Associação de proprietários e beneficiários do Alqueva

Associação de proprietários e beneficiários do Alqueva

A APBA – Associação de Proprietários e Beneficiários do Alqueva, é formalmente apresentada no próximo dia 11 de outubro, pelas 18 horas, no auditório da EDIA, em Beja.

A APBA, surge na sequência da série de sessões abertas que a EDIA promoveu há 1 ano atrás para a apresentação do Modelo Participativo dos Perímetros de Rega de Alqueva aos proprietários e agricultores dos seus perímetros de rega.

Esta nova organização tem como missão representar e defender os interesses dos proprietários e beneficiários do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva junto das entidades oficiais, e conta com representantes de todos os perímetros de rega geridos pela EDIA, nomeadamente: Vale do Gaio; Monte Novo; Loureiro-Alvito; Caliços-Machados; Caliços-Moura; Orada-Amoreira; Alfundão; Ervidel; Roxo-Sado; Ferreira; Cinco Reis-Trindade; Beringel-Beja; São Matias; São Pedro-Baleizão; Baleizão-Quintos; Alvito-Pisão; Pias; Brinches; Serpa; Brinches-Enxoé; Pisão e Pedrogão.

Recorde-se que o Sistema Global de Alqueva tem, neste momento, 120 mil hectares de regadio em exploração, com expansão prevista para 170 mil hectares até finais 2022.

Comente este artigo
Anterior Ordem do Médicos Veterinários homenageada com Medalha de Honra da Agricultura
Próximo Regantes criam sistema de diagnóstico para reduzir custos de distribuição da água

Artigos relacionados

Comunicados

Missão continente revela que valorizou 80% de resíduos

No dia em que se assinala o Dia Internacional da Reciclagem – 17 de maio – o Continente revela que, em 2016, […]

Últimas

Vai continuar a comer carne de vaca? Marcelo responde à polémica do momento

De visita a Viseu, Presidente aproveitou para elogiar o nível e o civismo dos debates políticos na pré-campanha eleitoral.

Apesar da polémica instalada nos últimos dias, […]

Sugeridas

“A agricultura extensiva é a resposta para o desenvolvimento do Alentejo e do país diz Catarina Martins na visita

[Fonte: Rádio Campanário] Em Castro Verde, Catarina Martins alertou que “a monocultura intensiva não tem trazido emprego” e “está a estragar os solos e a água” e defendeu que o Alentejo e o país precisam para o seu desenvolvimento de uma “agricultura extensiva, […]