Amorim inaugura em abril nova fábrica na Austrália e abre unidade no Chile em 2021

Amorim inaugura em abril nova fábrica na Austrália e abre unidade no Chile em 2021

Corticeira tenciona inaugurar em abril fábrica em Adelaide, na Austrália e vai abrir uma nova unidade no Chile, no próximo ano, com um grupo local. Em causa está um investimento 4,5 milhões de euros.

A Amorim está a construir de raiz uma nova fábrica na Austrália, num investimento de 3,5 milhões de euros, e, no próximo ano, tenciona abrir uma nova fábrica no Chile, anunciou o presidente executivo da empresa aos jornalistas, à margem da cerimónia de celebração dos 150 anos da corticeira.

“Já estamos presentes na Austrália, mas, neste momento, estamos a construir uma fábrica de raiz”, explicou aos jornalistas António Rios Amorim. A justificação prende-se com o crescimento do setor — a Austrália produz anualmente cerca de 700 milhões de garrafas de vinho. “O nosso negócio na Austrália duplicou nos últimos anos”, precisou o responsável. A nova fábrica, em Adelaide, deverá ser inaugurada em abril, acrescentou.

Já estamos presentes na Austrália, mas, neste momento, estamos a construir uma fábrica de raiz.

António Rio Amorim

Presidente executivo da Amorim

António Rios de Amorim revelou ainda que a Corticeira tenciona abrir uma nova fábrica no Chile, “no máximo, no próximo ano”, desta feita em parceria com um grupo local, com o qual já trabalha há largas décadas. Em causa está um investimento de 4,5 milhões de euros, acrescentou o presidente executivo.

Para assinalar os 150 anos da marca, a corticeira lançou uma nova logomarca “orientada para o futuro”. Desenvolvida pelo Atelier Eduardo Aires, a nova identidade “tem como referência central o sobreiro, representado de forma contemporânea”, e “cria uma ponte entre a dimensão patrimonial do passado e a visão de futuro da Amorim”, informou o grupo durante uma cerimónia.

O sobreiro, que está na origem do ciclo da cortiça, é a grande referência da nova imagem, sendo a ideia “criar uma síntese da forma que permitisse evoluir da logomarca pré-existente de representação da árvore para um elemento mais depurado, renovando e adequando-a à atualidade”. O ‘designer’ realça ainda a forte ligação à sustentabilidade traduzida na proposta, explicando que “a imagem conta com o círculo como elemento representativo da economia verde, circular, valor que implícito à exploração da cortiça”.

Segundo António Rios de Amorim, a nova imagem “condensa, com elegância e sobriedade, os valores” da empresa: “longevidade, ambição, orgulho, discrição, atitude, e sobretudo a paixão por um material tão único e nobre quanto a cortiça”.

Essa paixão vai traduzir-se também na mobilização dos produtores florestais para que plantem um total de 50 mil hectares de sobro nos próximos dez anos. “O objetivo é mobilizar esses produtores para que, entre diversas plantações, no prazo aproximado de 10 anos possam ser plantados 50 mil hectares de sobreiros com uma densidade significativamente superior à atual. Acredita-se que com um aumento de 7% da área atual dos sobreiros em Portugal será possível incrementar a produção de matéria-prima em 35%”, afirmou o presidente executivo da Corticeira Amorim,

Continue a ler este artigo no ECO.

Comente este artigo
Anterior Amorim aposta na sustentabilidade e inovação e lança “bases para mais 150 anos”
Próximo Corticeira Amorim incentiva plantação de 50 mil hectares de sobreiros na próxima década

Artigos relacionados

Nacional

Meios de combate aos incêndios reforçados com dispositivo na máxima capacidade

s meios de combate aos incêndios florestais voltam hoje a ser reforçados, passando o dispositivo a estar na sua capacidade máxima, sendo o grande […]

Sugeridas

10º Colóquio do Milho 2020 – Apresentações

Decorreu no passado dia 19 de Fevereiro, no Convento São Francisco, em Coimbra, o 10º Colóquio Nacional do Milho 2020 que contou a presença de […]

Últimas

OE2020: PEV propôs e há “abertura” para reforço de pessoal na conservação da natureza

“Os Verdes” apresentaram alterações ao Orçamento do Estado de 2020 (OE2020) e tiveram “alguma abertura” do Governo para um […]