Associação de empresas florestais pede rearborização de Mação

Associação de empresas florestais pede rearborização de Mação

[Fonte: Gazeta Rural]

A Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente (ANEFA) manifestou-se preocupada com a destruição florestal no concelho de Mação e apelou aos responsáveis políticos para que criem condições para iniciar a rearborização da região.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da ANEFA, Pedro Serra Ramos, disse que os empresários do setor florestal que operam no município do distrito de Santarém “estão desesperados e desanimados”, perante a destruição da área florestal.

“O desespero que já existia após os incêndios em 2017 aumentou com estes últimos incêndios, pois o setor ainda não tinha recuperado. Neste momento, os empresários que vivem da floresta fazem contas à vida”, apontou.

No entanto, o responsável da ANEFA ressalvou que “ainda é muito cedo” para quantificar os reais impactos económicos no setor, numa altura em que a autarquia de Mação estima que 95% do seu território esteja queimado, na sequência dos incêndios ocorridos desde 2017.

A esse propósito, Pedro Serra Ramos explicou que após dois grandes incêndios, num tão curto espaço de tempo, “a regeneração natural do território é impossível”, sendo necessário iniciar “o mais rapidamente possível um processo de rearborização artificial”.

“A mensagem que quero deixar é que os responsáveis políticos deixem de esgrimir espadas e se concentrem em salvar a floresta. Ou iniciamos rapidamente a rearborização da região ou nos próximos anos não vamos ter matéria prima nem floresta”, alertou.

Contudo, apesar de Mação ter hoje o seu território florestal totalmente devastado, o presidente da ANEFA ressalvou o trabalho “exemplar” que o município tem feito na prevenção de incêndios.

“Mação é o concelho do país que criou as melhores condições para a gestão florestal. Foi o primeiro município a criar um cadastro. Nesse aspeto é um município exemplar”, atestou.

A ANEFA manifestou ainda disponibilidade para apoiar todo o processo de rearborização e combater o eventual aproveitamento de venda de madeira queimada.

Vários incêndios deflagraram no distrito de Castelo Branco ao início da tarde de sábado. Dois com origem na Sertã e um em Vila de Rei assumiram maiores dimensões, tendo este último alastrado, ainda no sábado, ao concelho de Mação, distrito de Santarém, e ficado dominado na terça-feira.

Fonte: Sapo.pt

Comente este artigo

O artigo Associação de empresas florestais pede rearborização de Mação foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Anterior Alentejo produziu mais de 819 mil hectolitros de azeite numa campanha histórica em 2018
Próximo Viewpoint: There will be no crop biotech revolution unless scientists, consumers learn to talk to each other

Artigos relacionados

Últimas

Agricultores criticam Governo pelo fim dos apoios ao olival em Alqueva

[Fonte: Vida Rural]

A Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo (FAABA) emitiu esta segunda-feira (24 de junho) um comunicado em que diz que os seus associados receberam “com grande perplexidade” […]

Últimas

Incêndios: Mais de 60 militares vão reforçar vigilância em nove distritos a partir de sexta-feira

[Fonte: SAPO 24]

“A subida das temperaturas para os próximos dias leva ao terreno, a partir de amanhã […]

Nacional

Ministério da Agricultura está no terreno a apoiar os agricultores afectados pelos incêndios

[Fonte: Gazeta Rural]

Apesar de estarem ainda em curso trabalhos de rescaldo nas zonas atingidas pelos incêndios dos últimos dias, […]