Apicultores reclamam mais apoios e proteção do mel português

Apicultores reclamam mais apoios e proteção do mel português

No âmbito do XVIII Fórum Nacional de Apicultura, realizado a 9 de Setembro, em Vila Pouca de Aguiar, a Federação Nacional dos Apicultores de Portugal (FNAP) apresentou diversas propostas com vista a aumentar a competitividade do setor apícola nacional e europeu.

A principal reivindicação da Federação é o aumento dos apoios da PAC aos apicultores europeus. «O orçamento da UE para os programas nacionais de apicultura deve ser aumentado em 47,8%, em consonância com o aumento do efetivo apícola, e a PAC pós-2020 deve incluir obrigatoriamente um regime de apoio direto aos apicultores, baseado no número de colmeias», afirmou João Casaca, técnico da FNAP. Os apicultores europeus recebem apenas 3 milésimos do orçamento da PAC, ou seja, 36 milhões de euros (Portugal recebe 1,1 milhões de euros), verba que não é atualizada desde 2014.

Entre 2011 e 2014 o efetivo apícola da UE aumentou 47,8%, mas o valor de financiamento da UE subiu apenas 12%. A produção de mel na UE é estimada em 243.000 toneladas e o consumo em 403.000 toneladas, o que deixa espaço para grande volume de importações. A China é o principal fornecedor de mel à Europa (100.000 toneladas em 2015), exportando mel a preços muito inferiores aos praticados pelos produtores europeus, o que fez com que o preço do mel descesse para metade em 2016, comparativamente com 2014.

A qualidade do mel é outra das preocupações da FNAP, que reclama a adoção de procedimentos de análise laboratorial eficazes para detetar situações de adulterações, que são cada vez mais sofisticadas. Em 2015, a Comissão Europeia ordenou testes centralizados ao mel nos Estados-Membros e concluiu que 20% das amostras eram de mel adulterado. Neste contexto, a FNAP exige que as regras e o controlo atuais sejam estendidos aos exportadores e embaladores de mel de países terceiros e recomenda a obrigatoriedade da indicação do local de origem do mel. «As menções “misturas de méis” ocultam totalmente ao consumidor a origem do mel que consomem», explica a FNAP.

Diversificação e Inovação na Produção Apícola

Em Portugal atingiu-se em 2016 um número recorde de 700.000 colmeias e os apicultores portugueses são cada vez mais profissionais. No entanto, devido às flutuações do preço do mel no mercado global e à instabilidade da produção, diretamente dependente das condições climáticas de cada ano, é necessário diversificar a produção, apostando em novos produtos além do mel.

A FNAP, em parceria com a Escola Agrária de Bragança, iniciou este ano o projeto “DIVINA- Diversificação e Inovação na Produção Apícola”, que visa incentivar os apicultores a produzir pólen, própolis, pão-de-abelha e apitoxina (vulgo veneno de abelha), com vista a aumentar a rentabilidade e garantir a sustentabilidade das explorações apícolas. O projeto, que decorre até 2021, inclui 4 fases de execução: instalação de 3 apiários experimentais em Bragança, Vila Real e Lisboa; instalação de 6 apiários de aplicação; desenvolvimento tecnológico dos processos produtivos daqueles produtos da colmeia e elaboração de manuais técnicos e normas de qualidade para regulamentar a produção.

A própolis*, por exemplo, é um produto da colmeia com elevado poder anti-oxidante e anti-microbiano que tem diversas aplicações. O seu preço pode atingir 80€/kg. Uma das possíveis utilizações é o uso em recobrimentos comestíveis de frutas. Durante o Fórum foi apresentado o projeto Re-Pear, que testou recobrimentos contendo própolis em peras Conference e Blanquilha, com resultados positivos na preservação da qualidade da fruta durante a fase de armazenamento.

A inovação tecnológica na gestão da exploração apícola também foi abordada no Fórum, destacando-se o projeto Smart Beekiping. Investigadores do Instituto Politécnico do Cávado e Ave, em parceria com a FNAP e associações de apicultores locais, estão a desenvolver uma plataforma inteligente integrada – sBee – para controlo da atividade apícola. Esta ferramenta, baseada em sensores integrados nas colmeias e nos fatos dos apicultores, deverá permitir o registo automático das colmeias, autenticação de apicultores, registo e controlo in loco das operações de campo, entre outros.

Recorde-se que a apicultura é fonte de rendimentos primários ou suplementares para mais de meio milhão de cidadãos europeus e que o valor do setor apícola ultrapassa em muito o valor das suas produções, representando cerca de 14,2 mil milhões de euros, já que 74% da produção alimentar depende da polinização das abelhas, que também contribui para a manutenção do equilíbrio ecológico e diversidade biológica.

O XVIII Fórum Nacional de Apicultura foi coorganizado pela FNAP e as suas associadas Aguiar Floresta, Capolib e Montimel, e teve a participação de cerca de duas centenas de apicultores.

* substância resinosa obtida pelas abelhas através da colheita de resinas da flora (pasto apícola) da região, e alteradas pela ação das enzimas contidas em sua saliva.

Comente este artigo
Anterior CDS-PP recomenda ao Governo publicação, por concelho, das áreas ardidas nos grandes incêndios florestais e um maior apoio ao investimento de defesa da floresta contra incêndios
Próximo El precio de la almendra frena su caída en las lonjas mientras el sector frena sus ventas

Artigos relacionados

Últimas

Navigator vai investir apesar de estar preocupada com política para eucalipto

[Fonte: Jornal De Negócios]

A The Navigator Company, designação adoptada no ano passado pela Portucel, decidiu avançar com o investimento de 121 milhões de euros na sua fábrica de Cacia e tenciona também concretizar um outro reforço na sua unidade da Figueira da Foz orçado em 85 milhões de euros. […]

Nacional

DGAV volta a actualizar a zona demarcada do insecto do Citrus Greening

[Fonte: Agricultura e Mar]

5 horas atrás Agricultura, Featured, Frutos, Frutos Frescos 2 Visualizações

A DGAV – Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária actualizou o mapa bem como a lista de freguesias que integram total ou parcialmente a zona demarcada respeitante a Trioza erytreae, […]

Últimas

Formulação de concentrado para o gado

[Fonte: Voz do Campo]

A formulação de concentrado para gado deve levar em consideração as necessidades nutricionais dos animais, a qualidade do volume oferecido, os ingredientes disponíveis na região e os custos dos produtos.
Assim, o mais indicado é procurar a orientação de um profissional da assistência técnica local que, […]