Banco Africano de Desenvolvimento ajuda a combater praga de gafanhotos em África com 1,5 milhões de dólares

Banco Africano de Desenvolvimento ajuda a combater praga de gafanhotos em África com 1,5 milhões de dólares

O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) anunciou esta quinta-feira a aprovação de um empréstimo de emergência no valor de 1,5 milhões de dólares para ajudar nove países africanos a combaterem a praga de gafanhotos.

Canalizada através da Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD, na sigla em inglês) com a chancela da União Africana, o empréstimo no valor de cerca de 1,3 milhões de euros vai ajudar Djibuti, Eritreia, Etiópia, Quénia, Somália, Sudão, Sudão do Sul, Uganda e Tanzânia a controlarem “a praga de gafanhotos que está a ameaçar as colheitas e a segurança alimentar”.

A IGAD está a colaborar com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), que lidera a coordenação do apoio financeiro dos parceiros contra a invasão de gafanhotos, cujas verbas serão usadas para “controlar a propagação da invasão de gafanhotos, prevenir potenciais novas ameaças e fazer uma avaliação do impacto da invasão”, lê-se no comunicado de imprensa.

Entre os países afetados, o BAD destaca que “o Quénia, a Etiópia e a Somália foram particularmente afetados pelo surto e pela reprodução em grande escala dos gafanhotos, que deve originar novas vagas nas próximas semanas” e alerta que “a infestação coloca um risco sem precedentes para a subsistência e segurança alimentar numa região já frágil e causou um gigantesco prejuízo para a produção agrícola”.

Na Etiópia, a praga de gafanhotos é a maior nos últimos 25 anos e no Quénia é a pior dos últimos 70 anos. Na Etiópia, segundo o BAD, os gafanhotos destruíram mais de 30 mil hectares de colheitas, incluindo no café e chá, que representam 30% das exportações do país, e no Quénia foram destruídos 70 mil hectares de colheitas.

“Os esforços para controlar as infestações vão requerer cerca de 147 milhões de dólares (134 milhões de euros), dos quais 75 milhões de dólares (68,6 milhões de euros) já foram garantidos por governos, doadores e agências das Nações Unidas, “mas ainda continua a haver um subfinanciamento significativo”, conclui o BAD.

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Comente este artigo
Anterior Coronavirus: Commission announces further measures to support the agri-food sector
Próximo Coronavírus acelera aposta no digital no setor dos vinhos

Artigos relacionados

Nacional

Acção de demonstração do CompetitiveSouthBerries sobre mirtilo – 11 de julho – Grândola

Tem lugar na manhã de 11 de Julho a 8.ª Acção de Demonstração do Grupo Operacional CompetitiveSouthBerries, que será dedicada ao mirtilo. […]

Últimas

Faça Chuva Faça Sol – T.2 Ep. 16

[Fonte: RTP] O tomate de indústria é a cultura horto-industrial com maior importância económica em Portugal. Neste programa damos a conhecer esta cultura que tem forte expressão no Ribatejo. […]

Últimas

Exportações de vinho cresceram 2,5% entre janeiro e julho

De acordo com uma nota de imprensa emitida pelo gabinete do ministro da Agricultura, este crescimento reflete-se num aumento de 11 milhões de euros (de 437 milhões para 448 milhões de euros no período homólogo) para o total das transações externas do vinho português. […]