Aprovada lei que obriga cantinas públicas a dar preferência a produtos locais

Aprovada lei que obriga cantinas públicas a dar preferência a produtos locais

A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira (5 de abril) uma legislação para incentivar o “consumo sustentável” e que obriga as cantinas e refeitórios públicos a dar preferência a produtos locais.

O documento foi aprovado com os votos a favor do PEV, BE, PAN e PS e a abstenção do PSD e do CDS-PP e prevê que seja dada preferência a produtos que “promovam uma alimentação e nutrição adequadas” nas cantinas públicas.

Para além disso, define que a escolha e compra de produtos alimentares deve ponderar “obrigatoriamente a sua qualidade, origem e impacto ambiental” e ter em conta um de três critérios – produtos biológicos, de denominação de origem protegida ou indicação geográfica protegida.

Com base nesta medida, o Governo deverá passar a elaborar, anualmente, um relatório sobre a aplicação destes critérios, com base em informação das entidades responsáveis pelas cantinas e refeitórios, e ainda sobre o impacto desta lei nas economias locais.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Do Campo à Mesa: A Circularidade dos Plásticos e a Nova Agricultura - 8 de abril - Beja
Próximo Fenapecuária defende que os Agricultores devem ser apoiados pelo seu contributo ambiental

Artigos relacionados

Últimas

Montemor-o-Novo promove esclarecimento sobre rotulagem de produtos alimentares – 22 de janeiro

O Município de Montemor-o-Novo em parceria com a Terras Dentro — Associação para o Desenvolvimento Integrado, vai promover […]

Nacional

“A produção biológica é uma oportunidade estratégica na Região”

Élio Ventura, Diretor Regional de Agricultura dos Açores
A atividade agrícola é o setor mais relevante da economia açoriana, […]

Últimas

EDIA vai facilitar acesso à água para abeberamento e rega de emergência

A EDIA vai facilitar o acesso à água nas suas infraestruturas e reservatórios para fins de abeberamento de gado e “sempre que tecnicamente possível, […]