro de produtividade, eficiência e respeito pela natureza.

 

José Pedro Salema

Presidente da EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, S.A.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Um ano depois, Arouca e S. Pedro do Sul recuperam da calamidade
Próximo Brexit eleva preço do morango no Reino Unido

Artigos relacionados

Nacional

Fundo internacional financia pequenos agricultores angolanos com mais de 25 milhões de euros

[Fonte: Observador]
O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola vai financiar com 28,8 milhões de dólares (25,2 milhões de euros) projetos envolvendo pequenos agricultores das províncias angolanas do Cuanza Sul e da Huíla.
A informação consta de um recente despacho presidencial em que José Eduardo dos Santos autoriza os termos do financiamento a atribuir por aquele organismo internacional, […]

Nacional

Exportações aumentam 6,8% com importações a crescerem 7,1% em Junho de 2017

[Fonte: Agricultura e Mar]
As exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de, respectivamente, 6,8% e 7,1%, em Junho de 2017 (+15,6% e +21,8% em Maio de 2017, pela mesma ordem). Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações aumentaram 7,4% e as importações cresceram 7,7% (respectivamente +14,2% e +18,7% em Maio de 2017), […]

Nacional

Vinho em 5 continentes

[Fonte: Correio da Manhã]

A José Maria da Fonseca é um império vinícola nacional com mais de 650 hectares de vinha distribuídos pela península de Setúbal, Alentejo e Douro. As 40 marcas de vinhos de mesa e generosos incluem casos de grande popularidade internacional como o ‘Periquita’, […]