Animais ajudam a estudar vegetação combustível

Animais ajudam a estudar vegetação combustível

AGIF lança projeto pioneiro em Portugal com dispositivos GPS em rebanhos, na Serra de Montemuro.

Três animais, de três rebanhos de ovinos e caprinos da Serra do Montemuro, receberam uma coleira com GPS e sensores, num projeto pioneiro para gestão de vegetação que envolve a Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF), o Instituto Politécnico de Bragança e os Bombeiros Voluntários de Castro Daire.

O objetivo é estudar a vegetação consumida durante um ciclo de crescimento, perceber onde esta cresce mais e menos e, assim, saber onde não há necessidade de gerir a vegetação combustível, seja com o recurso a fogo controlado, seja com utilização de máquinas, baixando os custos da gestão desses territórios.

Os animais têm uma coleira que disponibiliza informação a cada 15 minutos, que será recolhida até setembro, para em outubro permitir decidir onde serão realizadas as ações de fogo controlado inseridas no projeto de gestão de vegetação desenvolvido nos últimos dois anos, de forma articulada com os pastores locais.

O artigo foi publicado originalmente em Produtores Florestais.

Comente este artigo
Anterior Incêndios em Monchique provocaram quebra de 50% na colheita de medronho - produtores
Próximo Tudo é Economia: Agroalimentar em crescimento

Artigos relacionados

Nacional

Parlamento Europeu quer que política de coesão permaneça prioritária na UE

A política de coesão deve permanecer uma prioridade para a União Europeia (UE) e ser apoiada por um financiamento ambicioso, mesmo à […]

Dossiers

A importância da utilização de produtos fitofarmacêuticos homologados

A utilização de produtos fitofarmacêuticos (PF) não homologados é muito grave, tendo em conta os riscos elevados que estes produtos representam para o meio ambiente, a saúde e a segurança dos consumidores, pois estes produtos não […]

Últimas

Famalicão quebra isolamento para ir à feira: “Até desinfetamos com bagaço”

Centenas de pessoas foram à feira semanal de Famalicão para comprar comida. Comerciantes tinham máscaras para vender “coisinhas” da terra. […]