Aprovado Programa de Ação para a Adaptação às Alterações Climáticas

Aprovado Programa de Ação para a Adaptação às Alterações Climáticas

[Fonte: Rede Rural Nacional] Foi aprovado em Resolução do Conselho de Ministros n.º 130/2019, de 2 de agosto, o Programa de Ação para a Adaptação às Alterações Climáticas, que identifica as principais vulnerabilidades do território nacional às alterações climáticas e as correspondentes áreas de intervenção prioritárias, à luz dos trabalhos desenvolvidos no âmbito da Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas.

Diversos estudos indicam que Portugal é um dos países da Europa potencialmente mais afetados pelas alterações climáticas, enfrentando uma variedade de impactos, como aumentos na frequência e intensidade de secas, inundações, cheias repentinas, ondas de calor, incêndios rurais, erosão e galgamentos costeiros.

A fim de evitar ou minimizar os custos e perdas elevados, em consequência desses impactos, torna-se necessário implementar um conjunto de medidas de adaptação identificadas nos diversos exercícios sectoriais e territoriais e assegurar financiamento adequado, prioritariamente para as medidas de carácter infraestrutural.

Este Programa constitui-se como um guia orientador com vista a:

  • até 2020, mobilizar os instrumentos de financiamento existentes no atual quadro;
  • até 2030, apoiar os exercícios de definição de políticas e instrumentos financeiros futuros para a sua concretização, em particular para apoio à definição do futuro quadro de financiamento comunitário.

Para o efeito o P -3AC, estabelece linhas de ação e as medidas prioritárias de adaptação, identificando as entidades envolvidas, os indicadores de acompanhamento e as potenciais fontes de financiamento. As nove linhas de ação para a redução dos principais impactos e vulnerabilidades do território, são:


a) aumento da frequência e da intensidade de incêndios rurais; 
b) aumento da frequência e da intensidade de ondas de calor; 
c) aumento da frequência e da intensidade de períodos de seca e de escassez de água; 
d) aumento da suscetibilidade à desertificação; 
e) aumento da temperatura máxima; 
f) aumento da frequência e da intensidade de eventos de precipitação extrema; 
g) subida do nível das águas do mar, e 
h) aumento de frequência e da intensidade de fenómenos extremos que provocam galgamento e erosão costeiros

Comente este artigo
Anterior Grupo de Trabalho – Estenfiliose – Ponto da situação
Próximo Motivos Campestres. Soluções e serviços também para a amendoeira

Artigos relacionados

Notícias florestas

Webinar: Sustentabilidade do setor florestal e economia face aos fenómenos extremos – 17 de novembro

Ciclo de Conferências IEAAM «Sustentabilidade do Homem no Planeta Terra que Magalhães circum-navegou». Parte III. Desafios para um futuro sustentável […]

Últimas

Commission publishes study on the CAP’s impact on soil

Thanks to the common agricultural policy (CAP), requirements are in place to reduce the use of plant protection products through support for organic farming and by banning their use in ecological focus […]

Dossiers

Oferta de emprego – Técnico Comercial – Zootécnico ou Agrónomo – Tomar

A empresa Diamantino Coelho & Filho, S.A., empresa certificada e de referência no mercado agropecuário, com mais de 50 anos de atividade, pioneira em Portugal no fabrico de misturas […]