Armazenamento na bacia do Sado abaixo dos 30%

Armazenamento na bacia do Sado abaixo dos 30%

[Fonte: Diário do Alentejo] A quantidade de água armazenada desceu em setembro em todas as bacias hidrográficas, tal como já tinha sucedido em agosto, segundo dados do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (Snirh). De acordo com os dados disponíveis, no último dia do mês de setembro e comparativamente ao último dia do mês anterior verificou-se uma descida do volume armazenado de água em todas as bacias monitorizadas pela Associação Portuguesa Ambiente.


Das 59 albufeiras monitorizadas, 26 apresentaram disponibilidades hídricas inferiores a 40 por cento do volume total e quatro, todas no Norte do País, superiores a 80 por cento. A situação mais grave é a que se vive na bacia do Sado que apresenta menor disponibilidade de água. À exceção de Alvito, todas as outras albufeiras da bacia do Sado encontram-se com um armazenamento abaixo dos 30 por cento da capacidade máxima. Campilhas (7,2 por cento) e Monte da Rocha (8,8 por cento), que assegura o abastecimento aos concelhos de Castro Verde, Ourique e Almodôvar, aproximam-se dos limites mínimos. Pedo do Altar, Roxo e Vale do Gaio estão abaixo dos 20 por cento da capacidade máxima.

Os níveis de armazenamento são superiores na bacia do Guadiana (62,5 por cento) e em particular na albufeira de Alqueva (66,6 por cento), embora a barragem do Lucefecit, próximo do Alandroal, no distrito de Évora, esteja quase sem água, com um nível inferior a cinco por cento. Segundo o Ministério da Agricultura, tem-se verificado desde final de julho uma descida no volume armazenado em todas as bacias hidrográficas, sendo de realçar que todo este ano hidrológico se caracteriza por registar “armazenamentos totais inferiores à média”, devido à ocorrência de reduzidas afluências às albufeiras, resultantes de precipitações pouco significativas ou nulas durante o mês de julho e ao volume consumido para os diversos consumos, incluindo os volumes da campanha de rega.

“Os baixos valores de precipitação verificados a sul do rio Tejo condicionaram as disponibilidades totais existentes ao longo do presente ano hidrológico”, refere a mesma fonte, acrescentando que parte significativa do território continental, abrangendo os distritos de Beja, Castelo Branco, Évora, Faro, Lisboa, Portalegre, Santarém e Setúbal, se encontra sujeita a “uma situação de seca extrema ou severa que, pela sua gravidade, consubstancia um fenómeno climático adverso, afetando negativamente as atividades agrícolas”.

Comente este artigo
Anterior Agrotóxicos e controle biológico: compatibilidade é avaliada em experimentos para controle da traça-do-tomateiro
Próximo 8.º Relatório Provisório de Incêndios Rurais: 1 de janeiro a 15 outubro

Artigos relacionados

Comunicados

Síntese estatística do Pedido Único (PU) 2019

SÍNTESE ESTATÍSTICA PEDIDO ÚNICO 2019
O IFAP disponibilizou a Síntese estatística do Pedido Único (PU) 2019 relativa às Candidaturas e aos Atendimentos do Parcelário e Formulários de Identificação do Beneficiário apresentados no período de candidaturas ao PU 2019. […]

Sugeridas

Mau tempo: Agricultores do Mondego dizem que água poderá ficar meses nos campos

O presidente da cooperativa agrícola de Montemor-o-Velho diz que a água acumulada nos campos de cultivo do Baixo Mondego poderá ali ficar meses e antecipa prejuízos gravíssimos para o regadio pela areia arrastada pelo rio. […]

Nacional

Produtores de mirtilo mostram interesse em tornar a fileira mais forte

O 9.º Encontro Nacional do Mirtilo encerrou com um balanço que a organização, a cargo da Associação Nacional de Produtores de Mirtilo (ANPM) e da Cooperativa Agrícola Agroguarda, […]