Associação de empresas florestais pede rearborização de Mação

Associação de empresas florestais pede rearborização de Mação

[Fonte: Gazeta Rural]

A Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente (ANEFA) manifestou-se preocupada com a destruição florestal no concelho de Mação e apelou aos responsáveis políticos para que criem condições para iniciar a rearborização da região.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da ANEFA, Pedro Serra Ramos, disse que os empresários do setor florestal que operam no município do distrito de Santarém “estão desesperados e desanimados”, perante a destruição da área florestal.

“O desespero que já existia após os incêndios em 2017 aumentou com estes últimos incêndios, pois o setor ainda não tinha recuperado. Neste momento, os empresários que vivem da floresta fazem contas à vida”, apontou.

No entanto, o responsável da ANEFA ressalvou que “ainda é muito cedo” para quantificar os reais impactos económicos no setor, numa altura em que a autarquia de Mação estima que 95% do seu território esteja queimado, na sequência dos incêndios ocorridos desde 2017.

A esse propósito, Pedro Serra Ramos explicou que após dois grandes incêndios, num tão curto espaço de tempo, “a regeneração natural do território é impossível”, sendo necessário iniciar “o mais rapidamente possível um processo de rearborização artificial”.

“A mensagem que quero deixar é que os responsáveis políticos deixem de esgrimir espadas e se concentrem em salvar a floresta. Ou iniciamos rapidamente a rearborização da região ou nos próximos anos não vamos ter matéria prima nem floresta”, alertou.

Contudo, apesar de Mação ter hoje o seu território florestal totalmente devastado, o presidente da ANEFA ressalvou o trabalho “exemplar” que o município tem feito na prevenção de incêndios.

“Mação é o concelho do país que criou as melhores condições para a gestão florestal. Foi o primeiro município a criar um cadastro. Nesse aspeto é um município exemplar”, atestou.

A ANEFA manifestou ainda disponibilidade para apoiar todo o processo de rearborização e combater o eventual aproveitamento de venda de madeira queimada.

Vários incêndios deflagraram no distrito de Castelo Branco ao início da tarde de sábado. Dois com origem na Sertã e um em Vila de Rei assumiram maiores dimensões, tendo este último alastrado, ainda no sábado, ao concelho de Mação, distrito de Santarém, e ficado dominado na terça-feira.

Fonte: Sapo.pt

Comente este artigo

O artigo Associação de empresas florestais pede rearborização de Mação foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Anterior Alentejo produziu mais de 819 mil hectolitros de azeite numa campanha histórica em 2018
Próximo Viewpoint: There will be no crop biotech revolution unless scientists, consumers learn to talk to each other

Artigos relacionados

Comunicados

Concurso CA de ideias inovadoras

Convite para assistir à sessão de início do concurso de ideias inovadoras a realizar em Universidades e Politécnicos da região do Alentejo e da região do Lezíria do Tejo no âmbito do Protocolo Grupo Crédito Agrícola (GCA) e a Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo (ADRAL). […]

Nacional

Abriu-se o caminho para o Alho da Graciosa atingir outros mercados

[Fonte: Voz do Campo]

A llha Graciosa situa-se no grupo Central do Arquipélago dos Açores e caracteriza-se por possuir um relevo bastante plano. Sendo uma ilha essencialmente agrícola a cultura do alho há muito ali está enraizada mas numa lógica de produção mais interna. […]

Dossiers

New Holland vence os prémios “Machine of the year”

[Fonte: Voz do Campo]
O painel de jurados do prémio “Machine of the Year 2019” atribuiu o cobiçado título à tecnologia IntelliSense™ da New Holland na sua gama de ceifeiras-debulhadoras CR Revelation na categoria Ceifeiras-debulhadoras e à sua gama T5 Auto Command™ na categoria Tratores de médias dimensões na feira SIMA 2019. […]